Perspectivas da equipe de enfermagem sobre as repercussões comportamentais e físicas da violência no trabalho / Perspectives of the nursing team the on the behavioral and physical repercussions of violence at work

Beatriz Vieira da Silva, Cláudia Fabiane Gomes Gonçalve, Ana Karine Laranjeira de Sá, Cynthia Roberta Dias Torres Silva, Valdirene Pereira da Silva Carvalho, Silvana Cavalcanti dos Santos, Raimundo Valmir de Oliveira, Samara Maria de Jesus Veras

Abstract


Os profissionais da equipe de enfermagem vivenciam diariamente atos violentos, ora como vítimas, ora como espectadores, deixando-os expostos a agravos biopsicossociais como agressões físicas, psicológicas e morais. Diante disso, o objetivo geral é analisar como a equipe de enfermagem enfrenta a violência sofrida no seu espaço laboral em um hospital público no interior do agreste de Pernambuco. Este estudo tem caráter descritivo e exploratório, de abordagem qualitativa, realizado no hospital municipal Dr. Lídio Paraíba, localizado em Pesqueira, Pernambuco. Como resultados, a amostra foi composta por 32 sujeitos, onde destes, 13 (41%) sentiam-se inseguros no ambiente de trabalho, correspondendo à maioria da população do estudo e corroborando com pesquisas atuais. As formas de reconhecimento do ato violento partiram majoritariamente das linguagens verbal e física do agressor. Quanto às formas de enfretamento ou resposta à violência após o reconhecimento da mesma, a falta de reação à agressão foi a opção mais citada. No que tange às possíveis mudanças comportamentais após a agressão, 13 sujeitos violentados (62%) passaram a se comportar de maneira diferente após o evento e 8 (38%) informaram não ter havido mudanças. A respeito das mudanças na saúde dos sujeitos após a agressão, 7 sujeitos (33%) alegaram o desenvolvimento de uma ou mais doenças em consequência da violência e os demais, 14 sujeitos (67%), afirmaram não ter alteração no eixo saúde-doença após o evento violento. Portanto, é imprescindível que haja a criação de estratégias para prevenir e controlar a violência no ambiente laboral da equipe de enfermagem, visto que esta classe é a mais próxima do paciente e dos seus familiares, tornando-se a mais exposta a tal agravo.

Perspectivas da equipe de enfermagem sobre as repercussões comportamentais e físicas da violência no trabalho

/

Perspectives of the nursing team the on the behavioral and physical repercussions of violence at work


Keywords


Violência no Trabalho, Equipe de Enfermagem, Hospitais Públicos.

References


BORDIGNON, Maiara; MONTEIRO, Maria Inês. Violência no trabalho da Enfermagem: um olhar às consequências. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 69, n. 5, p. 996-9, set./out. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2015-0133. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v69n5/0034-7167-reben-69-05-0996.pdf. Acesso em: 15 abr. 2020.

DAL PAI, Daiane; LAUTERT, Liana; SOUZA, Sônia Beatriz Cocaro de; MARZIALE, Maria Helena Palucci; TAVARES, Juliana Petri. Violência, burnout e transtornos psíquicos menores no trabalho hospitalar. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 49, n. 3, p. 460-468, 2015. DOI: 10.1590/S0080-623420150000300014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342015000300457. Acesso em: 15 abr. 2020.

DAL PAI, Daiane; STURBELLE, Isabel Cristina Saboia; SANTOS, Cibele dos; TAVARES, Juliana Petri; LAUTERT, Liana. Violência física e psicológica perpetrada no trabalho em saúde. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 27, n. 1, e2420016, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072018002420016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072018000100312&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 15 abr. 2020.

FREITAS, Rodrigo Jácob Moreira de; PEREIRA, Magda Fabiana do Amaral; LIMA, Caio Hudson Pereira de; MELO, Janara Nascimento de; OLIVEIRA, Kalyane Kelly Duarte de. A violência contra os profissionais da enfermagem no setor de acolhimento com classificação de risco. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 38, n. 3, e62119, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.03.62119. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472017000300416&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 15 abr. 2020.

