Alimentação e modulação intestinal / Intestinal feeding and modulation

Natália Chagas de Oliveira, Marcos Vinícius Luz de Oliveira, Lara Barbosa de Souza, Francisco Sérvulo de Oliveira Carvalho, Remersson Thaysnan da Silva, Amanda Tavares Pinto Fernandes de Oliveira e Silva

Abstract


Microbiota são os microrganismos como bactérias, vírus e fungos que estão presentes em todo o corpo humano. Desde a concepção, a microbiota normal contribui no desenvolvimento, manutenção e função da barreira intestinal. Dá-se o nome disbiose ao quadro de desequilíbrio do microbioma que habita o intestino da espécie humana e qualquer alteração em sua composição. A alimentação é tida como um fator modulador direto da microbiota gastrointestinal, possuindo potencial para causar modificações em reações fisiológicas no ambiente intestinal. As interações entre a microbiota, substâncias químicas e substratos fermentativos são altamente influenciados pelo tipo de dieta, sendo assim, alterar a composição das refeições pode ser uma abordagem terapêutica para distúrbios gastrintestinais. Neste artigo descrevemos a atuação de componentes de dieta como moduladores intestinais e suas funções terapêuticas. Se tratando de uma revisão narrativa, a pesquisa foi realizada nas bases de dados Google Scholar, SciELO, Nutrition Reviews, Nature, The Science, The Lancet, PubMed, sem restrições de idiomas, e tendo como critério de inclusão publicações entre os anos de 2015 a 2019 com possibilidade de acesso integral do texto. Entender as interações da microbiota com a alimentação e os resultados dessas interações, se faz importante para se utilizar da alimentação como principal terapia na prevenção e tratamento de distúrbios e patologias que acometem os indivíduos.


Keywords


Microbiota, Dieta moduladora, Disbiose.

References


BAJAJ, Jasmohan S.. Alcohol, liver disease and the gut microbiota. Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology, v. 16, n. 4, p.235-246, 14 jan. 2019. Springer Nature. http://dx.doi.org/10.1038/s41575-018-0099-1

CANI, Patrice D. et al. Microbial regulation of organismal energy homeostasis. Nature Metabolism, v. 1, n. 1, p.34-46, jan. 2019. Springer Nature. http://dx.doi.org/10.1038/s42255-018-0017-4.

CHASSAING, Benoit et al. Dietary emulsifiers impact the mouse gut microbiota promoting colitis and metabolic syndrome. Nature, v. 519, n. 7541, p.92-96, 25 fev. 2015. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1038/nature14232.

CHEN, Kang et al. Specific inulin-type fructan fibers protect against autoimmune diabetes by modulating gut immunity, barrier function, and microbiota homeostasis. Molecular Nutrition & Food Research, v. 61, n. 8, p.1-35, 24 mar. 2017. Wiley. http://dx.doi.org/10.1002/mnfr.201601006.

CONRADO, Bruna Ágata et al. Disbiose Intestinal em idosos e aplicabilidade dos probióticos e prebióticos. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, n. 36, p. 71-78, abr. 2018.

COSTA, Deyse Anne Lima et al. PREVALÊNCIA DE SINAIS E SINTOMAS DE DISBIOSE INTESTINAL EM INDIVÍDUOS OBESOS ATENDIDOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO DE BRASÍLIA-DF. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo, v. 13, n. 80, p.488-497, maio 2019.

DAHIYA, Dinesh K. et al. Gut Microbiota Modulation and Its Relationship with Obesity Using Prebiotic Fibers and Probiotics: A Review. Frontiers In Microbiology, v. 8, p.1-17, 4 abr. 2017. Frontiers Media SA. http://dx.doi.org/10.3389/fmicb.2017.00563.

FULLER, Stacey et al. New Horizons for the Study of Dietary Fiber and Health: A Review. Plant Foods For Human Nutrition, Wollongong, v. 71, n. 1, p.1-12, 4 fev. 2016. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1007/s11130-016-0529-6.

GADELHA, Carlos Jorge Maciel Uchoa; BEZERRA, Alane Nogueira. Efeitos dos probióticos no perfil lipídico: revisão sistemática. J. vasc. bras., Porto Alegre , v. 18, e20180124, 2019 . Available from . access on 29 Oct. 2019. Epub Aug 15, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1677-5449.180124.

GALDINO, Janaina Juk et al. QUESTIONÁRIO DE RASTREAMENTO METABÓLICO VOLTADO A DISBIOSE INTESTINAL EM PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento: Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo, v. 10, n. 57, p.117-122, maio 2016.

