Karatê e Inclusão: um estudo de caso sobre uma criança Down dentro do espectro autista / Karath and Inclusion: a Case Study of a Child Down Within the Autism Spectrum

David Mangabeira Gomes, Ana Caroline Freitas da Costa, Gabriela Progênio da Costa, Jeanne Lima Oliveira, Lucas Augusto Pamplona Pereira, Marta Genú Soares, Thiago da Silva Santos, Vera Solange Pires Gomes de Sousa

Abstract


Nos últimos anos ocorreu o aumento no número de crianças diagnosticadas com Síndrome de Down (SD) portadoras do Transtorno do Espectro Autista (TEA), esse diagnóstico não é simples, em virtude dessas crianças já possuírem uma dificuldade de aprendizagem, muitas vezes ele é esquecido de ser realizado. Por famílias pensarem que as crianças devem ser sociáveis, ignorando o TEA, pode-se estar perdendo oportunidades que beneficiariam o desenvolvimento delas, como tratamentos e serviços direcionados. O estudo tem por objetivo analisar o desenvolvimento social de uma criança com SD-TEA, por meio do convívio com outras crianças sem deficiência, em uma turma de Karatê em Belém/PA, não ignorando a importância da formação do professor e apoio dos pais no processo de ensino- aprendizagem do aluno em questão. A pesquisa é de campo, sendo assim, um estudo de caso baseado em uma metodologia de pesquisa qualitativa, dividindo-se dois momentos: a) observação dos pesquisadores às aulas de Karatê de uma turma de alunos com e sem deficiência, na qual o aluno SD-TEA faz parte, ao longo de cinco meses. b) aplicação de entrevista narrativa com a mãe e com o professor do aluno. Foram assinados pelos entrevistados o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para o desenvolvimento das entrevistas. No decorrer da pesquisa, podemos constatar a deficiência no processo de formação do professor e ressaltar a importância da família no processo de desenvolvimento e inclusão social. Portanto, percebe-se que não há muitos estudos no que diz respeito ao ensino de lutas para crianças com SD- TEA, destacando assim a importância deste tipo de produção, evidenciando a importância do debate sobre inclusão, tendo em vista que esse assunto ainda é muito inviabilizados devido ao preconceito existente. Na própria formação do professor de Educação Física (EF), é inegável o baixo número de disciplinas relacionadas à inclusão. Logo, faz-se necessário destacar a importância de incluir essas crianças no meio comum, pois a convivência com as demais crianças pode alavancar a socialização, a partir da promoção de aprendizagens diversificada, assim como indicar benefícios para a sua família.


Keywords


Karatê, Síndrome de Down, Autismo, Inclusão.

References


BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Martins Fontes. 1977.

CRUZ, G. C. Formação profissional em Educação Física à luz da inclusão.In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA, 4, 2001.

Curitiba. Anais do Congresso. Curitiba, 2001, p.108-110.

FIORE, C. O.; LAMPREIA, C. A conexão afetiva nas intervenções desenvolvimentistas para crianças autistas. Psicologia: Ciência e Profissão. 2012.

FROSI, T. O. Repensando a história do karate contada no Brasil. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte. São Paulo, v.25, n.2, p.297-312, abr./jun. p. 7, 2011. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v25n2/11.pdf. Acesso: 02 abr. 2019.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LEDUR, J. A. Karate no Rio Grande do Sul: as contribuições de Akira Taniguchi. Monografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. p. 10-18, 2012.

LEITE, L. Sindrome de Down. Genética Clínica. Disponível em:. Acesso em: 23 abr. 2019.

LOWE, B. Mas Oyama's Karate – as practiced in Japan. New York: Arco Publishing Company, 1976.

LUZ, M. T. (2009). Complexidade do campo da saúde coletiva: multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade de saberes e práticas – análise sócio-histórica de uma trajetória paradigmática. Saúde e Sociedade, 18(2), 304-311.

MANTOAN, M. T. E. (Org.). A integração de pessoas com deficiência. São Paulo: Memnon. SENAC. 1997.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão Escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MOLINA NETO, V. A formação profissional em educação física e esportes.Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v.19, n.1, p.31-44, 1997.

MOVIMENTO DOWN. Autismo e síndrome de Down. 2018. Disponível em:

. Acesso em: 14 mar. 2019.

PEREZ, L. M. R. Atividade Física e Deficiência Mental: dados de investigação com implicações para a prática física. p. 91-111, 1991.Publishing Company, 1976.

SILVA JR., C.A; TONELLO, M. G. M.; GORLA, J. I.; CALEGARI, D. R. Musculação

para um aluno com síndrome de down e o aumento da resistência muscular localizada.

Revista Digital, Buenos Aires, ano 11, n.104. 2007. Disponível em: http://www.efdeportes.com/. Acesso em: 20 mar. 2019.

SILVA, P. S. Práticas pedagógicas do karatê na Educação Física Escolar:2004. 71 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura Plena em EducaçãoFísica) – Curso de Educação Física da Faculdade Adventista do IASP,Hortolândia, São Paulo, 2004. Disponível em:. Acesso em: 31 jan. 2019.

THOMPSON, M. W.; MCLNNES R. R.; WILLARD H. F. Genética médica. 5ed. Rio

de Janeiro: Guanabara Koogan. 1993.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 2ª ed. brasileira. São Paulo, Martins Fontes. 1988

WERNECK, C. Muito prazer, eu existo: um livro sobre as pessoas portadoras de Síndrome de Down. 4ed. Rio de Janeiro: WVA. 1993.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-272

Refbacks

  • There are currently no refbacks.