Potencial fisiológico de sementes de Peltogyne confertiflora (Mart. Ex Hayne) Benth. por testes bioquímicos / Physiological potential of seeds of Peltogyne confertiflora (Mart. Ex Hayne) Benth. by biochemical tests

Cheila Deisy Ferreira, Anderson Marcos de Souza, Rosana de Carvalho Cristo Martins, Francisco das Chagas Vieira Sales, Antonio Lucineudo de Oliveira Freire, Amanda Silva da Costa

Abstract


O potencial fisiológico de sementes é tradicionalmente analisado pelo teste de germinação, que apesar de sua eficiência, o tempo necessário para conduzi-lo é um limitador, e para sanar esta limitação existem outros testes considerados rápidos. Com isso, objetivou-se avaliar potencial fisiologico de sementes de Peltogyne confertiflora por testes bioquímicos baseados na integridade das membranas. Foram realizados testes de germinação, condutividade elétrica e pH de exsudato, considerando quatro períodos de embebição, sendo zero (sem embebição), 30, 60 e 90 minutos, com 10 repetições de cinco sementes por tratamento. Os valores de condutividade elétrica diferiram estatisticamente entre os tratamentos, mas os resultados não foram compatíveis com o teste padrão de germinação e IVG. Quanto ao teste de pH de exsudato todos os tratamentos apresentaram solução variando a coloração entre rosa claro e rosa escuro, sugerindo que as sementes estavam de fato viáveis como constatado no teste de germinação. Com isso, conclui-se que nas condições experimentais, o teste de condutividade elétrica não foi adequado para estimativa do potencial fisiológico das sementes. Já o teste de pH de exsudato com uso das soluções indicadoras de fenolftaleína e carbonato de sódio pelo método colorimétrico mostrou-se eficiente na avaliação do vigor das sementes da referida espécie, porém, o tempo de embebição precisa ser aprimorado.


Keywords


Cerrado, condutividade elétrica, germinação, vigor de sementes.

References


ARAÚJO, A. V.; PINTO, M. A. D. S. M.; BARBOZA, V. R. S.; FERRAZ, A. P. F.; BRITO, A. C. V. Comportamento fisiológico de sementes de Annona squamosa L. sob os testes de condutividade elétrica e do pH do exsudato fenolftaleína. Enciclopédia Biosfera, v.10, n.19, p. 550-558, 2014.

ATAÍDE, G. M.; FLÔRES, A. V.; BORGES, E. E. L.; RESENDE, R. T. Adequação da metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de Pterogyne nitens Tull. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 4, n. 7, p. 635-640, 2012.

AVELINO, M. C. S.; FELIX, F. C.; SILVA, K. R. G.; ARAÚJO, F. S.; PACHECO, M. V. Testes bioquímicos de integridade de membranas na avaliação do vigor de sementes de Mimosa caesalpiniifolia Benth. Revista de Ciências Agrárias, v. 41, n. 1, p. 100-108, 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. – Brasília: Mapa/ACS, 2009.399 p.

CABRERA, A. C.; PESKE, S. T. Testes do pH do exsudato para sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes, v. 24, n. 1, p.134-140, 2002.

CASTILHO, I. M.; CATÃO, H. C. R. M.; CAIXETA, F.; MARINKE, L. S.; MARTINS, G. Z.; MENEZES, J. B. C. Teste de condutividade elétrica na avaliação do potencial fisiológico de sementes de grão-de-bico. Revista de Ciências Agrárias, v. 42, n. 3, p. 691-697, 2019.

DALANHOL, S. J.; REZENDE, E. H.; ABREU, D. C. A.; NOGUEIRA, A. C. Teste de condutividade elétrica em sementes de Bowdichia virgilioides Kunth. Floresta e Ambiente, v. 21, n. 1, p. 69-77, 2014.

FÉLIX-DA-SILVA, M. M.; BASTOS, M. N. C.; ELY SIMONE CAJUEIRO GURGEL, E. S. C. Aspectos taxonômicos e morfológicos do processo germinativo e da plântula de Peltogyne venosa subsp. densiflora (Spruce ex Benth.) M. F. Silva (Leguminosae – Caesalpinioideae). Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Nat., v. 4, n. 3, p. 291-302, 2009.