GALL, Maude Le et al. Intestinal plasticity in response to nutrition and gastrointestinal surgery. Nutrition Reviews, v. 77, n. 3, p.129-143, 5 dez. 2018.

GOULET, Olivier et al. Potential role of the intestinal microbiota in programming health and disease: Figure 1. Nutrition Reviews, v. 73, n. 1, p.32-40, 14 jul. 2015.

GUADARRAMA-ORTÍZ et al. Probióticos: ¿coadyuvantes en el tratamiento médico?. Medicina Interna de México: Med Int Méx, México, v. 34, n. 4, p.574-581, 24 jun. 2018.

HEINRITZ, Sonja et al. Impact of a High-Fat or High-Fiber Diet on Intestinal Microbiota and Metabolic Markers in a Pig Model. Nutrients, v. 8, n. 5, p.317-333, 23 maio 2016. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/nu8050317.

HOLSCHER, Hannah D.. Dietary fiber and prebiotics and the gastrointestinal microbiota. Gut Microbes, Illinois, v. 8, n. 2, p.172-184, 6 fev. 2017.

KALANTAR-ZADEH, Kourosh et al. Intestinal gases: influence on gut disorders and the role of dietary manipulations. Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology, p.00-01, 13 set. 2019. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1038/s41575-019-0193-z

KOLODZIEJCZYK, Aleksandra A.; ZHENG, Danping; ELINAV, Eran. Diet–microbiota interactions and personalized nutrition. Nature Reviews Microbiology, p.1-12, 20 set. 2019. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1038/s41579-019-0256-8

MEDEIROS, Alessandra Cardozo; MAYNARD, Dayanne da Costa. A influência do microbioma intestinal no desenvolvimento de processos depressivos e o uso de probióticos como tratamento. 2019. 28 f. TCC (Graduação) - Curso de Nutrição, Faculdade de Ciências da Educação e Saúde Curso de Nutrição, Centro Universitário de Brasília – UNICEUB, Brasília, 2019.

MELO, Bárbara Rebeca Cordeiro de; OLIVEIRA, Raquel Sombra Basílio de. Prevalência de disbiose intestinal e sua relação com doenças crônicas não transmissíveis em estudantes de uma instituição de ensino superior de Fortaleza-CE. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo, v. 12, n. 74, p.767-775, nov. 2018.

MITSOU, Evdokia K. et al. Adherence to the Mediterranean diet is associated with the gut microbiota pattern and gastrointestinal characteristics in an adult population. British Journal Of Nutrition, v. 117, n. 12, p.1645-1655, 28 jun. 2017. Cambridge University Press (CUP). http://dx.doi.org/10.1017/s0007114517001593.

OLIVEIRA, A. M.; HAMMES, T.O. Microbiota e barreira intestinal: implicações para obesidade. Clin Biomed Res. Vol. 36. Num. 4. 2016. p. 222-229.

PASSOS, M.; MORAES-FILHO, J. Intestinal microbiota in digestive diseases. Arq Gastroenterol. Vol. 54. Num. 3. 2017. p. 255-262.

SABATINO, Alice et al. Intestinal Microbiota in Type 2 Diabetes and Chronic Kidney Disease. Current Diabetes Reports, v. 17, n. 3, p.1-2, mar. 2017. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1007/s11892-017-0841-z.

SILVA-JUNIOR, Vicente Lopes da et al. Obesity and gut microbiota - what do we know so far? Medical Express, v. 4, n. 4, p.1-11, 2017.

SONNENBURG, Justin L.; BÄCKHED, Fredrik. Diet–microbiota interactions as moderators of human metabolism. Nature, v. 535, n. 7610, p.56-64, jul. 2016. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1038/nature18846.

TENGELER, Anouk C; KOZICZ, Tamas; KILIAAN, Amanda J. Relationship between diet, the gut microbiota, and brain function. Nutrition Reviews, v. 76, n. 8, p.603-617, 28 abr. 2018.

TOMASELLO, Giovanni et al. Nutrition, oxidative stress and intestinal dysbiosis: Influence of diet on gut microbiota in inflammatory bowel diseases. Biomedical Papers, v. 160, n. 4, p.461-466, 12 dez. 2016.

ZMORA, Niv; SUEZ, Jotham; ELINAV, Eran. You are what you eat: diet, health and the gut microbiota. Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology, v. 16, n. 1, p.35-56, 27 set. 2018. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1038/s41575-018-0061-2.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-183

Refbacks

  • There are currently no refbacks.