Os benefícios da guarda compartilhada em seus aspectos legais, psicológicos e filosóficos / The benefits of shared custody in its legal, psychological and philosophical aspects

Euda Marcia Dias Paiva, Luciana Bovo Andretto, Ivan Vieira da Silva, José Francisco de Assis Dias

Abstract


O presente artigo busca relacionar os aspectos jurídicos da guarda compartilhada com os aspectos psicológicos e filosóficos da questão. Por meio de revisão bibliográfica, pretende-se apurar, através do tratamento conferido pelas recentes Leis nº 11.698/08 e 13.058/14, as vantagens e benefícios da guarda compartilhada tanto para os pais, pela possibilidade de exercício pleno dos cuidados parentais, como para o bem-estar do menor que pôde, a partir de então, valer-se dos cuidados e afeto de seus genitores, mesmo que em lares diferentes. Apesar dos esforços para atender a todos os envolvidos no processo de separação de um casal com filhos e garantir igualdade de direitos, observou-se que os avanços legais obtidos até a chegada a lei 13.058/14, apenas demonstraram a omissão legislativa quanto aos direitos dos pais. Ao promulgar o direito à guarda compartilhada em 2008, o legislador garantiu apenas uma possibilidade de direito. O pai com menores condições financeiras era injustiçado, pois não reunia requisitos suficientes para ser o detentor da guarda. Esses requisitos que eram “necessidade do filho” e “disponibilidade de tempo do pai” eram interpretados como “melhor condição financeira”, resultando, na maioria dos casos, em guarda unilateral. A guarda compartilhada somente era concedida por consenso. Em 2014, diante das injustiças identificadas por estas lacunas, o legislador finalmente inseriu na lei os argumentos que faltavam para que ambos os pais tivessem seus direitos resguardados, demonstrando, conforme ensina Tomás de Aquino que uma lei nova não difere da antiga, pois assim como a antiga esta busca a perfeição. A relevância deste estudo encontra-se mediante as grandes mudanças sofridas na sociedade em meados do século XX que, em decorrência do aumento do número de matrimônios desfeitos e das modificações das estruturas familiares, surgiu com elas, a necessidade de adequar-se o direito de família aos novos anseios sociais. Diante da subjetividade do tema, em que os aspectos psicológicos da nova forma familiar que se constitui, são tão relevantes quanto os aspectos legais, é imprescindível sua análise sob a ótica filosófica para que haja assim, uma reflexão crítica sobre o assunto. Valendo-se dos pensamentos dos filósofos da antiguidade Platão e Aristóteles e dos medievais Santo Agostinho e Tomás de Aquino, objetiva-se afinar os entendimentos histórico, evolutivo, filosófico, social, psicológico e humanístico da Lei da Guarda Compartilhada Brasileira com os ideais de justiça, ordem, bem-estar, direitos naturais e humanos propostos por estes filósofos, cujo seus conceitos notoriamente permeiam até a contemporaneidade, acompanhando o avanço da sociedade familiar.

 

 


Keywords


Guarda Compartilhada; Psicológicos; Filosóficos; Aspectos; Pais; Poder Familiar.

References


AQUINO, São Tomás de. A Suma Teológica de São Tomás de Aquino. Na clássica tradução de Alexandre Correia. Disponível em: http://permanencia.org.br/drupal/node/1745 Acessado em 12/10/2017

ARISTÓTELES. A Política. Tradução de Nestor Silveira Chaves. Bauru: EDIPRO, Série Clássicos, 1995

BARRETO, Vicente (coord.). A Nova Família: Problemas e Perspectivas, Rio de Janeiro: Renovar, 1997.

BRASIL. Código Civil. Brasília: Senado, 2002.

______. Constituição Federal. Brasília: Senado, 1988.

______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Senado, 1990.

______. Lei n° 13.058, de 22 de dezembro de 2014. Altera os arts. 1583, 1584, 1585 e 1634 da Lei n° 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil). Brasília: Senado, 2014.

BRITO, L. M. T; GONSALVES, E. N. Guarda Compartilhada: alguns argumentos e conteúdos da jurisprudência. Revista Direito GV. São Paulo, 9 (1): 299-318. Jan.-jul. 2013.

Children Right Council USA, Disponível em http://www.crckids.org

GONÇALVES, C. R. Direito de família. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2011. V. 6.

GRISARD FILHO, W. Guarda Compartilhada. 2. ed. ver., atul. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

GRISARD FILHO, W. Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. 3 ed., São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005.

MACEDO, Lino de. Guarda de filhos. Isto É. São Paulo, n.2, Fev.2002.

LÔBO. Paulo Luiz Netto. Famílias De acordo com a Lei n.11.698/2008, Direito Civil. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

PEREIRA, Sérgio Gischkow. A guarda conjunta de Menores no Direito Brasileiro. Revista da Ajuris n. 36.

PLATÃO. A República. Tradução de Albertino Pinheiro, 6 ed. São Paulo: Atena, Biblioteca Clássica, 1956;

PORTUGAL. Lei n.º 84/95, de 31 de Agosto. Altera o Código Civil, permitindo a opção dos pais pelo exercício comum do poder paternal

POUSSIN, Gerard; LAMY, Anne. Custodia compartida. Espanha: Espasa, 2005.

SILVA, Evandro Luiz. Dois Lares é melhor que um. Disponível em https://www.pailegal.net/veja-mais/ser-pai/analises/303-dois-lares-e-melhor-que-um Acessado em 03/10/2017

SUPIOT, A. Homos juridicus: ensaios sobre a função antropológica do Direito. Trad. Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

THÉRY, Irène. Couple,filiation et parenté aujourd'hui: le droit face aux mutations de la famille et de la vie privée. Paris: Odile Jacb; La Documentation Française, 1998.

XAVIER, E. D. A Bioética e o conceito de pessoa: a re-significação jurídica do ser enquanto pessoa. Revista Bioética, América do Norte, nº 8 3 11 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-195

Refbacks

  • There are currently no refbacks.