Fatores de risco à saúde em adolescentes do curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano/IF BAIANO/Campus Senhor do Bonfim/BA / Health risk factors in adolescents of the Technical Course in Agriculture Integrated to High School of the Federal Institute of Education, Science and Technology of Bahia/IF BAIANO/Campus Senhor do Bonfim/BA

Gabriel de Oliveira Lima, Jaciara Gomes da Silva Lima, José Aurimar dos Santos Angelim, João Luís Almeida Feitosa, José Radamés Benevides de Melo, Juracir Silva Santos, Jadson de Oliveira Lima

Abstract


Este estudo tem como objetivo avaliar os fatores de risco relacionados à saúde na adoção de comportamentos em adolescentes do curso Técnico em Agropecuária Integrado ao ensino médio do IFBAIANO/Campus Senhor do Bonfim/BA. A amostra foi composta por 337 adolescentes de ambos os sexos com idades entre 13 a 18 anos. Destes, 187 são do sexo feminino e 150 do sexo masculino, com média de idades 13,46 ± 1,43 e 14,07 ± 1,58 respectivamente. Para a realização dessa pesquisa foram aplicados questionários autoadministrados sobre nível socioeconômico, hábitos alimentares e uso de drogas. Para análise estatística foi utilizado o software SPSS for Windows, utilizando a estatística descritiva e teste “t” Student. Os resultados mostraram que a maioria (65,0%) dos jovens são da classe socioeconômica C. Para os hábitos alimentares, os resultados mostram que 76,2% do grupo estudado se alimentam adequadamente; quanto ao o uso de drogas, apenas 1,0% afirmaram que fumam ocasionalmente; em relação ao consumo de bebidas alcoólicas dos 86,1% que afirmaram já tê-las experimentado, desses 58,9% faz uso de bebidas alcoólicas regularmente. Portanto, observa-se que o grupo estudado apresenta fatores de risco à saúde e que podem levar a comportamentos que causam doenças.


Keywords


comportamentos, drogas, adolescentes, saúde.

References


ABEP. Critérios de classificação econômica Brasil. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. 2003. Acesso em: 25 out 2006.

BOUCHARD, Claude. Atividade Física e Obesidade: A epidemia da Obesidade. São Paulo: Manole, 2003.

BRASIL, Fundação Nacional de Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. Brasília. FUNASA. vol. 1. 5 ed. 2000. Disponível Acesso em: 16 jul 2006.

CAVANDINI, C. et al. Adolescents food intake trends from. Disease in Childhood, 83(1); 18-24, 2000.

CDC – Coordinated School Health Program Infrastructure Development: Process Evaluation Manual. Atlanta: U.S. Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and Prevention, 1997.

COLDITZ, G.A e MARIANI, A. O custo da obesidade e do sedentarismo nos Estados Unidos. In: Atividade Física e Obesidade. São Paulo: Manole, p. 2003.

DIETZ, Willian H. Overweight in childhood and adolescence. Perspective, n. 9, volume: 350:855-857. February, 26, 2004.

FARIAS JÚNIOR, J.C.; PIRES, M.C.; LOPES, A.S. Medidas de reprodutibilidade de um questionário para o levantamento de informações sobre comportamentos relacionados à saúde em adolescentes. Rev. Bras Ciênc Mov, 10(3): 43-48, 2002.

FEIJÓ, Ricardo Becker. OLIVEIRA, Ércio Amaro. Comportamento de risco na adolescência. Jornal de Pedriatria, vol. 77, Sup. 2, 2001.

GABRIEL, I.R.; MORAIS, G.L.; PEREIRA, E.V.; CAETANO, E.S.; VOLPATO, A.M.J.; FARIAS, J.M. Atividade física e aptidão física de escolares do Município de Criciúma. Braz. J. of Deveop., v. 6, n. 6, p. 34911-34920, 2020.

GUEDES, D. P. et al. Níveis de prática de atividade física habitual em adolescentes. Rev Bras Med Esporte, 7(6): 187-1999, 2001.

GUEDES, D. P., GUEDES J. E. P. Controle do Peso Corporal. Rio de Janeiro. ed. 2ª: Shape, 2003.

IBGE, Pesquisa de Padrão de Vida. Ver home page do IBGE, 1998. Disponível em: Acesso em 21 jul 2008.

LIMA, Jadson de Oliveira. Comportamentos de risco à saúde: estudo em adolescentes do ensino médio do município da Barra dos Coqueiros, Sergipe, Brasil. (Dissertação de Mestrado). Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju – SE, 2008.

MARGARIDA, G. M., SUSANA, F. C., JOSÉ, A. D. Factores de associados à prática de atividade física nos adolescentes portugueses. 2002, 1 (XX): 57-66.

MARTINS, M. O. e PETROSKI, E. L., Mensuração da Percepção de Barreiras. Revista Brasileira de Cineantropometria. 2000.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Projeto Saúde: estudo sobre o estilo de vida. São Paulo: levantamentos pesquisas e marketing, p. 122, 1998.

NAHAS, M. V. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida. Londrina: Midiograf, 2001.

NATIONAL INSTITUTE ON DRUG ABUSE. National Institutes of Health, High school and youth trends. . Acesso em: 17 Mar 2001.

PESQUISA DATAFOLHA, Folha de São Paulo, São Paulo, 27 de nov. 97. Mexa-se, p. 12, 1997.

REIS, R. S., NASCIMENTO, J. V. e PETROSKI, E. L. Escala de Auto-percepção do Ambiente para Realização de Atividades Físicas. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. vol. 7, n.º2, 2002.

SALLIS, James F. Epidemiology. Symposium: Age-relalid decline in physical activity: a Agre-relalid decline in physical activity symhesis of human and animal studies. Department of Psychology, San Diego – State University, 2000.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K. Research methods in physical activity. 3ed. Champaing, II. Human Kinetics, 1996.

U.S. DEPARTMENT OF HEALTH AND HUMAN SERVICES. Physical Activity and Health: A Report of the Surgeon General. Atlanta, GA: U.S. Department of Health and Human Services. Centers for Disease Control and Prevention, National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion, 1996.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-253

Refbacks

  • There are currently no refbacks.