Interdisciplinaridade- Síndrome Congênita do Zica: uma Perspectiva da Técnica do Zoom na Educação Básica / Interdisciplinarity - Congenital Syndrome of Zica: a Perspective of Zoom Technique in Basic Education

Keila Pessoa de Oliveira, Isabela Vieira de Carvalho, Fernando Jun-Ho Peixoto Kim, Laurici Maria Pires dos Santos, Flávia Carolina Lins da Silva

Abstract


1 INTRODUÇÃO

O ensino das ciências naturais é crucial para expansão da visão de mundo e as múltiplas perspectivas da sua funcionalidade, sendo um canal para o diálogo científico nas escolas e para aguçar o pensamento crítico sobre as mais diversas questões sociais e ambientais.

Logo após a revolução tecnológica, a Ciência, tecnologia e sociedade andam juntas (MORTIMER, E. F. 1995). As ciências naturais estão implícitas e explicitas nos processos da sociedade e devem ser tratadas de forma contextualizada nas escolas, a fim de aproximar o discente dos conteúdos abordados em sala. A internalização destes, se dá pela associação com a condição imposta enquanto indivíduo e essa característica é fundamental para que o aluno se veja como integrante daquele sistema (FREIRE, P. 1987).

A necessidade de integrar as disciplinas escolares e de contextualizá-las vem tornando-se consenso entre docentes, gestores escolares e demais profissionais da educação. Consequentemente, o termo interdisciplinaridade está cada vez mais presente em pesquisas no âmbito educacional (SOMMERMAN, 2012; MOZENA; OSTERMANN, 2014). Entretanto, uma proposta de ensino realmente interdisciplinar encontra dificuldades e desafios para a sua realização. Nesse sentido, Lück (2000) destaca que a interdisciplinaridade possibilita a integração e interação entre diferentes disciplinas curriculares. Contudo, segundo o autor (Ibid), é preciso ultrapassar as barreiras da fragmentação do ensino, objetivando que os educandos tenham uma visão global de mundo.

Tendo o objetivo de sensibilizar o aluno para um olhar crítico diante de situações problemas que o mundo oferece de acordo com o tema proposto, interligando não só a biologia, mas também história, geografia, matemática entre outras, o presente trabalho tende a propiciar a divulgação científica de um tema comum ao estado de Pernambuco que é a síndrome congênita do Zica vírus estando de acordo com os requisitos dos parâmetros nacionais curriculares. A interdisciplinaridade, o olhar crítico diante de fatores determinantes para o surto do Zica vírus e a promoção das etapas conceituais, procedimentais e atitudinais para com o tema foram a base para construção do projeto.

Segundo Mariotti (2012) a prática de sempre reduzir o olhar impossibilita uma visão do geral, ocasionando a falta de compreensão da complexidade do que é abordado. Para entender o todo é necessário o exercício se saber a hora de aplicar o Zoom e a hora de ver amplamente na compreensão do contexto. Diante do exposto, utilizamos a técnica da aplicação de uma oficina prática utilizando a técnica do zoom para contribuir com o processo da interdisciplinaridade no ensino e aprendizagem, na escola em estudo.

Para isso, utilizamos análise do livro didático utilizado na escola lócus, atividade para levantamento prévio com roda de diálogo, e por fim, aplicação de uma oficina prática utilizando a técnica do zoom para solução da falta de interdisciplinaridade dessa escola.

Segundo Mariotti (2012) a prática de sempre reduzir o olhar impossibilita uma visão do geral, ocasionando a falta de compreensão da complexidade do que é abordado. Para entender o todo é necessário o exercício se saber a hora de aplicar o Zoom e a hora de ver amplamente na compreensão do contexto.

Dessa forma, percebeu-se que os estudantes trabalharem em grupos heterogêneos possibilitou o desenvolvimento cognitivo e social do mesmo e aplicação da técnica tornou propício a existência da interdisciplinaridade, sendo os estudantes protagonistas dessa prática.

 

2 METODOLOGIA (OU MATERIAIS E MÉTODOS)

A primeira etapa foi a análise do livro didático, que consistiu em avaliar se a temática no livro utilizado nessa unidade escolar envolveu a interdisciplinaridade fazendo conexões entre a biologia e as outras disciplinas. Avaliando os capítulos, as atividades. Assim como os textos de informações extras que estavam inseridos no livro. Desta forma, foi possível a observação de como o livro didático estuda os sistemas humanos, com foco no homem biológico ou em uma visão complexa desse ser. Buscou-se verificar que linha o esse material didático seguiu.

