Estudo comparativo entre os modelos de cálculo I e II para a determinação da armadura transversal de vigas em concreto armado / Comparative study between the calculation models I and II for the determination of the transversal reinforcement of reinforced concrete beams

Iva Emanuelly Pereira Lima, Vitor Bruno Santos Pereira, Claudenise Alves de Lima Silva, Vinicius Costa Correia

Abstract


O dimensionamento de elementos de concreto armado deve ser sempre realizado de forma a garantir que a estrutura suporte, com segurança, as suas cargas solicitantes. Nesse processo, um estágio muito importante é o cálculo de vigas sujeitas ao cisalhamento, onde vai ser determinada a armadura transversal desses elementos. Dessa forma, o presente trabalho tem como objetivo comparar os modelos de cálculo I e II, dispostos na NBR 6118 (2014), para a determinação da armadura transversal de vigas de concreto armado. Para isso, foi analisada uma seção transversal de 20 x 60 cm, submetida às forças cortantes  kN;  kN e  kN. Para o modelo de cálculo I é fixado o valor de º, já para o modelo de cálculo II, o valor de  varia de 30º a 45º. Tal análise mostrou que para valores de  que variam entre 30º e 35º, o modelo de cálculo II é mais econômico, garantindo uma redução de 15% a 29% da área de aço e, para º, o modelo I resultou em uma área de aço menor do que o modelo de cálculo II, mostrando uma redução de aproximadamente 16%. Isto mostra que a depender da angulação utilizada, pode-se encontrar valores diferentes para a armadura transversal. 


Keywords


análise Comparativa, Vigas, Cisalhamento, Armadura Transversal.

References


ARAÚJO, J. M. Estruturas de concreto: a resistência à compressão e critérios de ruptura para o concreto. Rio Grande: Dunas, 2001, nº 1.

ARAÚJO, J. M. Curso de Concreto Armado. 2 Ed. Rio Grande: Dunas, 2010, v.2.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto armado – procedimento. Rio de Janeiro, 2014.

BASTOS, P. S. S. Dimensionamento de vigas de concreto armado à força cortante. Universidade Estadual Paulista – Campus Bauru. São Paulo, 2015.

BASTOS, P. S. S. Torção em vigas de concreto armado. Universidade Estadual Paulista: São Paulo, 2017.

BRANDÃO, A. M. S. Qualidade e durabilidade das estruturas de concreto armado:

aspectos relativos ao projeto. Universidade de São Paulo: São Carlos, 1998.

CARVALHO, R. C.; FIGUEIREDO FILHO, J. R. Cálculo e detalhamento de estruturas usuais de concreto armado segundo a NBR 6118:2014. 4. ed. São Carlos: EdUFSCar, 2016.

FÉDÉRATION INTERNATIONALE DU BÉTON – FIB. FIB model code for concrete structures 2010. Switzerland, 2013.

HIBBELER, R. C. Resistência dos Materiais. Pearson Education-Br. 7ªed. São Paulo, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. População da cidade de Delmiro Gouveia – Alagoas. IBGE, 2017.

MELLER, B. J.; VARGAS, A. Análise dos modelos de cálculo propostos pela NBR 6118:2014 para o dimensionamento de estribos em vigas de concreto armado. Universidade do Extremo Sul Catarinense. Santa Catarina, 2016.

PINHEIRO, L. M. Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios. Universidade de

São Paulo: São Carlos, 2007.

PINHEIRO, L. M.; MUZARDO, C. D.; SANTOS, S, P. Estruturas de concreto: cisalhamento em vigas. Universidade de São Paulo: São Carlos, 2003.

SADD, M. H. Elasticity: Theory, Application sand Numerics. Second Edition. London, Academic Press, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-259

Refbacks

  • There are currently no refbacks.