Análise de componente principal do RAPPAM em Unidades de Conservação de Caatinga na Depressão Sertaneja Setentrional, Brasil / Principal component analysis of RAPPAM in Caatinga Protected Areas in the Setentrional Sertaneja Depression, Brazil

Fátima Aurilane de Aguiar Lima Araripe, Ramiro Gustavo Valera Camacho, Diógenes Félix da Silva Costa, Ilton Araújo Soares, Oriel Herrera Bonilla, Magdi Ahmed Ibrahim Aloufa

Abstract


As Unidades de Conservação (UCs) são ferramentas importantes para a manutenção da biodiversidade em nível mundial. Para isso, é necessário que elas compreendam territórios representativos dos biomas do país, bem como tenham uma boa qualidade de gestão. A Caatinga é exclusivamente brasileira e marcada pelo seu pouco conhecimento e valorização, além de apresentar pequena representatividade em áreas protegidas. Assim, este trabalho objetivou identificar os indicadores do método RAPPAM (Rapid Assessment and Prioritization of Protected Area Management) mais relacionados com a efetividade de gestão das UC federais da Depressão Sertaneja Setentrional. Para esta análise o método RAPPAM foi aplicado em 2019/2020 para comparação com os dados dos ciclos 2005/2006 e 2010. As UCs analisadas foram: ESEC de Aiuaba, ESEC do Seridó, FLONA de Sobral e FLONA de Açu. Para análise e compreensão dos indicadores que mais explicaram o Índice Geral (IG) de efetividade de cada ano, foi realizada uma análise de PCA (Principal Component Analysis). Pode-se observar que os indicadores de maior peso para explicar o índice de efetividade das UC foram: Comunicação e Informação (CI); Planejamento da Gestão (PG); Recursos Financeiros (RF); Processo de Tomada de Decisão (PTD); Pesquisa, Avaliação e Monitoramento (PAM); Desenho e Planejamento da Área (DP); e Resultados (RS). Esse resultado é importante para direcionar as ações dos gerentes destas UC de forma a melhor contribuir para a eficácia dessas UC na conservação da Caatinga.


Keywords


Áreas protegidas, Conservação, Efetividade de gestão, Caatinga.

References


ALMEIDA, L. T.; OLÍMPIO, J. L. S.; PANTALENA, A. F.; ALMEIDA, B. S.; SOARES, M. O. Evaluating ten years of management effectiveness in a mangrove protected area. Ocean & Coastal Management, 125, 29-37, 2016 DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.ocecoaman.2016.03.008

ANDRADE, M. P.; & IADANZA, E. E. S.. Unidades de Conservação no Brasil: algumas considerações e desafios. Revista de Extensão e Estudos Rurais, 5(1), 81-96, 2016.

AZOFEIFA-SOLANO, J. C.; SALAS-MOYA, C.; CUBERO-CAMPOS, Y.; SIBAJA-CORDERO, J. A. Influencia de la vigilancia en una zona rocosa dentro de un área marina protegida, Pacífico Central de Costa Rica. Revista Biologia Tropical, 66(3), 984-995, 2018.

BÁEZ-VARGAS, A. M.; ESPARZA-OLGUÍN, L.; MARTÍNEZ-ROMERO, E.; OCHOA-GAONA, S.; RAMÍREZ-MARCIAL, N.; GONZÁLEZ-VALDIVIA, N.A. Efecto del manejo sobre la diversidad de árboles en vegetación secundaria en la Reserva de la Biosfera de Calakmul, Campeche, México. Revista Biologia Tropical, 65(1), 41-53, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.15517/rbt.v65i1.20806

BARRETO, C. G.; DRUMMOND, J. A. L. Strategic planning in Brazilian protected areas: uses and adjustments, Journal Of Environmental Management, 200, 79-87, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jenvman.2017.05.064.

BINKOWSKI, P.; SOUZA, T.G.. Participação Política e Formação do Conselho Consultivo no Parque Natural Municipal da Ronda, São Francisco de Paula, RS, Brasil. Revista Gestão e Políticas Públicas, 7(1), 1-18, 2017.

BRANDÃO, C. S.; SCHIAVETTI, A.. Efetividade da gestão do Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil: uma avaliação temporal. Gaia Scientia, 11 (2), 32-44, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.21707/gs.v11.n02a03

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Lei no 9.985. Brasília.

BORRINI-FEYERABEND, G.; HILL, R. Governance for the Conservation of Nature. In: WORBOYS, G. L.; LOCKWOOD, M.; KOTHARI, A.; FEARY, S.; PULSFORD, I. (ed.). Protected Area Governance and Management. Canberra, Australia: Anu Press, 2015. Cap. 7. p. 169-206.

CAVALCANTE, M. B.; ALVES, C. A. B.; SILVA, G. R.; ARRUDA, L.V.. Caracterização fitogeográfica em unidade de conservação como subsídio à proteção de espécies da Caatinga. Regne, 4(1), 222-234. 2018.

DAU, J. L.; CHIEN, W. K.; & CHIH, L. C.. Evaluating the Management Effectiveness of Five Protected Areas in Taiwan Using WWF’s RAPPAM. Environmental Management, 1(50), 272-282. 2012. DOI: 10.1007/s00267-012-9875-9

ERVIN, J.. Metodologia para Avaliação Rápida e a Priorização do Manejo de Unidades de Conservação (RAPPAM). Gland, Suíça: WWF/Hartmut Jungius, 2003.

