Cracaterização e riqueza etnobotânica da família Arecaceae para o Sudoeste Maranhense / Cracaterization and ethnobotanical wealth of the Arecaceae family for the Southwest Maranhense

Zilmar Timoteo Soares, Iane Paula Rego Cunha Dias, Juscimar da Silva Araujo

Abstract


Este trabalho objetiva caracterizar a comunidade de palmeiras nativas nos municípios da região sudoeste maranhense e também descrever o potencial de utilização das espécies nesses municípios, com vistas à conservação desse grupo de plantas. Foram percorridas as principais fitofisionomias presentes cada um dos municípios e registradas as espécies presentes e o potencial de utilização dessas espécies pela comunidade (alimentação, construção, uso medicinal e artesanato e utensílios domésticos. A comunidade de palmeiras na região pesquisada está representada por 17 espécies nativas, distribuídas em dez gêneros, sendo os mais representativos Attalea, com quatro espécies, e Syagrus e Astrocaryum, com três espécies cada uma. A maior parte das espécies apresentou hábito arbóreo, com alturas acima de 7 metros (64,7%), seguidas das espécies com caule subterrâneo (23,6%). Nas fisionomias savânicas e áreas abertas, as espécies com caules subterrâneos parecem predominar, e nas áreas com fisionomias florestais o hábito arbóreo é mais frequente. Na região sudoeste maranhense, onde o trabalho foi realizado, pode-se inferir que os gêneros Attalea, Mauritia, Euterpe e Oenocarpus são os que mais a comunidade conhece e utiliza tanto na alimentação quanto para outros usos.  Dessa forma, a diversidade de espécies de palmeiras no bioma cerrado encontra-se subamostrada, com a maior parte dos levantamentos de vegetação não considerando esse componente. Assim, as estimativas de riqueza e diversidade podem ser inferiores à realidade desse extenso bioma no Brasil, uma vez que muitas localidades sequer foram amostradas devidamente. Com isso pode-se dizer que as palmeiras nativas representam um recurso vegetal imprescindível para a manutenção da qualidade de vida e dos diferentes costumes associados a esse grupo de plantas. A avaliação das espécies potenciais deve ser analisada em um contexto etnobiológico, buscando-se manter esse importante conhecimento tradicional, que está sendo perdido, para as gerações futuras.


Keywords


Cerrado, potencial de utilização, conservação da biodiversidade.

References


ALMEIDA, S. Arecaceae Família. Knoow.net, post publicado em 31/07/2018. Disponível em: . Acesso em 16/05/2020.

BDMEP - Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm) . Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 10 de junho de 2020

BARBOSA, A. S.; SCHMITZ, P. I. Ocupação indígena do cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Eds.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA - CPAC, 1998. p. 4-43.

BONDAR, G. Palmeiras do Brasil. Instituto de Botânica de São Paulo, São Paulo. 1964. 159p.

CASTRO, A. A. J. F.; MARTINS, F. R.; TAMASHIRO, J. Y.; SHEPHERD, G. J. How rich is the flora of Brazilian cerrados? Missouri Botanical Garden. Annals, Saint Louis, v. 86, p. 192-224, 1999.

CLEMENT, C. R.; LLERAS PÉREZ, E.; VAN LEEUWEN, J. O potencial das palmeiras tropicais no Brasil: acertos e fracassos das últimas décadas. Agrociencia, Montevideo, v. 9, n.1-2, p. 67-71, 2005.

COOMES, O. T. Rain forest ‘conservation through use’? Chambira palm fiber extraction and handicraft production in a land-constrained community, Peruvian Amazon. Biodiversity and Conservation, London, v. 13, p. 351–360, 2004

DRANSFIELD, J., UHL, NW., ASMUSSEN, CBA., BAKER, WJ., HARLEY, MM. and LEWIS, C. E., Genera Palmarum - The Evolution and Classification of Palms. Richmond, UK: Kew Publishing. 2008.

ESTADO DO MARANHÃO. Diário Oficial do Estado do Maranhão, ano XCIX, nº 221 , 17 de novembro de 2005. »

EARTH. W.L. Localização do sudoeste maranhese. 2020. Brasil.

FELFILI, J.M.; FILGUEIRAS, T.S.; HARIDASSAN, M.; SILVA-JÚNIOR, M.C.; MENDONÇA, R.C. & REZENDE, A.V. Projeto biogeografia do bioma Cerrado: vegetação e solos. Caderno de Geociências 12: 75-166. 1994.

FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E.; BROCHADO, A. L.; GUALA II, G. F. Caminhamento - um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, v. 12, p. 39-43, 1994.

FRAUSIN, G.; CORREA, M. A.; GONZALES, V. C. Seeds used in handicrafts manufactured by an Emberá- Katío indigenous population displaced by violence in Colombia. Caldasia, Bogota, v. 30, n. 2, p. 315-123, 2008

GLASSMAN, S.F. A Revision of the Palm Genus Syagrus Mart. and other Selected Genera in the Cocos Alliance. Ill. Biol. Monogr. 56: 1-230, ilustr. 1987.

GOTTSBERGER, G. & SILBERBAUER-GOTTSBERGER, I. Life in the Cerrado: a South American Tropical Seasonal Ecosystem. Vol.I - Origen, Structure, Dynamics and Plant Use. Ulm: Reta Verlag. 2006.

HENDERSON, A. The palms of the Amazon. Oxford University Press, New York, 1995.

HENDERSON, A., GALEANO, G. Euterpe, Prestoea and Neonicholsonia (Palmae). Fl. Neotrop. Monogr. 72: 1-90. 1996.

HENDERSON, A. Bactris (Palmae). Fl. Neotrop. Monogr. 79: 1-181. 2000.

