O silencio sobre as afetividades femininas: Escravidão, Gênero e Corpo no Maranhão colonial / The silence about female affectivities: Slavery, Gender and Body in colonial Maranhão

Nila Michele Bastos Santos

Abstract


O presente estudo busca analisar as relações afetivas construídas por mulheres na sociedade escravista maranhense, evidenciando o papel da mulher escrava nesse contexto.  Através da documentação, que se constituirá em testamentos, processos de divórcios e autos de denuncia propõem-se diminuir os silêncios impostos as mulheres. Mesmo estas não tendo escrito nada sobre si, podemos no âmbito do provável, por meio da leitura das entrelinhas e dos “espaços em Brancos” da documentação, acessar um universo valorativo que não era restrito apenas aos livres, mas a todos que compartilhavam da mesma época. Nessa perspectiva optamos por trabalhar utilizando a categoria de gênero para aporte teórico, pois entendemos que além desta ser uma categoria relacional possuí a capacidade de articular diversas variáveis conferindo uma historicidade para além dos corpos sexuados que os sujeitos comportam.


Keywords


Gênero, Escravidão. Maranhão Colonial.

References


• "Afetividade". Dício: Dicionário on-line de português, 16 set. 2018 www.dicio.com.br/afetividade/ Acesso em 16 de setembro de 2018.

• ATJ. Livro de Registro nº 2, fl. 3 the fl.5. Testamento do deffunto Manoel Goncalves Torres.

• ATJ. Livro, fl. 149 Rezisto do Testamento com que faleseo a defunta Anna de Avilla 04/05/1752.

• BRANDÃO, Ana Maria. “Identidades sexuais e de gênero: do modelo de análise ao percurso de investigação”. In. BRANDÃO, Ana Maria. E se tu fosses um rapaz? Homoerotismo feminino e construção social da identidade. Porto: Edições Afrontamento, 2010. pp.17-41, p. 19.

• BREPOHL, Marion, CAPARRO, André Mendes e GARRAFFONI, Renata Senna (orgs.). Sentimentos na História: linguagem, práticas, emoções. Curitiba: Ed. UFPR, 2012. (contracapa).

• CORREIA, Maria da Gloria Guimarães. Do Amor nas terras do Maranhão: um estudo sobre o casamento e o divorcio entre 1750 e 1850. Niterói, 2004. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2004. 339 fls., p.183.

• DELEUZE, Gilles. Curso sobre Spinoza .Les cours de Gilles Deleuze. Tradução Francisco Traverso Fuchs. Cours Vincennes - 24/01/1978. Disponível em: http://www.webdeleuze.com/php/texte.php?cle=194&groupe=Spinoza&langue=5

• FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala: Introdução à história da sociedade patriarcal no Brasil – 1. 43ª ed, Rio de Janeiro: Record, 2001, p.406.

• GOELLNER, Silvana Vilodre. “A produção cultural do corpo”. In. LOURO, Guacira et al. Corpo, Gênero e Sexualidade. Petrópolis: Editora Vozes, 2003, p. 28.

• MAXWELL. Espinosa e a afetividade humana. PUC-RIO – CERTIFICAÇÃO DIGITAL Nº 1012188/CA. Disponível em: www.maxwell.vrac.puc-rio.br/20706/20706_3, p. 15.

• NERY, Maria da Penha. Vinculo e afetividade: caminho das relações humanas. – 3. Ed. rev. – São Paulo: ágora, 2014, p. 19.

• PAIVA, Eduardo França. Escravos e Libertos nas Minas Gerais do século XVIII: estratégias de resistências através dos testamentos. São Paulo: ANNA-BLUME, 1995.

• PERROT, Michelle. “Práticas de memória feminina”. In. PERROT, Michelle. As mulheres e os silêncios da História. São Paulo: EDUSC, 2005, p.33.

• PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. 1º ed. São Paulo: Contexto, 2008.

• PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

• SILVA, Raniery Bezerra da e MENESES, Joedna Reis de. O Tema Das Sensibilidades Na Produção Historiográfica Contemporânea. VI Simpósio Nacional de História Cultural Escritas da História: Ver – Sentir – Narrar. Universidade Federal do Piauí – UFPI Teresina-PI, 2012, p. 5.

• SOUSA, Laura de Mello e. Aspectos da Historiografia da cultura sobre o Brasil Colonial. IN: FREITAS, Marcos César de (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. 6. ed., São Paulo: Contexto. 2007.

• SPINOZA, Benedictus Ética demonstrada em ordem geométrica e dividida em cinco partes que tratam. Tradução Roberto Brandão. Disponível em: http://www.andre.brochieri.nom.br/livros/filos/Baruch-Spinoza-Etica-Demonstrada-a-maneira-dos-Geometras-PT-BR.pdf Acesso em 16 de setembro de 2018.

• TRINDADE, Rafael. Espinosa – Conatus. Razão inadequada. Publicado em 27/07/2013. Web. Disponível em: http://razaoinadequada.com/2013/07/27/espinosa-conatus/

• VIDAL, Laurent. Alain Corbin o prazer do historiador - entrevista. Tradução: Christian Pierre Kasper. Rev. Bras. Hist. vol.25 nº 49 São Paulo Jan./June 2005, p. 25-26.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-270

Refbacks

  • There are currently no refbacks.