GUERRA, A. S.; XAVIER, A. S.; JESUS, B. O.; LIMA, M. S.; MUSSE, J. O. A violência sofrida pelo enfermeiro no sistema de saúde. International Nursing Congress, [S. l.], maio 2017. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/cie/article/view/6153/2137. Acesso em: 15 abr. 2020.

IBGE. Censo Demográfico 2000. Características gerais da população: resultados da amostra. IBGE, 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pe/pesqueira. Acesso em: 28 maio 2020.

LIMA, Gustavo Henrique Alves; SOUSA, Santana de Maria Alves de. Violência psicológica no trabalho da enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 68, n. 5, p. 817-823, set./out. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680508i . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672015000500817&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 15 abr. 2020.

LIMA, Jeanne de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira. Olhar da gestão sobre a implantação da ficha de notificação da violência doméstica, sexual e/outras violências em uma metrópole do Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 661-673. 2015. DOI: 10.1590/S0104-12902015000200021. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902015000200661&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 18 Mai. 2020.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 25. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

OLIVEIRA, C. M.; FONTANA, R. T. Violência psicológica: um fator de risco e de desumanização ao trabalho da enfermagem. Ciência, Cuidado & Saúde, Maringá, v. 11, n. 2, p. 243-249. Abr./Jun. 2012. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v11i2.11951. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/11951. Acesso em: 14 maio 2020.

OLIVEIRA, T. M. V. Amostragem não probabilística: adequação de situações para uso e limitações de amostras por conveniência, julgamento e quotas. Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, São Paulo, v. 2, n. 3, jul./ago./set. 2001. Disponível em: https://pesquisa-eaesp.fgv.br/sites/gvpesquisa.fgv.br/files/arquivos/veludo_-_amostragem_nao_probabilistica_adequacao_de_situacoes_para_uso_e_limitacoes_de_amostras_por_conveniencia.pdf. Acesso em: 27 maio 2020.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Informe mundial sobre la violencia y la salud. Organización Panamericana de la Salud. Oficina Regional para las Américas de la Organización Mundial de la Salud [Internet]. Washington, D.C. 2003. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/725/9275315884.pdf?sequence=1. Acesso em: 21 maio 2020.

PEDRO, Danielli Rafaeli Candido; SILVA, Gleicy Kelly Teles da; LOPES, Ana Patrícia Araújo Torquato; OLIVEIRA, João Lucas Campos de; TONINI, Nelsi Salete. Violência ocupacional na equipe de enfermagem: análise à luz do conhecimento produzido. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 113, p. 618-629, abr./jun. 2017. DOI: 10.1590/0103-1104201711321. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-11042017000200618&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 15 abr. 2020.

SCARAMAL, Dayane Aparecida; HADDAD, Maria do Carmo Fernandez Lourenço; GARANHANI, Mara Lúcia; NUNES, Elisabete de Fátima Pólo de Almeida; GALDINO, Maria Jose Quina; PISSINATI, Paloma de Souza Cavalcante. Violência física ocupacional em serviços de urgência e emergência hospitalares: percepções de trabalhadores de enfermagem. REME – Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 21, e-1024, 2017. DOI: 10.5935/1415-2762.20170034. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1160. Acesso em: 15 abr. 2020.

TSUKAMOTO, Sirlene Aparecida Scarpin; GALDINO, Maria José Quina; ROBAZZI, Maria Lucia do Carmo Cruz; RIBEIRO, Renata Perfeito; SOARES, Marcos Hirata; HADDAD, Maria do Carmo Fernandez Lourenço; MARTINS, Júlia Trevisan. Violência ocupacional na equipe de enfermagem: prevalência e fatores associados. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 32, n. 4, p. 425-32, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201900058. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002019000400425&tlng=pt. Acesso em: 15 abr. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-193

Refbacks

  • There are currently no refbacks.