HENDERSON, A. A revision of Geonoma (Arecaceae). Phytotaxa 17: 1-271. 2011a.

HENDERSON, A. A revision of Desmoncus (Arecaceae). Phytotaxa 35: 1-88. 2011b.

HOYT, E. Conservation the wild relatives of crops. Roma: IBGR/FAO. 1992. 52 p.

JOHNSON, J. (ed.) and the IUCN/SSN Palm Specialist Group. Palms: their conservation and sustained utilization. Cambridge: IUCN, 1996. 116 p.

KHAN, F. Les palmiers des forêts tropicales humides du bas Tocantins (Amazonie bresilienne). Revue e Ecologie: La terre et la vie, Paris, v. 41, p. 3-13, 1986.

LEITMAN, P., HENDERSON, A., NOBLICK, L., MARTINS, R.C. Arecaceae. Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico Do Rio De Janeiro. (Http://Floradobrasil.Jbrj.Gov.Br/2012/Fb000053). 2012.

LORENZI, H., SOUZA, H.M., MEDEIROS-COSTA, J.T., CERQUEIRA, L.S.C. & VON BEHR, N. 1996. Palmeiras no Brasil Nativas e Exóticas. Editora Plantarum, Nova Odessa.

LORENZI, H., NOBLICK, L.R., KAHN, F., FERREIRA, E. Flora Brasileira: Arecaceae (Palmeiras). Nova Odessa, SP : Instituto Plantarum. 385p. 2010.

MARCATO, A.C. Revisão Taxonômica do gênero Butia (Becc.) Becc. e filogenia da subtribo Butiinae Saakov (Palmae). Tese (Doutorado) – Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Departamento de Botânica. 147p. 2004.

MARTINS, R.C. Arecaceae (Palmae) no Distrito Federal, Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília. 2000.

MARTINS, R.C. & FILGUEIRAS, T.S. Arecaceae. In: CAVALCANTI, T.A.B. Flora do Distrito Federal, v.5, 47-82. 2006.

MENDONÇA, R. C.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M. T.; SILVA JÚNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E. Flora vascular do cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Eds.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA - CPAC, 1998. p. 289-556.

MENDONÇA, R.C.; FELFILI, J.M.; WALTER, B.M.T.; SILVA-JÚNIOR, M.C.; REZENDE, A.V.; FILGUEIRAS, T.S.; NOGUEIRA, P.E.; FAGG, C.W. (ed) Flora vascular do Cerrado. In: Cerrado: ecologia e flora. Planaltina: EMBRAPA-CPAC. 2008.

MORAES, M. Allagoptera (Palmae). Fl. Neotrop. Monogr. 73: 1-34. New York Botanical Garden, New York. 1996.

MOREIRA, L.; REATTO, A.; ANDRADE, L. R. M.; MARTINS, E. S. Diagnóstico indígena

participativo - Aldeia p. (Pedra Branca Terra Indígena Krahô Itacajá, Tocantins. Planaltina: EMBRAPA Cerrados. 2001. 40 Série Documentos, n. 40).

MOUSSA, F.; KHAN, F. Uso y potencial económico de dos palmas, Astrocaryum aculeatum Meyer y A. vulgare Martius, en la Amazonía brasileña. In: RIOS, M.; PEDERSEN, H. B. (Eds.). Uso y manejo de recursos vegetales. Quito: Abya-Yala. 1997. p. 101-116.

NOBLICK, L. & LORENZI, H. New Syagrus species from Brazil. Palms 54(1): 18-42. 2010

NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL. Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 20 de jumho de 2020

PINHEIRO, C. U. B.; FRAZÃO, J. M.; BALICK, M. J. Coleta de germoplasma de palmeiras do complexo babaçu (Orbignya e Attalea). In: WALTER, B. M. T.; CAVALCANTI, T. B. (Eds.). Fundamentos para coleta de germoplasma vegetal. Brasília, DF: EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia. 2005. p. 549-583

RESEX “da Mata Grande | Unidades de Conservação». uc.socioambiental.org. 2020.

SCARIOT, A.O. Biologia Reprodutiva de Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart. (Palmae) no Distrito Federal. Brasília: Depto. de Ecologia, Universidade de Brasília. Dissertação de mestrado. 135p. 1987.

SCARIOT, A.O., LLERAS, E. & HAY, J.D. Reproductive Biology of Palm Acrocomia aculeata in Central Brazil. Biotropica 23: 12-22. 1991.

SCARIOT, A.O., LLERAS, E. & HAY, J.D. Flowering and Fruiting Phenologies of the Palm Acrocomia aculeata: Patterns and Consequences. Biotropica 27: 168-173. 1995.

SILVA, A. V.; ALBUQUERQUE, U. P.; NASCIMENTO, V. T. Técnicas para análise de dados etnobotânicos. In: ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; CUNHA, L.V. F. C. (Eds.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Recife: Comunigraf, 2008. p. 127-143.

SOARES, K.P.; LONGHI, S.J.; NETO, L.W.; ASSIS, L.C. Palmeiras (Arecaceae) no Rio Grande do Sul, Brasil. Rodriguésia, v.65, n.1, p.113-139, 2014.

SOUZA, V.C. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III / Vinicius castro Souza, Harri Lorenzi. 3.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2012.

UHL, N.W. & DRANSFIELD, J. 1999. Genera palmarum after ten years. In Evolution, variation, and classification of palms (A. Henderson & F. Borchsemius, eds.). New York Botanical Garden, New York, p.245-253.

ZAMBRANA, N.Y.P.; BYG, A.; SVENNING, C.C.; MORAES, M.; GRANDEZ, C.; BALSLEY, H. Diversity of palm uses in the western Amazon. Biodiversity and Conservation v.16, p.2771-2787, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-239

Refbacks

  • There are currently no refbacks.