Avaliação quantiqualitava de extrato fitoquimico em Allamanda Blanchetii A. DC. Como substâncias sensibilizantes em células fotovoltaicas / Quantiqualitava evaluation of phytochemical extract in Allamanda Blanchetii A. CD. As sensitizers substances in organic photovoltaic cells

Mayara Marques Lima, Beatriz Soares Ranke, Wallinson Pires da Cruz, Rosemary Maria Pimentel Coutinho, Antônio Pereira Júnior

Abstract


A produção de energia elétrica é uma atividade que gera impactos ambientais em larga escala. Nesse cenário, cresce o desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias para geração de energia por fontes renováveis, como por exemplo, energia solar. O objetivo dessa pesquisa foi a avaliação quantiqualitativa do extrato fitoquímico da espécie Allamanda blanchetii A.DC., como sensibilizante de células fotovoltaicas orgânicas. Os dados obtidos indicaram que o teor de antocianinas totais máximo é de 558,80 mg/100g e mínimo de 383,14 mg/100g em 10 amostras; as antocianinas foram quantificadas através do método de pH único, em espectrofotômetro UV-Vis após 48 horas em meio extrator etanol a 95% - HCl 1,5N (85/15). Foram montadas quatro células fotoquímicas, a partir da junção da camada de TiO2 sensibilizada com o extrato da A. blanchetii ecamada de grafite. Para a caracterização elétrica utilizou-se um multímetro, e a partir das voltagens de circuito aberto (Vca) e corrente de curto-circuito (Icc), foram obtidos os seguintes parâmetros: potência máxima da célula (Pmáx); Fator de Forma (FF); eficiência da célula solar (η); densidade de corrente de curto-circuito (Jsc) e eficiência quântica da célula (EQC). Os dados obtidos da caracterização elétrica foram: Jsc = 0,24 a 0,36 mA/cm²; Icc = 2,38 a 3,50 mA; Vca 0,96 a 1 V; Pmáx = 1,16 a 1,86 mW/cm²; FF = 0,49 a 0,54; η = 11,42 a 18,70%. O extrato da espécie A. blanchetii é capaz de sensibilizar substâncias contidas em células fotovoltaicas orgânicas, gerar energia não residual e contribuir para o equilíbrio ambiental.


Keywords


Antocianinas, Caracterização elétrica, Células fotoquímicas.

References


ABDOU, E. M. et al. Photostability of low cost dye-sensitized solar cells on natural and synthetic dyes. Spectrochima Acta Part A: Molecular and Biomolecular Spectroscopy. v, 115, p. 202-207, nov. 2013.

ARAÚJO, L. D. A.; QUIRINO, Z. G. M.; MACHADO, I. C. Fenologia reprodutiva, biologia foral e polinização de Allamanda blanchetii, uma Apocynaceae endêmica da Caatinga. Revista Brasil. Bot., V.34, n.2, p.211-222, abr.-jun. 2011.

CORDEIRO, G. M.; MENEZES, M. O problema energético do Brasil. 2013. Disponível em < https://www.ime.usp.br/~abe/lista/msg08620.html>. Acesso em 25.out.2018

DOBRZAŃSKI, L. A. et al. The influence of natural and synthetic dyes on the absorbance of nanocrystalline TiO2 used in dye sensitized solar cells. Journal of Achievements in Materials and Manufacturing Engineering, v. 69, n. 2, p. 53--58, apr. 2015.

FEITOSA, A. V.; SOUSA, J. H. A.; CAVALCANTE, F. S. Á. Células solares sensibilizadas com corantes naturais extraídos das plantas Nerium oleander e Portulaca grandiflora. Ciência e Natura, v.38, n.3, p. 1191-1196, set. /dez. 2016.

FULEKI, T; FRANCIS, F. J. Quantitative Methods for Anthocyanins. Journal of food Science, v. 33, p. 72-77, jan. 1968.

