O protagonismo das mulheres em viveiros florestais / The protagonism of women in forest nurseries

Aline Lima de Sena, Betel Cavalcante Lopes, Karollyne Renata Silva de Paula Baptista, Cleibiane da Silva Martins, Alexandra Cristina Schatz Sá, Sandiane Carla Krefta, Carla Michelle Matos Gomes, Tamires Borges de Oliveira

Abstract


A divisão de gênero do trabalho é uma prática existente desde os povos indígenas, que distinguiam as atividades de acordo com o gênero. Em algumas tribos as mulheres tinham o papel principal de plantar, colher, preparar a comida, cuidar dos filhos e fazer artesanatos, pois na visão indígena, as mulheres possuíam aptidão para realizar estes tipos de tarefas. Em muitos setores da economia, essa situação tem sido revertida, graças às lutas pelos direitos femininos. Todavia este conceito persiste até os dias de hoje, ainda se observa uma distinção das tarefas realizadas. Este artigo se ocupa de uma análise do trabalho feminino na produção de mudas em viveiros florestais. Com o objetivo de atestar a teoria de que as mulheres protagonizam a produção de mudas por tradicionalmente serem reconhecidas como mais atenciosas e delicadas nas atividades que realizam, e caracterizar suas condições de trabalho no setor a fim de melhor avaliar sua participação. Foram aplicados questionários em três viveiros produtores de mudas florestais, localizados no município de Marituba, São Francisco e Redenção, ambos no estado do Pará. Os questionários continham oito perguntas a respeito do setor produtivo de mudas no viveiro. Podemos concluir que apesar dos avanços dos direitos do trabalho feminino, ainda há desigualdade nas condições de trabalho e remuneração das mulheres que trabalham em viveiros florestais.

 

 


Keywords


Viveiros florestais; trabalho feminino; divisão sexual.

References


BRUSCHINI; M. C. A. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, set./dez. 2007.

CINTRÃO, R ; SILIPRANDI, E. O progresso das mulheres rurais apud O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010. Rio de Janeiro, outubro de 2006.

TEIXEIRA, M. O. Desigualdades salariais entre homens e mulheres a partir de uma abordagem de economistas feministas. Instituto de Economia da Unicamp. Niterói, v.9, n.1, p.31-45,2 sem. 2008.

TORRES, Iraildes Caldas. As novas amazônidas. – 1ª. Ed. – Manaus: Editora da UFAM, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-327

Refbacks

  • There are currently no refbacks.