Laguna Marfil/Baia Grande: um lago com nome de Palmeira dividido entre dois países e que emerge manejo integrado transfronteiriço / Laguna Marfil / Baia Grande: a lake with the name of Palm tree divided between two countries and emerging integrated trans-border management

Denildo da Silva Costa, Mauro Paschoal Crema

Abstract


A Laguna Marfil (Bolívia) ou Baía Grande (Brasil) é um lago de formação natural, pertencente à bacia amazônica, compartido entre as duas nações sul-americanas, cuja divisão é oriunda de tratados e demarcações. Este trabalho busca delinear a ocupação histórica do espaço que na atualidade se constitui como área de manejo integrado no lado boliviano. Os objetivos deste artigo apresentam a caracterização regional, com vista a dialogar sobre os conflitos que materializam desafios que envolvem os recursos relacionados. Foi utilizada a metodologia de estudos bibliográficos nos dois países, como visita à sede do município (San Ignácio de Velasco) para coletar arquivos documentais e de vivências com as comunidades da região, onde fora conduzido entrevista semiestruturada, e, visitas para observação participante. Como resultado, compreendemos que os conflitos na região se consolidam por inexistir plano de manejo integrado entre os dois países. Na Bolívia, a unidade de conservação criada em solo pelo município, na categoria de Área de Manejo Integrado, caminha para efetivação participativa com as comunidades tradicionais que vivem no seu entorno e interior. No lado brasileiro, a realidade é muito distinta. As comunidades foram afastadas de qualquer participação e acesso, sendo o espaço controlado por proprietários de fazendas na região, longe de qualquer discussão sobre importância da área e dos recursos ali disponibilizados. Toda importância etno-social adjunta ao meio ambiente segue completamente ameaçada pelo avanço econômico do agronegócio, potencializado pela omissão do Estado.


Keywords


Recursos hídricos, espaço transfronteiriço, conflitos e manejo integrado.

References


ANTAS, J. R. R. M. Território e regulação espaço geográfico, fonte material e não-formal do direito. São Paulo: Editorial Humanitas: Fapesp, 2005.

BOLIVIA, Informe sobre el Sistema Nacional de Áreas Protegidas (SERNAP). II CongresoLatinoamericano de Parques Nacionais y Otras Áreas Protegidas. Bariloche, 2007.

COSTA, D da S. Fronteira Brasil/Bolívia: Diagnóstico sobre relações trabalhistas de exploração de mão de obra na produtividade de proteínas animal e vegetal, caso oeste de Mato Grosso. In:Espaço agrário em questão (série estudos reunidos, volume 73)/ organização Anderson Willians Bertholi; Gustavo H. Cepolini Ferreira – 1 ed. Jundiaí: Paco Editora, 2019. (277-292).

DIEGUES, A.C.S. O mito moderno da natureza intocada. 3. ed. São Paulo: Hucitec Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileira, USP, 2000.

DUFFY, R. Global politics and peace parks.Parks for Peace or Peace for Parks?Issues in practice and policy.Washington D.C.: Woodrow Wilson International Center forScholars, 2005.

GOES FILHO, S. S. As fronteiras do Brasil. Brasília: FUNAG, 2013.

HAESBAERT, R. Dos múltiplos territórios ámultiterritorialidade. In: Anais do I Seminário Nacional sobre Múltiplas Territorialidades. Programa de Pós-graduação em Geografia, UFRCS. Porto Alegre, 2004.

JUNK, W.J.; BAYLEY, P.B.; SPARKS, R.E. 1989.The flood pulse concept in river-floodplain systems. Canadian Journal of Fishers and Aquatic, 106: 110-127. In: JARDIM-LIMA, D. et al. Monitoramento sazonal da circulação de água branca na planície de inundação da Amazônia Central: Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirau. Acta Amazônica, 2004.

KILLEEN, T.J e SCHULEMBERG, T. A BiologicalAssentamentof Noel Kempff Mercado National Park, Santa Cruz, Bolívia. RAP WorkingPaper, v. 10. Conservation Internacional, Washington, D.C, 1998.

KROPF, M. S.; OLIVEIRA, R. R. Áreas protegidas fronteiriças (BorderProtectedAreas). Revista Perspectiva Geográfica, ISSN 1981 – 4801 UNIOESTE v.8, n.9, Cascavel, 2013.

LEFF, E. Ecologia, capital e cultura: racionalidade ambiental, democracia participativa e desenvolvimento sustentável. Tradução de Jorge Esteves da Silva. Blumenau: Ed. Da FURB, 2000.

NAVARRO, G. Classificación de lavegetacion de Bolívia. Centro de Ecologia DifusiónSimón I. Patiño. Santa Cruz - Bolívia, 2011.

NAVARRO, G. e FERREIRA, O. Classificacíon de lavegetacion de Bolívia. 2008. In: SALAZAR, R. S. M. Propuesta para lacreación de la Reserva Municipal Laguna Marfil, Municipio de San Ignácio de Velasco. Santa Cruz, Junio de 2010.

OMISTE, E. C. Convenios y DeclaracionesInternacionales. Emp. Ed. Novedades. La Paz, 1966. In: TONELLI JUSTINIANO, O. Geografia, historia e naturalezachiquitana. Santa Cruz de laSierra: Imp. El país, 2012.

QUEIROZ, H.L.; PERALTA, N. Reserva de desenvolvimento sustentável: manejo integrado dos recursos naturais e gestão participativa (447-476). In: GARAY, I. E. G.; BECKER, B. K. As dimensões humanas da biodiversidade: o desafio de novas relações sociedade-natureza no século XXI. Petrópolis: Editora Vozes, 2006.

SAID, E. W. Cultura e imperialismo. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras. 2011.

SALAZAR, R. S. M. Propuesta para lacreación de la Reserva Municipal Laguna Marfil, Municipio de San Ignácio de Velasco. Santa Cruz, Junio de 2010.

SANDWITH, T. et al. Transboundary protected areas for peace and co-operation. Gland and Cambridge: IUCN, 2001.

STEIMAN, R. Áreas protegidas nas zonas de fronteira internacional da Amazônia brasileira. 2008. 190 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, 2008.

TONELLI JUSTINIANO, O. Geografia, história e naturalezachiquitana. Santa Cruz de laSierra: Imp. El país, 2012.

WHYTE, W.F. Sociedade de esquina. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor [1943], 2005.

WOLMER, W. Transboundary Protected Area governance: tensions and paradoxes. 5th World Parks Congress: Benefits Beyond Boundaries. Durhan, África do Sul, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-008

Refbacks

  • There are currently no refbacks.