GERHARDT, T. E,; SILVEIRA, D. T. Métodos de Pesquisa. 1ed. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

GRÄTZEL, M. Photoelectrochemical cells. Nature, v. 414, n. 6861, p. 338-344, nov. 2001.

____________. Dye-sensitized solar cells. J. Photochem. Photobiol. C: Photochem. Rev., v. 4, p. 145-153, oct. 2003.

GUIMARÃES, W.; ALVES, M. I. R.; ANTONIOSI FILHO, N. R. A. Antocianinas em Extratos Vegetais: Aplicação em Titulação Ácido-Base e Identificação via Cromatografia Líquida/Espectrometria de Massas. Quim. Nova, v. 35, n. 8, p. 1673-1679, jul. 2012.

MACHEIX, J.J.; FLEURIET, A.; BILLOT, J. Fruit Phenolics. Boca Raton, Flórida, EUA: CRC Press, Inc, p. 378, 1990.

MANNA, A. et al. Fabrication and Characterization of Natural Dye Sensitized Solar Cell based on CdSe nanorods. IOSR Journal of Applied Psysics (IOSR-JAP), v. 9, n. 6, p. 22-27, nov. /dec. 2017.

MATIAS-PEREIRA, J. Manual de metodologia da pesquisa científica. 4ed. São Paulo: Atlas, ago. 2016.

MICROSOFT Excel for Windows 10. Version 4.1. [S.I.]: Microsoft Corporation, 2016. 1 CD-ROM.

O'REGAN, B.; GRÄTZEL, M. A Low-Cost, High-Efficiency Solar Cell Based on Dye-Sensitized Colloidal TiO2 Films. Nature, v. 353, n. 6346, p. 737-740, oct. 1991.

PARÁ. GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ. Estatística Municipal: Marabá. 2011.Disponívelem:http://iah.iec.pa.gov.br/iah/fulltext/georeferenciamento/maraba.pdf. Acesso em: 05 out. 2018

PATROCÍNIO, A. O. T.; IHA, N. Y. M. Em Busca Da Sustentabilidade: Células Solares Sensibilizadas Por Extratos Naturais. Quim. Nova, v. 33, n. 3, p. 574-578, fev. 2010.

PEREIRA JUNIOR, A.; CAMPOS, R. A. S. Análise comparativa das práticas ambientais utilizadas no ensino da Educação Ambiental em escolas públicas. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 13, n. 1, p. 364-396, jan. /mar. 2018.

PRATIWI, D. D. et al. Optical properties of natural dyes on the dye-sensitized solar cells (DSSC) performance. In: Journal of Physics: Conference Series, v. 776, n. 1, p. 012007, aug. 2016.

SAKAMOTO, C. K.; SILVEIRA, I. O. Como fazer projetos de iniciação cientifíca. São Paulo: Paulus, 2014.

SATAPATHI, S. et al. Performance enhancement of dye sensitized solar cells by incorporating graphene sheets of various sizes, Applied Surface Science, v. 314, p. 638-641, sep. 2014.

SAWHNEY, N.; RAGHAV, A.; SATAPATHI, S. Utilization of Naturally Occurring Dyes as Sensitizers in Dye Sensitized Solar Cells. IEEE Journal of Photovoltaics, v. 7, n. 2, p. 539-544, mar. 2017.

SONAI, G. G. et al. Células Solares Sensibilizadas por Corantes Naturais: Um Experimento Introdutório sobre Energia Renovável para Alunos de Graduação. Quim. Nova, v. 15, n. 00, p. 1-9, set. 2015.

TOBIN, L. et al. Characterising dye-sensitised solar cells. Optik - International Journal for Light and Electron Optics, v. 122, Issue 14, p. 1225-1230, jul. 2011.

VICHI, F. M.; MANSOR, M. T. C. Energia, Meio Ambiente e Economia: O Brasil no Contexto Mundial. Quim. Nova, v. 32, n. 3, p. 757-767, abr. 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-242

Refbacks

  • There are currently no refbacks.