Logo após foi proposta uma atividade para levantamento dos conhecimentos prévios dos estudantes através de discussão do tema em uma roda de diálogo. Sendo perguntado o que eles sabiam sobre o assunto. Todos que quiseram tiveram o direito de falar expor seus conhecimentos. Assim como

A etapa prática se deu por uma oficina que funcionou dentro de quatro horas, de modo geral ela consistiu em aplicar a técnica do zoom para propor uma melhor interdisciplinaridade na modalidade estudada.

A oficina foi aplicada à um grupo de 18 estudantes do segundo ano do ensino médio do Instituto Federal de Pernambuco(IFPE) Campus Recife. Nas primeiras duas horas/aulas foi levantado o conhecimento prévio dos alunos sobre o tema. Em seguida, foi feita uma apresentação teórica evolvendo as questões de interdisciplinaridades que norteiam o assunto, correlacionando com os diversos sistemas abordados na fisiologia humana. A aula foi feita de forma expositiva dialogada, usando o projetor e notebook.

 

 

Posteriormente, foi lançada uma problemática para que os educandos formulassem suas respostas através da construção de esquemas, sendo os conceitos de esquemas e técnica do zoom explicados previamente. Para a elaboração dos esquemas foram formados três grupos heterogêneos.

Após a formulação das respostas, houve as apresentações de cada construção através da socialização dos trabalhos. Nessa ocasião, foram feitos questionamentos por parte dos alunos e do mediador. Os materiais utilizados foram de baixo custo, sendo utilizado apenas folhas de papel pautado e canetas de diversas cores.

 

3 DESENVOLVIMENTO

Para uma abordagem interdisciplinar, foi feito um levantamento teórico sobre aspectos geográficos, sociais e estatísticos da síndrome congênita do Zika vírus. Desde 2014 o quadro de saúde no Brasil tem sido modificado pelo boom de doenças exantemáticas com alto potencial contagioso. No começo, o surto foi equivocadamente associado a dengue devido as características específicas, ao caráter endêmico da doença e pela sintomatologia descrita. (DULGHEROFF, A.C.B. Et al. 2016).

Apesar das várias semelhanças com as demais arboviroses, como dengue e febre de chikungunya, tais como o vetor de transmissão, sintomatologia e a patogênese, o ZIKV tem particularidades sintomáticas e possíveis variações clínicas, como microcefalia em fetos de gestantes que tiveram infecção pelo vírus durante o período de gestação e desenvolvimento da síndrome de Guillain-Barré na fase adulta (EUROPEAN CENTRE FOR DISEASE PREVENTION AND CONTROL, 2016).

A infecção por ZIKA era um assunto desprezado por cientistas, profissionais da saúde e pela própria população, certamente devido ao caráter benigno e pouco intimidador da infecção e sua disseminação geográfica limitada. Contudo, a doença ganhou evidência em 2015 quando atingiu proporções epidêmicas nas Américas Central e do Sul sendo associada a um significativo aumento do número de casos de doenças congênitas e desajustes neurológicos no Brasil (HEUKELBACH et al., 2016).Por isso, em fevereiro de 2016, a OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou a infecção como Emergência de Saúde Pública de Importância global proporcionando uma resposta internacional coordenada com o intuito de minimizar a ameaça nos países afetados e reduzir o risco de disseminação internacional (WHO, 2016)

A transmissão do ZIKV geralmente ocorre por meio dos artrópodes da família Culicidae e do gênero Aedes spp. durante a coleta sanguínea. (HAYES, 2009). O ZIKV pode ser transmitido da mãe para o feto e já foi encontrada na literatura descrição de transmissão por relação sexual (FOY, 2011; MUSSO et al., 2015)

A interdisciplinaridade entrou nessa temática. Pois pode unir biologia em outras áreas específicas, com o objetivo de promover uma interação entre o aluno, professor e o cotidiano. Deixando a visão do estudante sem limitações. Entretanto, para a interdisciplinaridade existir ela precisa de um aparato, algo que lhe confira base para sua construção. A técnica do Zoom possibilita a existência da mesma. Pois ela refere-se a possibilidades de conexões com a teoria da complexidade e o pensamento complexo, dos quais é uma das ferramentas mais aplicáveis e úteis. Estabelecendo que hora deve-se focar e que momento deve-se ver o todo. Realizando essa prática simultaneamente. (MARIOTTI,2012)

 

