O silencioso grito químico: Riscos e ameaças no rio guaraguaçu sob a perspectiva ecossistêmica / The quiet chemical scream: Risks and imminent threats in the guaraguaçu river under the ecosystem system

Nubya Gonçalves Cavallini, Rodrigo Arantes Reis, Liliani Marilia Tiepolo

Abstract


Ao considerar a indissociabilidade entre sociedade, desenvolvimento e meio ambiente, a abordagem ecossistêmica preconiza a compreensão das relações de interdependência entre ecossistemas biológicos, físico-químicos, econômicos e histórico-culturais. Exteriorizando a inquietação frente ao agravamento da saúde ecossistêmica em função dos impactos resultantes da intervenção humana, a contaminação ambiental de origem antrópica apresenta-se como uma das reflexões agregadas aos discursos que permeiam as questões de conservação, dos usos dos bens naturais de uso comum e das incertezas espaço-temporais associadas ao conhecimento da automanutenção dos ecossistemas e à expansão geográfica do capitalismo. O litoral paranaense coexiste com um cenário operacional de mercados produtivos exponenciadores da problemática da contaminação ambiental por íons metálicos potencialmente tóxicos. Logo, a identificação destes encadeamentos a partir da dialética entre condições históricas e naturais e da abordagem experimental, com o uso de material biológico de Lontra longicaudis e de técnicas de química analítica, objetivam a caracterização e a compreensão das tendências territoriais, das multicausalidade e das relações de interdependência entre processos naturais e sociais. Os resultados voltam-se para o encaminhamento a um estado de envenenamento e morte entrópica planetária a longo prazo. Por esta abordagem, a elaboração e sistematização de dados da deterioração de todo um sistema interligado por dinâmicas de matéria e energia, junto de um gerenciamento efetivo, transfigura a capacitação integrada e preditiva com foco ao estabelecimento de atitudes ecológicas rumo à sustentabilidade. E ainda, conduz para o alerta da necessidade de um sistema de procedimentos de prevenção, monitoramento, controle e fiscalização da qualidade de vida social e ambiental.


Keywords


Contaminação ambiental, desenvolvimento social e ambiental, espectrometria de absorção atômica, Lontra longicaudis, saúde ecossistêmica.

References


ABRAHÃO, C. M. S. O Porto de Paranaguá frente às pressões do novo cenário da geografia econômica do capitalismo. In: REIS, R. A. et al. (Org.). Litoral do Paraná: território e perspectivas volume 1 sociedade, ambiente e gestão. Curitiba, PR: Brazil Publishing, 2016.

ANGULO, R. J.; SOARES, C. R.; MARONE, E.; SOUZA, M. C.; ODRESKI, L.L.R.; NOERNBERG, M. A. Paraná. In: MUEHE, D. (Org.). Erosão e progradação do litoral brasileiro. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 347-400, 2006.

BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade, 2010.

BIGARELLA, J. J. Contribuição ao estudo da planície litorânea do Estado do Paraná. Brazilian Archives of Biology and Technology, Jubilee Volume (1946-2001), p. 65-110, 2001.

BLUM, C. T.; RODERJAN, C. V.; GALVÃO, F. O clima e sua influência na distribuição da Floresta Ombrófila Densa na Serra da Prata, Morretes, Paraná. FLORESTA, Curitiba, PR, v. 41, n. 3, p. 589-598, 2011.

BOTELHO, M. L. Desenvolvimento, espaço e crise estrutural. Espaço e Economia, n. 2, p. 1-7, 2013.

BRAIT, C. H. H.; ANTONIOSI FILHO, N. R.; FURTADO, M. M. Utilização de pelos de animais silvestres para monitoramento ambiental de Cd, Cr, Cu, Fe, Mn, Pb e Zn. Quim. Nova, v. 32, n. 6, p. 1384-1388, 2009.

BRASIL. Lei nº 10.227, de 23 de maio de 2001. Cria o Parque Nacional Saint Hilaire/Lange, no Estado do Paraná e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 mai. 2001.

CAIRNS JR, J; MCCORMICK, P. V.; NIEDERLEHNER, B. R. A proposed framework for developing indicators of ecosystem health. Hydrobiologia, v. 263, p. 1-44. 1993.

CAMPANILI, M.; PROCHNOW, M. (Orgs). Mata Atlântica – Uma Rede pela Floresta, Brasília: RMA, 2006.

CARNEIRO, S. M. M. Interdisciplinaridade: um novo paradigma do conhecimento?. Educar, n. 10, p. 99-109, 1995.

CAVALCANTI, C. Concepções da economia ecológica: suas relações com a economia dominante e a economia ambiental. Estud. av., São Paulo, v. 24, n. 68, 2010.

CLAVAL, P. Geografia econômica e economia. GeoTextos, v. 1, n. 1, p. 11-27. 2005.

ESTADES, N. P. O Litoral do Paraná: entre a riqueza natural e a pobreza social. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 8, p. 25-42, 2003.

FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. 34 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GAZOLA-SILVA, F. F. Composição e distribuição da ictiofauna do Rio Guaraguaçu (Paranaguá, Paraná-BR) e biologia alimentar de três espécies. 100 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas - Zoologia) - Setor de Ciências Biológicas - Zoologia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ, IAP. 2006. Plano de Manejo da Estação Ecológica do Guaraguaçu.

