Gestão pública: adversidades e desafios em parques estaduais de Minas Gerais / Public management: adversities and challenges in state parks of Minas Gerais

Adriana Barreto Lima Miranda, José Luiz Pereira Rezende, Joel Egas Miranda, Rafaela Vidal Ambrósio

Abstract


Este trabalho teve por objetivo, identificar as adversidades que ocorrem nas unidades de conservação e fornecer com informações para sustentar contribuições à gestão pública em áreas protegidas. Consistiu a metodologia deste trabalho em delineamento da pesquisa qualitativa, junto aplicação do roteiro de entrevistas com os 38 gestores dos respectivos parques estaduais e aproveitamento dos questionários com turistas e comunidades do entorno. A análise dos dados realizada ocorreu por meio do conteúdo coletado por entrevistados e observação direta em pesquisa de campo, utilizando-se também, a técnica da matriz SWOT. Conclui-se que os impactos negativos são permanentes e preocupantes; as práticas gerenciais não atendem satisfatoriamente ao controle efetivo dos problemas ambientais, mesmo com uso do Plano de Manejo. Os gestores sugerem mudanças efetivas no controle dos Parques para solucionar as dificuldades nas condições de trabalho, tais como: qualificação funcional, efetivo controle territorial e conflitos com comunidades do entorno em prol da conservação.


Keywords


área protegida; gestão pública; problemas ambientais; comunidade de entorno

References


ATLAS DIGITAL DAS ÀGUAS DE MINAS, Impacto Ambiental relevante na Bacia do Rio Doce em Minas Gerais. Universidade Federal de Viçosa – UFV. Disponível em: . Acessado em 02/out. 2012.

BENNETT, C. F. Conservation and management of natural resources in the United States. New York: J. Wiley, 1983.

BRASIL, 2006. Decreto nº 5.746, de 5 de abril de 2006. Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Disponível em: Acessado em 20. Dez. 2012.

BRASIL. Lei n. 9985 de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: . Acessado em 07/07/2012.

BRASIL. Grupo de Trabalho Interministerial MICT/MMA. Diretrizes para uma Política Nacional de Ecoturismo. Brasília: EMBRATUR, 1994. 65 p

BRASIL. Ministério do Turismo. Ecoturismo: orientações básicas. Brasília, 2010. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2013.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2013.

DIEGUES, Antônio Carlos S. Desenvolvimento sustentável ou sociedades sustentáveis: da crítica dos modelos aos novos paradigmas. São Paulo em Perspectiva, vol. 6, n. 1-2. São Paulo: Fundação SEADE, 1992.

FARIA, H. H. Avaliação da efetividade do manejo de unidades de conservação: como proceder? In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 1., 1997, Curitiba. Anais... Curitiba: Universidade Livre do Meio Ambiente, 1997. p. 478-499.

FONSECA, Mônica; LAMAS, Ivana; KASECKER, Thais. O Papel das Unidades de Conservação. In: Brasil- Maior Biodiversidade do Mundo. Scientific American Brasil. Ed. especial nº 39, 2010.

FONSECA, G. A. B.; PINTO, L. P.; RYLANDS, A. B. Biodiversidade e unidades de conservação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, CONFERÊNCIAS E PALESTRAS, 1., 1997, Curitiba. Anais... Curitiba: Universidade Livre do Meio Ambiente, 1997.

FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA. p. 193-208. Mitos no manejo de unidades de conservação no Brasil, ou a verdadeira ameaça. In: Anais do II Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, 2, 2000, Campo Grande: Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, 2000, v. 1, p. 11-25.

GEERTZ, C. 1992 The growth of culture and evolution of mind. In: SCHER, J. (ed.) Theories of Mind. Gencloe, Free Press, 713-740

HOOPE, R.; GRAAF, V. H.; DIJK, V. A. Implementation as design problem: problem tractability, policy theory and feasibility testing. Paris: IPSA, 1985.

ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Disponível em http://www.icmbio.gov.br/portal/ . Acessado em 18/12/2012.

LINDON Denis; LENDREVIE Jacques; LÉVY Joaquim; DIONÍSIO Pedro., RODRIGUES Joaquim. Mercator XXI: Teoria e prática do Marketing, 10.ª edição, Lisboa: Dom Quixote, 2004.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento, execução e análise. São Paulo: Atlas, 1993.

MILLER, Kenton R. Evolução do conceito de áreas de proteção — oportunidades para o século XXI. In: Anais do I Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Curitiba: IAP: UNILIVRE: Rede Nacional Pró Unidades de Conservação, Vol. 1: 3-21. 1997.

MOREIRA, Jasmine Cardoso. Patrimônio Geológico em Unidades de Conservação: Atividades Interpretativas, Educativas e Geoturísticas. Tese de doutorado aprovada pela Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2008.

OLIVEIRA, L. C. A. The interaction between park management and the activities of local people around National Parks in Minas Gerais, Brazil. 1999. 121 p. Thesis (Ph.D. in Geography) - University of Edinburg, Edinburgh, 1999.

PÁDUA, J. A. Natureza e projeto nacional: as origens da ecologia política no Brasil. In: ______. Ecologia e política no Brasil, espaço e tempo. Rio de Janeiro: IUPERJ, 1987

PÁDUA, M. T. J. Unidades de conservação: muito mais do que atos de criação e planos de manejo. In: MILANO, M. S. (Org.). Unidades de conservação: atualidades e tendências. Curitiba: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, 2002.

PHILIPPI JUNIOR, A.; MAGLIO, I. C. Política e gestão ambiental: conceitos e instrumentos. In: PHILIPPI JUNIOR, A.; PELICIONE, M. C. F. (Ed.). Educação ambiental e sustentabilidade. Barueri: Manole, 2005. cap. 9. (Coleção Ambiental, 3)

Projeto de lei Nº 440/2011. Regulamentação. A Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais decreta a criação da estrada-parque Caminhos do Sertão, localizada no interior do Parque Estadual da Serra do Rola- Moça, abrangendo os Municípios de Belo Horizonte, Brumadinho, Ibirité e Nova Lima. Disponível em: . Acessado em 04/07/2012.

SILVERWOOD-COPE, K. de O. Revolução recente da Política Ambiental no Brasil: uma análise a partir do plano plurianual. 2005. 323 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Universidade de Brasília, Brasília, 2005.

SANTOS J. F.; SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. Perfil dos incêndios florestais no Brasil em áreas protegidas no período de 1998 a 2002. FLORESTA, Curitiba, PR, v. 36, n. 1, jan./abr. 2006. Santos,

SWOT analysis. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2012.

TEIXEIRA, F. P. Gestão do conhecimento aplicada à gestão sustentável do turismo em parques nacionais. 2010. 231 p. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: ATLAS, 1997.

VALLEJO, L. R. Unidades de conservação: uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e de políticas públicas. Geographia, Niteroi, v. 8, p. 77-106, jan./jun. 2003.

VIANNA JÚNIOR, A. Políticas públicas em biodiversidade. In: SEMINÁRIO POPULAÇÕES, TERRITÓRIOS E RECURSOS NATURAIS, 1., 1994, Brasília. Anais... Brasília: Instituto de Estudos Amazônicos e Ambientais, 1994.

YIN, Robert K. Estudo de caso – planejamento e métodos. (2Ed.). Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv4n4-176

Refbacks

  • There are currently no refbacks.