FRANCISCO, G. F.; CATÃO, H. C. R. M.; MARINKE, L. S.; CASTILHO, I. M.; OLIVEIRA, L. R.; CAIXETA, F. Condutividade elétrica de sementes de café em função do número de sementes e período de embebição. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 12, p.30816-30826, 2019.

GUOLLO, K.; POSSENTI, J. C.; FELIPPI, M.; QUIQUI, E. M. D.; LOIOLA, T. M. Avaliação da qualidade fisiológica de sementes florestais através do teste de condutividade elétrica. Colloquium Agrariae, v. 13, n.1, p.86-92, 2017.

ISTA. International rules for seed testing. Bassersdorf: International Seed Testing Association, 2017. 296 p.

LOBO, G. A. Ensaios para a validação de metodologias para germinação de diásporos de espécies arbóreas do cerrado. 2012. 60f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Biologia, Uberlândia, 2012.

LIMA, T. A.; PINTO, J. R. R.; LENZA, E. P.; PINTO, A. S. Florística e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea em uma área de cerrado rupestre no parque estadual da Serra de Caldas Novas, Goiás. Biota Neotropica, v.10, n.2, p.159-166, 2010.

MAGUIRE, J.D. Speeds of germination-aid selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v.2, p. 176-177, 1962.

MATOS, J. M. M.; MARTINS, R. C. C.; MARTINS, I. S. Caracterização do teste de pH de exsudato pelo método individual para avaliação da viabilidade de sementes de Copaifera langsdorffii Desf.. Heringeriana, v. 3, n. 1, p. 91-97, 2009.

Peltogyne na Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB83557 >. Acesso em: 29 abr. 2020

PRADO, J. P.; KRZYZANOWSKI, F. C.; MARTINS, C. C.; VIEIRA, R. D. Physiological potential of soybean seeds and its relationship to electrical conductivity. Journal of Seed Science, v.41, n.4, p.407-415, 2019.

ROBERTS, E.H. Predicting the storage life of seeds. Seed Science and Technology, v.1, p.499-514, 1973.

RIBEIRO, E. S.; VARGAS, L. E. P.; PAULA, M. H.; CAMPOS, A. N. Propriedades tecnológicas da espécie Peltogyne confertiflora (Mart. ex Hayne) Benth. Biodiversidade, v. 18, n. 1, p. 28-42, 2019.

SABNIS R. W. Handbook of Acid-Base Indicators. [S.l.]: CRC Press, 2007. ISBN 0849382181

SANTOS, L. A.; CARVALHO, I. R.; PINTO, C. C.; SZARESKI, V. J.; NETTO, J. F.; MEDEIROS, L. R.; MARTINS, A. B. N.; BILHALVA, N. S.; MARCHI, P. M.; PIMENTEL, J. R.; TROYJACK, C.; MENEGHELLO, G. R.; TUNES, L. V. M.; AUMONDE, T. Z.; PEDO, T.; VILLELA, F. A. Electrical conductivity test for measurement of white clover seeds vigor. Journal of Agricultural Science, v. 11, n. 12, p. 1 -10, 2019.

SOUTO, P. C.; GONÇALVES, E. P.; VIANA, J. S.; SILVA, J. C. A.; FERREIRA, D. T. R. G.; RALPH, L. N. Exudate - phenolphthalein pH test for evaluation of validity in seeds of Libidibia ferrea. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 91, n. 4, e20180734, 2019.

STALLBAUN, P. H.; SOUZA, P. A.; MARTINS, R. C. C.; MATOS, J. M. M.; MOURA, T. M. Testes rápidos de vigor para avaliação da viabilidade de sementes de Anadenanthera falcata. Enciclopédia Biosfera, v.11, n.21, p. 1834-1846, 2015.

SILVA, L. R. Desempenho germinativo e caracterização biométrica de sementes de diferentes matrizes de Pau Roxinho – Peltogyne confertiflora Benth. 2018. 40f. Monografia (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá-MT.

VASCONCELOS, A. D. M.; SCARDUA, F. P.; MARTINS, R. C. C.; SOUZA, A. M.; AMORIM, F. S. Viabilidade germinativa e condutividade elétrica em sementes de Amburana cearensis (Allemão) A.C Smith (Fabaceae). Revista Brasileira de Meio Ambiente, v. 7 n. 2. p.098-104, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-178

Refbacks

  • There are currently no refbacks.