Política nacional de atuação oncológica: dificuldades e desafios / National policy of oncological action: difficulties and challenges

Andreza Nogueira Silva, Jessika Brenda Rafael Campos, José Rafael Eduardo Campos, Cícera Aurifrança Batista da Rocha, Cíntia de Lima Garcia, Amanda de Almeida, Maria Yngrid Oliveira Brasil, Dayse Christina Rodrigues Pereira Luz

Abstract


Objetivo: compreender a percepção dos pacientes oncológicos assistidos em um centro oncológico de uma cidade do município do Cariri – CE, a cerca e atuação da Política Nacional Oncológica e seus desafios e dificuldades. Método: pesquisa descritiva e exploratória, com abordagem qualitativa, desenvolvida com dezesseis pacientes oncológico, de ambos os sexos. Os dados foram coletados por meio de entrevistas individuais semiestruturadas, no período de janeiro a abril de 2019. Na interpretação dos dados, utilizou-se a análise de conteúdo de Bardin. Resultados: emergiram em quatro categorias: “perfil dos participantes”, “percepção sobre o câncer”, “processo de descoberta” e “dificuldades e desafios”. No estudo foi perceptível o pouco conhecimento dos participantes acerca da existência de uma política que os contempla. Obtemos relatos sobre as vivencias da realidade de pacientes oncológicos frente aos serviços públicos de saúde, encontrando as principais dificuldades em todo processo itinerário terapêutico, como a demora dos resultados de exames, transporte, benefícios auxilio-doença, e suporte psicossocial. Conclusão: Contudo, observamos na realidade a importância de monitorar a assistência que é feita, a gestão e a organização dos serviços e investir em ações por meios de políticas públicas em saúde, visando ter melhorias na assistência fornecida ao paciente e na qualidade de vida do mesmo.


Keywords


Oncologia, política, serviços de saúde.

References


¹ Batista DRR, Mattos M, Silva SF. Convivendo com o câncer: do diagnóstico ao tratamento. Rev Enferm UFSM Jul./Set. 2015. 5(3):499-510.

² Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2014: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2014.

³ Smanio GP, Bertolin PTM. (Org.). O direito e as políticas públicas no Brasil. São Paulo: Atlas, 2013. 568 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1220 de 03 de junho de 2014. Altera o art. 3º da Portaria nº 876/GM/MS, de 16 de maio de 2013, que dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do paciente com neoplasia maligna comprovada, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Cunha GN Et al. Rastreamento do câncer de mama: modelo de melhoria do acesso pelo uso de mamógrafos móveis. Rev Panam Salud Publica 2019. 43: p-7.

Bardin, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2011, p. 229.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 12 dez 2012.

Gonçalves MM et al. Perfil dos atendimentos a pacientes oncológicos em uma unidade de pronto atendimento. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro 2018. 8/2595.

Oliveira MM et al. Estimativa de pessoas com diagnóstico de câncer no Brasil: dados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. REV BRAS EPIDEMIOL DEZ 2015. 18 SUPPL 2: 146-157.

¹0 Barros MBA et al. Tendências das desigualdades sociais e demográficas na prevalência de doenças crônicas no Brasil, PNAD: 2003- 2008. Ciência & Saúde Coletiva, 2011. 16(9):3755-3768.

¹¹ Muller JS, Sperandio FF. Perfil demográfico e fatores associados de pacientes com câncer de mama em tratamento radioterápico na grande Florianópolis. R. Ci. med. biol. Salvador, jan./abr. 2012. 11(1):41-47.

¹² Paula JM, Sawada NO. Qualidade de vida relacionada à saúde de pacientes com câncer em tratamento radioterápico. Rev Rene jan/fev. 2015. 16(1):106-13.

¹³ Silva ACC, Giardinetto ARSB. Políticas públicas em oncologia: refletindo sobre a atuação da terapia ocupacional. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, set./dez. 2012. 23(3): 297-308.

¹4 Costa P, Leite RCB. Estratégias de enfrentamento utilizadas pelos pacientes oncológicos submetidos a cirurgias mutiladoras. Revista Brasileira de Cancerologia, 2009, 55(4): 355-364.

¹5 Teston EF, et al. Sentimentos e dificuldades vivenciadas por pacientes oncológicos ao longo dos itinerários diagnóstico e terapêutico. Esc Anna Nery 2018; 22(4):e20180017.

¹6 Meneguin S, Matos TDS, Ferreira MLSM. Percepção de pacientes oncológicos em cuidados paliativos sobre qualidade de vida. Rev Bras Enferm. 2018; 71(4):2114-20.

¹7 Oliveira JM, Reis JB, Silva RA. Busca por cuidado oncológico: percepção de pacientes e familiares. Rev enferm UFPE on line., Recife, abr. 2018; 12(4):938-46.

¹8 Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 874, de 16 de maio de 2013. Institui a Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-322

Refbacks

  • There are currently no refbacks.