Utilização de tecnologias educativas para a promoção do autocuidado em gestantes: um relato de experiência / Use of educational technologies to promote self-care in pregnant women: an experience report

Renata Campos de Sousa Borges, Milena Coelho Fernandes Caldato, Ana Beatriz Capela Cordovil, Davi Caldas dos Santos, Guilherme Henrique Nascimento Alves, Márcia Vitória de Sousa Rosa, Morianne Gomes da Mata, Rainny Beatriz Sabóia de Oliveira

Abstract


Objetivo: descrever as experiências de acadêmicos do curso de enfermagem no desenvolvimento de ações construtivas com a utilização de tecnologias educativas para a prevenção dos principais agravos e autocuidado no período gestacional. Método: trata-se de um trabalho do tipo relato de experiência com caráter descritivo e qualitativo, realizado com gestantes de um posto de saúde, tendo como direcionamento metodológico a teoria da problematização, e cinco etapas do Arco de Maguerez, que são: observação da realidade; pontos-chave; teorização; hipóteses de solução e aplicação à realidade. Resultados: observamos a falta de conhecimento acerca da temática autocuidado e que as gestantes não foram orientadas eficazmente sobre cuidados necessários que devem ter consigo no período gestacional. Foi notório a deficiência de informações acerca de doenças que possam surgir neste período levando a uma possível complicação, o que demonstra a falta de uma abordagem mais ampla nas consultas referentes ao pré-natal. Dessa forma, foram utilizadas duas tecnologias educativas calendário e a cartilha que se mostraram muito úteis tanto na explicação do autocuidado e no incentivo para a realização do pré-natal. Conclusão: Destaca-se que a utilização de tecnologias educativas favorece a motivação e interesse do público-alvo para obtenção de informações pelas gestantes de patologias desse período.


Keywords


Gestação, Promoção, Tecnologias educativas, Autocuidado, Enfermagem, Arco de Maguerez.

References


GALVÃO, M, T, R, L, S; JANEIRO, J, M, S, V. O autocuidado em enfermagem: autogestão, automonitorização e gestão sintomática como conceitos relacionados. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 1, n. 17, p.225-230, 23 fev. 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2019.

SILVA, S, R, et al. Práticas de autocuidado desenvolvidas por gestantes atendidas em um ambulatório de pré-natal. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 4, n. 16, p.813821, out. 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2019.

SILVA, R, M, et al . Cartografia do cuidado na saúde da gestante. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 17, n. 3, p. 635-642, mar. 2012 . Disponível em . acessos em 23 nov. 2019

SAMPAIO, A, F, S; ROCHA, M, J, F; LEAL, E, A, S. Gestação de alto risco: perfil clínicoepidemiológico das gestantes atendidas no serviço de pré-natal da maternidade pública de Rio Branco, Acre. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 18, n. 3, p. 559-566, set. 2018 . Disponível em: . acesso em: 23 nov. 2019.

BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface (Botucatu), v.2, n.2, p.139-54, 1998.

DIAS, E, G. et al. Ações do enfermeiro no pré-natal e a importância atribuída pelas gestantes. Revista SUSTINERE, Rio de Janeiro, v. 6. n 1. P 52-62, jan-jun , 2018.

LEMES, A. G. Assistência de enfermagem a gestante na primeira consulta de pré-natal. Revista Eletrônica da Univar, v. 1, n. 8, p. 70-73. 2012. Disponível em: http://revista.univar.edu.br/index.php/interdisciplinar/article/view/81. Acesso em: 25 out 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Saúde da mulher: um diálogo aberto e participativo. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Ministério da saúde. Rede cegonha. Brasília. DF. 2012.

GRYSCHEK, A. L. F. et al. Tecendo a rede de atenção à saúde da mulher em direção à construção da linha de cuidado da gestante e puérpera, no Colegiado de Gestão Regional do Alto Capivari – São Paulo. Saúde soc. 2014;23(2):689-700. doi: 10.1590/S0104-12902014000200027.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília. 2012.

MARTINS RMG, Dias ÍKR, Sobreira CLS, Santana KFS, Rocha RMGS, Lopes MSV. Desenvolvimento de uma cartilha para promoção do autocuidado na hanseníase. Rev enferm UFPE on line. 2019;13:e239873 DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2019.239873.

BARBOSA, E, M, G, et al. Educational technologies to encourage (self) care in postpartum women. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016;69(3):545-53. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690323i.

LIMA, I, S et a. Transdisciplinaridade e saúde: uso da cartilha “saiba mais sobre hanseníase” na educação da saúde comunitária. Disponivel em: http://uece.br/eventos/spcp/anais/trabalhos_completos/247-38679-30032016-173159.pdf Acesso em: 26 de out de 2019.

GESTAÇÃO BEBÊ. Esquecimento na gravidez: causas e tratamentos. Disponível em: . Acesso em: 26 de out de 2019.

SILVA, C, R; FERT, M, H. promovendo o conhecimento das gestantes sobre o autocuidado e o cuidado com o recém-nascido. Ministério da saúde grupo hospitalar conceição centro de educação tecnológica e pesquisa em saúde – Escola GHC fundação OSWALDO CRUZ – FIOCRUZ Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde – ICICT. Porto Alegre, 2016.

ZAMPIERI,M.F.M;GREGÓRIO,V.R.P;CUSTÓDIO,Z.A.O;REGIS,M.I;BRASIL,C.Processo educativo com gestantes e casais grávidos: possibilidade para transformação e reflexão da realidade.Texto Contexto Enferm, Florianópolis,v.19 n.4 p.719-727.2010b

BVS. Ministério da Saúde. Importancia do pré-natal. Publicado em: 13 de janeiro de 2016.

XAVIER, L, N et al. Analisando as metodologias ativas na formação dos profissionais de saúde: Uma revisão integrativa. SANARE, Sobral, V 13, n. 1, p. 76-83, jan/jun, - 2014.

MONTEIRO, S; VARGAS, E. Educação, comunicação e tecnologia educacional: interfaces com o campo da saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006.

TEIXEIRA, E. Tecnologias em enfermagem: produções e tendências para a educação em saúde com a comunidade. Revista eletrônica de enfermagem, Goias, v.12, n.4, p.598, 2010.

CONCEIÇÃO, D, S. et al. A Educação em Saúde como Instrumento de Mudança Social. Braz. J. of Develop., Curitiba, v.6, n.8,p. 59412-594 16 aug.2020. ISSN 2525-8761. Disponivel em . Acesso em: 08 set 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-366

Refbacks

  • There are currently no refbacks.