RETIRADA DE OPIOIDES: uma revisão bibliográfica / OPIOID WITHDRAWAL: a literature review

Andressa Piva de Melo, Yásmin Wakiko Higaki Fujii, Marcel Pereira Rangel, Fernanda Shizue Nishida

Abstract


Objetivo: Os opioides são substâncias úteis no tratamento da dor crônica por conta de seus efeitos analgésicos e depressores do sistema nervoso. Entretanto, a ativação crônica de seus receptores leva ao transtorno de dependência, comprometendo a saúde e o relacionamento social. Essa questão é um desafio ao profissional de saúde e, por este motivo, o presente estudo tem o objetivo de realizar uma coleta de dados sistematizada, análise reflexiva e atualizações a respeito do uso de opioides e as alternativas para a atenuação de seus efeitos relacionados a tolerância e vício no mundo. Métodos: Trata-se de uma revisão de literatura sobre o tratamento assistido por medicação de opioides utilizando a base de dados PubMed e Scielo.  Essa pesquisa também utilizou a revista brasileira de psiquiatria e livros sobre o tema. Resultados: No Brasil, os dados epidemiológicos são escassos, porém sabe-se que existe um alto consumo de analgésicos opioides. Após a revisão ficou constatado que é necessária a retirada supervisionada dos opioides envolvendo medicamentos com segurança. Conclusão: Tanto a metadona quanto a buprenorfina são úteis no tratamento da síndrome de abstinência de opioides pois diminuem os sintomas de desejo e abstinência, além de impedir a ação de outros opioides. São necessárias mais pesquisas e estudos clínicos para avaliar essas terapias e demonstrar a viabilidade para a implementação em ambientes clínicos no Brasil.


Keywords


Tratamento Assistido por Medicação de opioide, metadona, buprenorfina, naloxona, naltrexona.

References


Martin WR - Pharmacology of opioids. Pharmacol Ver, 1983;35:283-303

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Artigo aponta crescimento de 465% no uso de opiáceos no Brasil https://www.icict.fiocruz.br/content/artigo-aponta-crescimento-de-465-no-uso-de-opi%C3%A1ceos-no-brasil

Noa Krawczyk, M. Claire Greene, Rafaela Zorzanelli e Francisco I. Bastos , 2018 : Tendências crescentes das vendas de opióides sob prescrição no Brasil contemporâneo, 2009–2015 American Journal of Public Health 108 , 666_668, https://doi.org/10.2105/AJPH.2018.304341

Coluzzi Flaminia, Taylor Jr. Robert, Pergolizzi Jr. Joseph V., Mattia Consalvo, Raffa Robert B.. Orientação para boa prática clínica para opioides no tratamento da dor: os três "Ts" - titulação (teste), ajustes (individualização), transição (redução gradual). Rev. Bras. Anestesiol. [Internet]. 2016 June [cited 2020 July 20] ; 66( 3 ): 310-317. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942016000300310&lng=en. https://doi.org/10.1016/j.bjane.2014.09.005.

Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG, The PRISMA Group (2009) Itens de relatório preferidos para revisões sistemáticas e metanálises: The PRISMA Statement. PLoS Med 6 (7): e1000097. https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1000097

BALTIERI, Danilo Antonio, et al. Diretrizes para o tratamento de pacientes com síndrome de dependência de opioides no Brasil. Revista Brasileira de Psiquiatria, 2004; 26 (4) 259-69.

Pereira, M., Andrade, L., & Takitane, J. (2017). Evolução do uso abusivo de derivados de ópio. Saúde, Ética & Justiça, 21(1), 12-17. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v21i1p12-17

AMB (Associação Médica Brasileira). Abuso e dependência dos opioides e opiáceos. Projeto Diretrizes. [BICCA, C. et al.]. São Paulo: Associação Brasileira de Psiquiatria, Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial, Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Associação Médica Brasileira, 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 Nov 2017

Cahill CM, Walwyn W, Taylor AMW, Pradhan AAA, Evans CJ. Allostatic Mechanisms of Opioid Tolerance Beyond Desensitization and Downregulation. Trends Pharmacol Sci. 2016;37(11):963-976.

FIELDS, Howard et al. Understanding opioid reward. Trends in Neurosciences, v. 38, n. 4, p.217, april. 2015. (ncbi). https://doi.org/10.1016/j.tins.2015.01.002

SADOCK, Benjamin James; SADOCK, Virginia Alcott. Compêndio de psiquiatria. Porto Alegre: Artmed, 11ª edição, 2017.

GLADDEN, R. Matt et al. Changes in opioid-involved overdose deaths by opioid type and presence of benzodiazepines, cocaine, and methamphetamine—25 states, July–December 2017 to January–June 2018. Morbidity and Mortality Weekly Report, v. 68, n. 34, p. 737, 2019.

Kahan M, Wilson L, Mailis-Gagnon A, Srivastava A; National Opioid Use Guideline Group. Canadian guideline for safe and effective use of opioids for chronic noncancer pain: clinical summary for family physicians. Part 2: special populations. Can Fam Physician. 2011;57(11):1269-76.

Chou R, Fanciullo G, Fine P, et al. Clinical guidelines for the use of chronic opioid therapy in chronic noncancer pain. J Pain 2009;10(2):113 30.

MANCHIKANTI, L. National Drug Control Policy and Prescription Drug Abuse: Facts and Fallacies. Pain Physician, Albany, v. 10, p. 399-424, 2007.

Nalamachu SR. Opioid rotation in clinical practice. Adv Ther. 2012;29(10):849-863.

