A falta de controle dos agregados miúdos em diferentes obras de Sobral / The lack of control of kids aggregates in different works in Sobral

Lucas Emanuel Fernandes Araújo, Felipe Melo Carvalho, Klinger Aguiar de Santana, Maycon Douglas Alves Rodrigues, Juscelino Chaves Sales

Abstract


Os agregados utilizados na mistura do concreto têm sua importância no aumento da resistência do material. A necessidade de um controle tecnológico na utilização dos agregados surge na cidade de Sobral para evitar usos incorretos, trazer uma maior economia, evitar futuros problemas estruturais e para se ter certeza de que está sendo utilizado um material correto, visto que vários são os danos e prejuízos que se podem obter devido mal uso de materiais na construção civil. Para execução do projeto realizou-se a seleção das obras na cidade de Sobral, posteriormente a coleta dos agregados miúdos e a execução dos ensaios. Após ser realizado os ensaios, foi feita a coleta de dados obtidos para serem analisados a fim de determinar a umidade e classificar os tipos de areia e propor condições de usos adequados para cada material. Dos resultados obtivemos que a umidade dos materiais é muito baixa, o ambiente é muito seco. Em relação a granulometria observa-se uma grande concentração da massa das areias nas peneiras 16 até a 50. Isso indica que as areias são de granulometria média, porém algumas amostras apresentam também um bom percentual de grãos grossos e finos. A construção da curva granulométrica dos agregados miúdos, foi realizada a partir da norma NBR 7211/2005, é visto que as areias utilizadas, em maioria, são a média e a grossa, com pouca porcentagem de finos na massa total. Após análise das propriedades físicas dos agregados é certo afirmar que em algumas obras, por já estarem sendo finalizadas, o concreto utilizado irá servir para alvenaria não estrutural, não exigindo assim um bom controle dos materiais. A falta de controle então tem justificativa. Ademais, é de conhecimento também que muitas obras de Sobral se utilizam de um concreto usinado para utilização estrutural, não sendo assim produzido dentro da obra seu próprio concreto. Em relação ao teor de umidade, sua variação deve-se ao fato da localização da obra na cidade, visto que cada ambiente tem sua umidade diferente e por conta das obras não serem vizinhas, a umidade apresenta suas variações. Além de que deve ser levado em conta também o armazenamento. Muitas obras se utilizam de depósitos fechado, isso contribui para o aumento da umidade, visto que se o agregado estiver exposto ao sol, ele irá secar facilmente. Em relação a granulometria, tais mudanças vem a partir do peneiramento feito em obra.. Como nem todas as obras optam por esse processo, ocorre uma grande divergência na quantidade de grossos do agregado. Foi analisado também o local de origem do agregado, e percebeu-se que a maioria dos agregados eram retirados das margens de um mesmo rio. Nos resultados foi esperado que tal granulometria fosse semelhante, porém houveram muitas distinções nas curvas. Tais distinções são justificadas quanto ao local de onde foi extraído esse agregado, visto que nem sempre se retira de um mesmo local do rio e sim de porções diferentes.


Keywords


agregado miúdo, concreto, obras de Sobral.

References


ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6459: Solo - Determinação do limite de liquidez – método de ensaio. Rio de Janeiro, 6p., 1984.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7180: Solo - Determinação do limite de plasticidade – método de ensaio. Rio de Janeiro, 3p., 1984.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7181: Solo – Analise granulométrica - método de ensaio. Rio de Janeiro, 13p., 1984.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7211: Agregados para concreto. 4 ed. Rio de Janeiro, 9 p. 2019.

AGÊNCIA CBIC (org.). Construção cresce mais de 4% e ajuda a elevar o PIB. 2019. Disponível em: https://cbic.org.br/construcao-cresce-mais-de-4-e-ajuda-a-elevar-o-pib/. Acesso em: 30 ago. 2020.

ALMEIDA, S. L. M.; SILVA, V. S. Areia Artificial: uma alternativa econômica e ambiental para o mercado nacional de agregados. In: Seminário Uso da Fração Fina de Britagem, Rio de Janeiro, v. 2, p. 1-5, 2005. Disponível em: < https://docplayer.com.br/25328760-Areia-artificial-uma-alternativa-economica-e-ambiental-para-o-mercado-nacional-de-agregados.html >. Acesso em: 20 ago. 2020.

BAUER, L. A. F. 1995 Materiais de construção/L.A. Falcão Bauer. – Rio de Janeiro: LTC, 1995.

CAPUTO, H. P. Mecânica dos solos e suas aplicações. Vol. 2. São Paulo, SP, 3ª edição revista e ampliada, Editora LTC, 456 p.1977.

DNER/ME 213/934. Solos – determinação do teor de umidade. Rio de janeiro, 1994. Disponível em: < http://ipr.dnit.gov.br/normas-e-manuais/normas/meetodo-de-ensaio-me/dner-me213-94.pdf>. Acesso em 22 nov. 2017.

MAPA DA OBRA VOTORANTIM. Traço de concreto: por que controlar a umidade da areia?: Agregado miúdo pode modificar o traço e comprometer a qualidade do concreto. Agregado miúdo pode modificar o traço e comprometer a qualidade do concreto. 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-271

Refbacks

  • There are currently no refbacks.