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Observou-se    que      os        grupos por       serem   heterogênios   possibilitaram  um       maior desenvolivimento cognitivo e social. A formação de grupos para a aprendizagem colaborativa é uma prática com considerável importância, pois deve permitir que haja interação dos estudantes que compõem o grupo. (CITADIN et al, 2014) Em primeiro momento parece ser uma tarefa simples, mas foi nítido que essa etapa do trabalho foi crucial para que as demais pusessem ser bem executadas. Atestando o que havia na literatura. A formação de grupos realizados assim aumenta os níveis de satisfação e o processo de colaboração. (WANG, 2007) A etapa do levantamento prévio dos estudantes foi extremante importante, pois sabe-se que os mesmos não são tábuas rasas. Sendo possível perceber que os discentes tinham os conhecimentos prévios, construídos da vivência em família, com a mídia, com os amigos, com a sociedade, enfim, conhecimentos estabelecidos das relações que esse ser pensante estabelece com o meio em que vive. Essa etapa norteou como deveria prosseguir a aula. Demonstrando que aquilo que é chamado habitualmente de senso comum consiste numa série de crenças admitidas em uma determinada sociedade, sendo importante para a construção da aprendizagem. Não podendo ser excluída de nenhuma forma do processo de aprendizagem (FEIJÓ,2016)

Como demonstrados nos esquemas que os estudantes produziram, ficou claro que foi possível relacionar a temática da biologia com outras áreas, tais como geografia, questões matemáticas e sociais. Dessa forma foi observado que a técnica do Zoom exerceu a função de sanar a falta de interdisciplinaridade. Os estudantes poderão reduzir quando necessário, e usar a visão periférica de acordo com as necessidades e os contextos. (MARIOTTI,2012

 

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Conclui-se que a técnica do zoom aplicada no processo ensino–aprendizagem é bastante benéfica para a solução do problema de carência de interdisciplinaridade. Impedindo que professor e estudante tenham o foco como um fator limitante.

Entretanto, se faz necessário mais estudos nesses aspectos, com uma amostra maior e em outros tipos de escolas da educação básica.

 


Keywords


Interdisciplinaridade; Zica, Aprendizagem, Ensino da Biologia, Saúde.

References


literatura. Nuevas Ideas en Informática Educativa TISE , [S. l.], 2014.

DUFFY, Mark R. et al. Zika virus outbreak on Yap Island, federated states of Micronesia. New England Journal of Medicine, v. 360, n. 24, p. 2536-2543, 2009.

DULGHEROFF, A. C. B., VIEIRA L. C., LUCAS C. T. F., Cavalcante Y. A. (2016) ZIKA

VÍRUS: O ESTADO DA ARTE. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, v.9, n.2, Pub.4, p. 35

EUROPEAN CENTRE FOR DISEASE PREVENTION AND CONTROL. Rapid Risk

Assessment. Zika virus disease epidemic: potential association with microcephaly and Guillain–Barré syndrome. Fifth update, 11 April 2016. Stockholm: ECDC; 2016.

FEIJÓ, Natanael; DELIZOICOV, Nadir Castilho. Professores da educação básica Conhecimento prévio e problematização. Retrato da Escola, [S. l.], 2016. v. 10, n. 19.

FREIRE, P. (1987). Pedagogia do oprimido, 17.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra GULLAND, Anne. Zika virus is a global public health emergency, declares WHO. 2016.

H HAYES FOY, B. D. et al. Probable non-vector-borne transmission of Zika virus, Colorado, USA. Emerg Infect Dis., v. 17, n. 5, p. 880-882, 2011., E. B. Zika virus outside Africa. Emerg Infect Dis., v. 12, n. 9, p. 1347-50, 2009

HEUKELBACH, J. Zika virus outbreak in Brazil. J Infect Dev Ctries., v. 10, n. 02, p. 116- 120, 2016..

LIMA, Valderez Marina do Rosário; RAMOS, Maurivan Güntzel. Percepções de interdisciplinaridade de professores de Ciências e Matemática: um exercício de Análise Textual Discursiva. 2017.

LÜCK, Heloísa. A aplicação do planejamento estratégico na escola. Revista gestão em rede, n. 19, p. 8-13, 2000.

MARIOTTI , Humberto. M. A técnica do zoom. Entre o foco e a periferia, [S. l.], 2012. Revista BSP, vol. 3., no. 1.

MORTIMER, E. F. (1995). Conceptual change or conceptual profile change? Science & Education,n.4, p.267-285.

MOZENA, Erika Regina; OSTERMANN, Fernanda. Uma revisão bibliográfica sobre a interdisciplinaridade no ensino de ciências da natureza. Ensaio (Belo Horizonte): pesquisa em educação em ciências. Vol. 16, n. 2 (maio/ago. 2014), p. 185-206, 2014.

SOMMERMAN, Américo. Interdisciplinaridade e transdisciplinaridade como novas formas de conhecimento para a articulação de saberes no contexto da ciência e do conhecimento em geral: contribuição para os campos da Educação, da Saúde e do Meio Ambiente. 2012. 1305 p. 2012. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado em Difusão do Conhecimento)-Universidade Federal da Bahia.

WANG, D. Y., Lin, S. S., e Sun, C. T. (2007). DIANA: A comput




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-306

Refbacks

  • There are currently no refbacks.