LEEF, E. Tiempos de sustentabilidade. Ambiente&Sociedade, n. 6/7, p. 5-13, 2000.

LEFF, E. Complexidade, racionalidade ambiental e diálogo de saberes. Educação&Realidade, n. 34, v. 3, p. 17-24, 2009.

LOYOLA, R. D.; LEWINSOHN, T. M. Diferentes abordagens para a seleção de prioridades de conservação em um contexto macrogeográfico. Megadiversidade, v. 5, n. 1-2, p. 27-42, 2009.

MATTOS, R. Versões e interpretações: revisitando a historiografia sobre a abertura dos portos brasileiros (1808). HiSTOReLo Revista de História Regional y Local, v. 09, n. 17, p. 471-506, 2017.

PAROLIN, M.; GUERREIRO, R. L.; KUERTEN, S.; MENEZES, H. R. Bacias Hidrográficas Paranaenses. In: PAROLIN, M.; VOLKMER-RIBEIRO, C.; LEANDRINI, J. A. (Orgs.). Abordagem ambiental interdisciplinar em bacias hidrográficas no Estado do Paraná, 2010.

PEREIRA, M. F. V; KAHIL, S. P. O território e as redes: considerações a partir das estratégias de grandes empresas. In: GERARDI, L. H. O.; CARVALHO, P. F. (Orgs.). Geografia: ações e reflexões. Rio Claro: UNESP/IGCE: AGETEO, 2006.

PERES, C. K.; BRANCO, C. C. Z.; KRUPEK, R. A. Distribuição ambiental e temporal das comunidades de macroalgas de riachos da Serra da Prata, Estado do Paraná, Sul do Brasil. Revista Brasil. Bot., v. 32, n. 4, p. 625-633, 2009.

PIERRI, N.; ANGULO, R. J.; SOUZA, M. C.; KIM, M. K. A ocupação e o uso do solo no litoral paranaense: condicionantes, conflitos e tendências. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 13, p. 137-167, 2006.

PORTO, M. F. S. Entre a Prevenção e a Precaução: riscos complexos e incertos e as bases de uma nova ciência da sustentabilidade. In: MIRANDA, A. C. et al. (Orgs.). Território, ambiente e saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, p. 143-157. 2008.

PORTO, M. F. A.; LA LAINA-PORTO, R. Gestão de bacias hidrográficas. Estud. av., São Paulo, v. 22, n. 63, p. 43-60, 2008.

RIGOTTO, R. Produção e consumo, saúde e ambiente: em busca de fontes e caminhos. In: MINAYO, M. C. S., MIRANDA, A. C. (Orgs.). Saúde e ambiente sustentável: estreitando nós [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, p. 233-260. 2002.

RODERJAN, C.V.; GALVÃO, F.; KUNIYOSHI, Y.S.; HATSCHBACH, G.G. As unidades fitogeográficas do Estado do Paraná. Ciência e Ambiente, v. 24, n. 1, p. 75-42, 2002.

SANTOS, M. Modo de produção técnico-científico e diferenciação espacial. Território, Rio de Janeiro, n. 6, p. 5-20, 1999.

SANTOS, M. A natureza do espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4 ed., São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

SILVEIRA, M. L. Região e globalização: pensando um esquema de análise. REDES, Santa Cruz do Sul, v. 15, n. 1, p. 74-88, 2010.

SVOLENSKI, A. C. Aspectos fitossociológicos e pedológicos de três superfícies de agradação do rio Guaraguaçu, litoral do Paraná. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2000.

TABARELLI, M.; PINTO, L. P.; SILVA, J. M. C.; HIROTA, M. M.; BEDÊ, L. C. Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica. Megadiversidade, Volume 1, N° 1, 2005.

TIEPOLO, L. M. A inquietude da mata atlântica: reflexões sobre a política do abandono em uma terra cobiçada. Guaju, Matinhos, v. 1, n. 2, p. 96-109, 2015.

TREMARIN, P. I.; LUDWIG, T. A. V.; MOREIRA FILHO, H. Thalassiosirales (Diatomacea) do rio Guaraguaçu, Bacia Litorânea, PR, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 22, n. 4, p. 1101-1113, 2008.

TUNDISI, J. G. Novas perspectivas para a gestão de recursos hídricos. Revista USP, São Paulo, n. 70, p. 24-35, 2006.

TUNDISI, J. G. Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. Estud. av., São Paulo, v. 22, n. 63, p. 7-16. 2008.

TUNDISI, J. G. Recursos hídricos no Brasil: problemas, desafios e estratégias para o futuro. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2014.

VIEIRA, P. F. Rumo ao desenvolvimento territorial sustentável: esboço de roteiro metodológico participativo. Eisforia, v. 1, n. 1, p. 249-309, 2003.

VIEIRA, P. F. Políticas ambientais no Brasil: do preservacionismo ao desenvolvimento territorial sustentável. Rev. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 8, n. 14, p. 27-75, 2009.

VIEIRA, P. F. Do desenvolvimento local ao ecodesenvolvimento territorial. R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianopolis, v. 10, n. 2, p. 119-141, 2013.

YABE, M. J. S.; OLIVEIRA, E. O. Metais pesados em águas superficiais como estratégia de caracterização de bacias hidrográficas. Química Nova, n. 21, p. 551-556, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-187

Refbacks

  • There are currently no refbacks.