Análise da mortalidade materna por causas relacionadas ao trabalho de parto, parto e puerpério em Goiás no período de 2008 a 2017 / Analysis of maternal mortality for causes related to labor of labor, delivery and puerpério in Goiás in the period 2008 to 2017

Jeovana Romero de Serqueira, Maria Gisélia da Silva Rocha, Paulienne Ramos da Silva Matias, Edlaine Faria de Moura Villela

Abstract


É relevante monitorar os índices de mortalidade materna, pois o óbito materno é evitável em 92% dos casos. Objetivo: determinar a RMM (Razão de Mortalidade Materna) por complicações relacionadas ao trabalho de parto, parto e puerpério, para as mulheres residentes em Goiás, com análise de variáveis geográficas e características maternas. Método: estudo observacional transversal descritivo com dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade Materna e Nascidos Vivos (DATASUS) de 2008 a 2017. Calculou-se a RMM anual (RMM/100.000NV) e por variáveis disponíveis. Resultados: a mortalidade materna analisada no período apresentou declínio nos últimos anos, sendo maior no puerpério de até 42 dias (67,34%) e em mulheres solteiras (44,8%), entre 20 e 39 anos (84,2%), de nível médio de escolaridade (29,9%), residentes na Mesorregião Sul do Estado. Conclusões: Apesar do declínio da RMM, este constitui-se um problema de saúde pública, pois precipitam em grupos de vulnerabilidades, além da não investigação e subnotificação dos óbitos maternos, principalmente das causas diretas de mortalidade, indicando a necessidade de melhorias na rede assistencial ao pré-natal, parto e puerpério e enfrentamento das iniquidades sociais de saúde.

Keywords


Mortalidade Materna, Iniquidade Social, Tendência Temporal, Distribuição Espacial.

References


Martins SCS, Silva LS. Perfil epidemiológico de mortalidade materna. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018;71(supl1):725-31. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v71s1/pt_0034-7167-reben-71-s1-0677.pdf .

Lopes FBT, Moraes MS, Bezerra APF, Rodrigues APRA, Santos NR, Oliveira JS. Mortalidade materna por síndromes hipertensivas e hemorrágicas em uma maternidade-escola referência de Alagoas. Ciências Biológicas e de Saúde Unit, Alagoas, v. 4, n. 2, p. 149-162, nov, 2017.

Lima MRG, Coelho ASF, Salge AKM, Guimarães JV, Costa PS, Sousa TCC, Mattos DV, Sousa MAA. Alterações maternas e desfecho gravídico-puerperal na ocorrência de óbito materno. Cad. Saúde Colet., Rio de Janeiro, 25 (3): 324-331. 2017.

Ferraz L, Bordignon M. Mortalidade materna no Brasil: uma realidade que precisa melhorar. Rev Baiana Saúde Pública. 2012;36(2):527-38.

Vega CEP, Soares VMN, Lourenço Francisco Nasr AM. Mortalidade materna tardia: comparação de dois comitês de mortalidade materna no Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2017, vol.33, n.3, e00197315. Epub Apr 20, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n3/1678-4464-csp-33-03-e00197315.pdf.

Morse ML, Fonseca SC, Barbosa MD, Calil MD, Eyer FPC. Mortalidade Materna no Brasil: o que mostra a produção científica nos últimos 30 anos? Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 [cited 2016 Nov 15];27(4):623-38. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n4/02.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Fernandes BB, Nunes FBBF, Prudêncio OS, Mamede FV. Pesquisa epidemiológica dos óbitos maternos e o cumprimento do quinto objetivo de desenvolvimento do milênio. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(esp):192-9.

Victora CG, Aquino EM, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. Lancet 2011; 377(9780): 1863-76.

Laurenti R, Jorge MHPM, Gotlieb SLD. A mortalidade materna nas capitais brasileiras: algumas características e estimativa de um fator de ajuste. Rev. Bras. Epidemiol., v. 7, n. 4, p. 449-460, dez. 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília, 2004.

Organização Pan-americana da Saúde. Mortalidade Materna - Ripsa - Brasília, Publicação da OPAS, 2018.

Trevisan MR, De Lorenzi DRS, Araújo NM, Esber K. Perfil da assistência pré-natal entre usuárias do Sistema Único de Saúde em Caxias do Sul. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., v. 24, n. 5, p. 293-299, jun 2002.

Riquinho DL, Correia SG. Mortalidade materna: perfil sócio demográfico e causal. Rev Bras Enferm. 2006;59(3):303-7.

Petroni LM, Silva TC, Santos AL, Marcon SS, Mathias TAF. Convivendo com a gestante de alto risco: a percepção do familiar. Cienc Cuid Saude 2012 Jul/Set; 11(3):535-541.

Gonçalves R, Urasaki MBM, Merigui MAB. Avaliação da efetividade da assistência pré-natal de uma Unidade de Saúde da Família em um município da Grande São Paulo. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 61, n. 3, maio/jun. 2008.

Soares VMN, Azevedo EMM, Watanabe TL. Subnotificação da mortalidade materna no Estado do Paraná, Brasil: 1991-2005. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(10):2418-2426, out, 2008.

Sousa MH, Cecatti JG, Hardy EE, Serruya SJ. Morte materna declarada e o relacionamento de sistemas de informação em saúde. Rev Saúde Pública 2007; 41:181-9.

Szwarcwald CL, Escalante JJC, Rabelo Neto DL, Souza Junior PRB, Victora CG. Estimação da razão de mortalidade materna no Brasil, 2008-2011. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30 Sup:S71-S83, 2014.

Carreno I, Bonilha ALL, Costa JSD. Evolução temporal e distribuição espacial da morte materna. Rev Saúde Pública 2014;48(4):662-670.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Goiás). Plano Estratégico de Atuação do IF Goiás no Desenvolvimento Regional/Local de Goiás (2010 - 2014). Goiânia: Observatório do Mundo do Trabalho e da Educação Profissional e Tecnológica – Região Centro-Oeste; 2009.

Mamede FV, Prudêncio PS. Contribuições de programas e políticas públicas para a melhora da saúde materna. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(esp):262-6.

Soares VMN, Martins AL. A trajetória e experiência dos Comitês de Prevenção da Mortalidade Materna do Paraná. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 6 (4): 453-460, out. / dez., 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-317

Refbacks

  • There are currently no refbacks.