KRAYCHETE, Durval Campos, et al. Recomendações para uso de opioides no Brasil: parte IV. Efeitos adversos de opioides, Revista Dor, vol 15, 2014.

Webster LR , Fine PG . Revisão e crítica das práticas de rotação de opióides e riscos associados de toxicidade . Pain Med . 2012 ; 13 : 562 - 570 .

Vissers KC, Besse K, Hans G, Devulder J, Morlion B. Opioid rotation in the management of chronic pain: where is the evidence?. Pain Pract. 2010;10(2):85-93.

Nascimento Daiana Ciléa Honorato, Sakata Rioko Kimiko. Dependência de opioide em pacientes com dor crônica. Rev. dor [Internet]. 2011 junho [citado 2020 20 de julho]; 12 (2): 160-165. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-00132011000200013&lng=en. https://doi.org/10.1590/S1806-00132011000200013 .

Hoffman KA, Ponce Terashima J, McCarty D. Opioide usam transtorno e tratamento: desafios e oportunidades. BMC Health Serv Res . 2019; 19 (1): 884. Publicado 2019 em 25 de novembro. Doi: 10.1186 / s12913-019-4751-4

Brunton, L.L. Goodman & Gilman: As Bases Farmacológicas da Terapêutica. 13ª ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 2012.

Olfson M, Zhang V, Schoenbaum M, King M. Trends in Buprenorphine Treatment in the United States, 2009-2018. JAMA. 2020; 323 (3): 276–277. doi: 10.1001 / jama.2019.18913

OSTERLE, Tyler S, et al. Tratamento assistido por medicação para transtorno de uso de opioides. Mayo clinic, vol 94, 10ª ed, 2072-2086.

Kraft WK, Adeniyi-Jones SC, Chervoneva I, et al. Buprenorphine for the Treatment of the Neonatal Abstinence Syndrome. N Engl J Med. 2017;376(24):2341‐2348. doi:10.1056/NEJMoa1614835

Ahmadi J, Jahromi MS, Ghahremani D, London ED. Single high-dose buprenorphine for opioid craving during withdrawal. Trials. 2018;19(1):675. Published 2018 Dec 10. doi:10.1186/s13063-018-3055-z

Substance Abuse and Mental Health Services Administration (SAMHSA) – Metahone. Acessado em 30 de abril de 2020. https://www.samhsa.gov/medication-assisted-treatment/treatment/methadone

Kleber HD. Opioids: detoxification. In: Galanter M, Kleber HD, editors. The American Psychiatric Press textbook of substance abuse treatment. Washington, DC: American Psychiatry Press; 1994. p. 191-208.

MARTINS, Herlon Saraiva; DAMASCENO, Maria Cecília de Toledo; AWADA, Soraia Barakat. Pronto-Socorro: Medicina de Emergência. 3ª edição. Barueri, SP: Manole, 2013.

SERRA, André Peres; ASHMAWI, Hazem. Influência da naloxona e metisergida sobre o efeito analgésico do laser em baixa intensidade em modelo experimental de dor. Revista brasileira de anestesiologia, vol 30, no 3. Campinas, 2010.

Zamani N, Buckley NA, Hassanian-Moghaddam H. Buprenorfina para reverter a depressão respiratória por overdose de metadona em pacientes dependentes de opioides: um estudo prospectivo randomizado. Crit Care . 2020; 24 (1): 44. Publicado em 7 de fevereiro de 2020. Doi: 10.1186 / s13054-020-2740-y

Ministério da Saúde – Naltrexona. Atualizada em 23 de novembro de 2015 https://www.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/07/naltrexona--atualizada-em-23-11-2015-.pdf

Younger J, Noor N, McCue R, Mackey S. Low-dose naltrexone for the treatment of fibromyalgia: findings of a small, randomized, double-blind, placebo-controlled, counterbalanced, crossover trial assessing daily pain levels. Arthritis Rheum. 2013;65(2):529‐538. doi:10.1002/art.37734

Yoon G, Petrakis IL, Krystal JH. Association of Combined Naltrexone and Ketamine With Depressive Symptoms in a Case series of Patients With Depression and Alcohol Use Disorder. JAMA Psychiatry. 2019;76(3):337‐338.

Spencer TJ, Bhide P, Zhu J, et al. The Mixed Opioid Receptor Antagonist Naltrexone Mitigates Stimulant-Induced Euphoria: A Double-Blind, Placebo-Controlled Trial of Naltrexone. J Clin Psychiatry. 2018;79(2):17m11609. doi:10.4088/JCP.17m11609

Shi Z, Wang AL, Jagannathan K, et al. Effects of extended-release naltrexone on the brain response to drug-related stimuli in patients with opioid use disorder. J Psychiatry Neurosci. 2018;43(4):254‐261. doi:10.1503/jpn.170036

Pearce LA, Min JE, Piske M, et al. Tratamento com agonista opioide e risco de mortalidade durante overdose de emergência de saúde pública com opioide: estudo de coorte retrospectivo de base populacional. BMJ . 2020; 368: m772. Publicado em 31 de março de 2020. doi: 10.1136 / bmj.m772

Murphy SM, McCollister KE, Leff JA, et al. Cost-Effectiveness of Buprenorphine-Naloxone Versus Extended-Release Naltrexone to Prevent Opioid Relapse. Ann Intern Med. 2019;170(2):90‐98. doi:10.7326/M18-0227

Mégarbane B, Chevillard L, Vodovar D. Naloxone should remain the appropriate antidote to treat opioid overdose. Crit Care. 2020;24(1):173. Published 2020 Apr 28. doi:10.1186/s13054-020-2835-5




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-227

Refbacks

  • There are currently no refbacks.