Contribuições do jogo cara a cara dos poliedros na aprendizagem de duas turmas do 20 ano do ensino médio no sertão de Pernambuco/ Contributions of the game face to face of the polyhedra in the learning of two classes of the 2nd series of high school in the sertão of Pernambuco

Raquel Soares da Silva, Claudemiro de Lima Júnior, Lucília Batista Dantas Pereira

Abstract


A disciplina Matemática é vista por muitos alunos como uma disciplina complexa e desinteressante, devido à forma como é ensinada, baseada em métodos tradicionais nos quais os alunos resolvem longas listas de exercícios, totalmente desvinculadas de suas realidades, gerando, assim, desmotivação já que não conseguem ver sentido no estudo dessa disciplina. Para mudar esse quadro, faz-se necessário rever os métodos de ensino. Trabalhar de forma dinâmica pode reduzir os receios dos estudantes quanto à disciplina Matemática, além de tornar a sala de aula um ambiente mais agradável. Nessa perspectiva, os jogos matemáticos podem proporcionar um momento de aprendizagem diferenciado, pois os alunos se sentirão atraídos pela proposta do professor, logo se envolverão com a problemática do jogo a fim de se chegar a uma solução. Nesse processo, desenvolverão o pensamento crítico, a criatividade, o raciocínio lógico e a autonomia, possibilitando a construção de seu próprio conhecimento. Nesse sentido, este trabalho apresenta os Jogos Matemáticos como proposta de ensino, tendo como objetivo investigar as contribuições do jogo Cara a Cara dos Poliedros no processo de ensino e aprendizagem dos alunos da segunda série do Ensino Médio. Este estudo tem uma abordagem quantitativa, contemplou duas turmas do 20 ano do Ensino Médio de uma escola pública de Petrolina- PE, totalizando 50 estudantes. Inicialmente, foi aplicado um teste de sondagem para verificar as dificuldades e os conhecimentos prévios dos alunos em relação aos poliedros; depois se vivenciou o jogo Cara a Cara dos Poliedros, com o intuito de facilitar a aprendizagem. Posteriormente, aplicou-se um teste de verificação para analisar se houve melhoria na aprendizagem dos alunos, junto, também, com um questionário sobre a atividade vivenciada. Foi constatado que, apesar de os resultados terem sido parcialmente satisfatórios, os estudantes destacaram algumas contribuições do jogo Cara a Cara dos Poliedros, tais como: a interação, a diversão, a possibilidade de aprender brincando, a saída da rotina, a facilidade na apropriação dos conceitos, além de maior motivação para a aula. Assim, concluiu-se que, mesmo com os resultados apresentados, o jogo Cara a Cara dos Poliedros, desde que se planejem bem as ações, pode, sim, ser utilizado como ferramenta facilitadora na aprendizagem dos poliedros.


Keywords


Ensino de Matemática, Jogos matemáticos, Poliedros, Aprendizagem.

References


COELHO,L.Questões Comentadas: Poliedros. Disponível em: . Acesso em: 08 de maio de 2018.

DOLCE, O. POMPEO, J. N.. Fundamentos de matemática elementar, 10: geometria espacial, posição e métrica. – 6. Ed. – São Paulo, 2005.

GRANDO, R. C. O jogo e a matemática no contexto da sala de aula. São Paulo: Paulus, 2004.

HACKBARTH NETO, A. A.; STEIN, C. E. Uma abordagem dos testes não-paramétricos com utilização do excel. Disponível em: < http://www.mat.ufrgs.br/~viali/estatistica/mat2282/material/textos/artigo_11_09_2003.pdf>. Acesso em: 04 de agost. de 2018.

LARA, I. C. M.. O jogo como estratégia de ensino de 5ª a 8ª série. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA- ENEM, 8. Anais. Recife: UFPE, 2004. 10p.

MACEDO, L.; PETTY, A. L. S.; PASSOS, N. C.. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. – Porto Alegre: Artmed, 2005.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M.. Fundamentos de metodologia científica. – 8. Ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MARIM, V.; BARBOSA, A. C. I.. Jogos matemáticos: uma proposta para o ensino das operações elementares. In: OLIVEIRA, C. C.; et al. Educação matemática: contextos e práticas docentes. Campinas, SP: editora Alínea, 2010. P. 225-239

MOURA, M. O. A séria busca no jogo: do lúdico na Matemática. In: KISHIMOTO, T. M. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 9. ed. Cortez, p. 73-87, 2006.

OLIVEIRA, E.C. C.; et al.. Abordagem do dominó fracionário como uma ferramenta para auxiliar na compreensão do conteúdo de frações. In: MARINHO, A. R.; SCHURSTER, K.. (Org.). Formação de professores e prática docente: ações do PIBID/ UPE. – Rio de Janeiro: Autografia; Pernambuco: EDUPE, p.90-106, 2017.

PERNAMBUCO, Secretaria de Educação. Parâmetros para a Educação Básica do Estado de Pernambuco. Recife: SEE, 2012.

RIBEIRO, F. D. Jogos e Modelagem na Educação Matemática. São Paulo: Saraiva, 2009.

RODRIGUES, A. J. Metodologia científica. São Paulo: Avercamp, 2006.

SILVA, A. F.; KODAMA, H. M. Y.. Jogos no ensino da matemática. In: BIENAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA, 2. Anais. UFBA, 2004.

SILVA. L. P. M.. Exercícios Sobre Elementos De Um Poliedro. Disponível em: . Acesso em: 02 de abril de 2018.

SOUZA. J. R.. Novo olhar matemática- 2. Ed. – São Paulo: FTD, 2013.

XAVIER, E. P. C.; PEREIRA, L. B. D.. Os jogos matemáticos como método facilitador no ensino-aprendizagem de matemática. In: MARINO, A. R.; SCHURSTER, K.. (Org.). O programa de iniciação à docência na Universidade de Pernambuco: práticas interdisciplinares. 1. Ed. Autografia, p.196-211, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-329

Refbacks

  • There are currently no refbacks.