FRANÇA, E. B. Ordenamento territorial e gestão em unidades de conservação de ambientes costeiros. Revista Geonordeste, 300(1), 200-219, 2019. DOI: https://doi.org/10.33360/RGN.2318-2695.2019.i1p200-219

GAMARRA, N. C.; CORREIA, R. A.; BRAGAGNOLO, C.; CAMPOS-SILVA, J. V.; JEPSON, P. R.; LADLE, R. J.; MALHADO, A. C. M. Are Protected Areas undervalued? An asset-based analysis of Brazilian Protected Area Management Plans. Journal Of Environmental Management, 249, 109347, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jenvman.2019.109347.

GODOY, L. R. C.; LEUZINGER, M. D. O financiamento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação no Brasil: características e tendências. Revista de Informação Legislativa, 52(206), 223-243, 2015.

HUMMEL, C.; POURSANIDIS, D.; ORENSTEIN, D.; ELLIOTT, M.; ADAMESCU, M. C.; CAZACU, C; ZIV, G; CHRYSOULAKIS, N.; MEER, J. V. D; HUMMEL, H. Protected Area management: Fusion and confusion with the ecosystem. Science of the Total Environment, 651, 2432–2443, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2018.10.033

ICMBio; WWF-Brasil. Avaliação comparada das aplicações do método RAPPAM nas Unidades de Conservação federais, nos ciclos 2005-06 e 2010. Brasília, Brasil: ICMBio, 2012.

LEBERGER, R.; ROSA, I. M. D.; GUERRA, C. A.; WOLF, F.; PEREIRA, H. M. Global patterns of forest loss across IUCN categories of protected areas. Biological Conservation, 241, 108299, 2020. DOI: 10.1016/j.biocon.2019.108299

LOURENÇO, V. R.; RAMOS, N. N. L. A.; COSTA, C. A. G. Distribuição Espaço-Temporal do NDVI sob Condições de Caatinga Preservada. Espaço Aberto, 6(2), 101-110, 2017.

LU, D. J.; KAO, C. W.; CHAO, C. L.. Evaluating the Management Effectiveness of Five Protected Areas in Taiwan Using WWF’s RAPPAM. Environmental Management, 50(2), 272-282, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s00267-012-9875-9.

MEIRA, S. A.; NASCIMENTO, M. A. L.; SILVA, E. V. Unidades de conservação e geodiversidade: uma breve discussão. Terr Plural, 12(2), 166-187, 2018.

PEREIRA, L. F.; FERREIRA, C. F. C.; GUIMARÃES, R. M. F. Manejo, qualidade e dinâmica da degradação de pastagens na Mata Atlântica de Minas Gerais - Brasil. Nativa, 6(4), 370-379, 2018. DOI: 10.31413/nativa.v6i4.5542

PRESTES, L. D.; PERELLO, L. F. C.; GRUBER, N. L. S. Métodos para avaliar efetividade de gestão: o caso particular das Áreas de Proteção Ambiental (APAs). Desenvolvimento e Meio Ambiente, 44(1), 340-359, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v44i0.54880

GUZMÁN, J. A.; SIBAJA, H. V. Is forest cover conserved and restored by protected areas?: The case of two wild protected areas in the Central Pacific of Costa Rica Revista de Biología Tropical, 63(3), 579, 20015. DOI: 10.15517/rbt.v63i3.15814.

RAO, V. B.; FRANCHITO, S. H.; SANTO, C. M. E.; GAN, M. A. An update on the rainfall characteristics of Brazil: seasonal variations and trends in 1979-2011. International Journal Of Climatology, 36(1), 291-302, 2015. DOI: 10.1002/joc.4345.

RODRIGUES, J. G. V.; MOREIRA, S. A.; FREIRE, E. M. X. Entraves à efetivação de Unidades de Conservação: Parque Estadual Mata da Pipa, Tibau do Sul – RN – Brasil. Desenvolv. Meio Ambiente, 46, 109-132, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v46i0.56452

SANTOS, F. A.; AQUINO, C. M. S. Panorama da Desertificação no Nordeste do Brasil: Características e Suscetibilidades. Interespaço, 2(7), 144-161, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.18764/2446-6549.v2n7p144-161

SCALCO, R. F.; GONTIJO, B. M. Possibilidades de desafetação e recategorização em unidades de conservação de proteção integral: as UCs da porção central do mosaico do espinhaço (Minas Gerais/Brasil). Revista da Anpege, 13(22), 247-276, 2017. DOI: 10.5418/RA2017.1322.0010

SILVA, A. T. R. A conservação da biodiversidade entre os saberes da tradição e a ciência. Estudos Avançados, 29(83), 233-259, 2015. DOI: 10.1590/s0103-40142015000100012

TEIXEIRA, M. G.; VENTICINQUE, E.M. Fortalezas e fragilidades do Sistema de Unidades de Conservação Potiguar. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, 29, 113-126, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v29i0.32843

VELLOSO, A. L.; SAMPAIO, E. V. S. B.; GIULIETTI, A. M.; BARBOSA, M. R. V.; CASTRO, A. A. J. F.; QUEIROZ, L. P.; ... GONDIM, R. S. Ecorregiões propostas para o bioma Caatinga. Recife, Brasil: Associação Plantas do Nordeste; Instituto de Conservação Ambiental The Nature Conservancy do Brasil, 2002.

VIEIRA, R. R. S.; PRESSEY, R. L.; LOYOLA, R. The residual nature of protected areas in Brazil. Biological Conservation, 233, 152-161, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2019.02.010.

WWF-Brasil. Avaliação da gestão das unidades de conservação: métodos RAPPAM (2015) E SAMGE (2016). Brasília, Brasil: Supernova Design, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-301

Refbacks

  • There are currently no refbacks.