A importância da manutenção das vias aéreas no paciente com angina de ludwig / The importance of airway maintenance in the patient with ludwig's angina

Walter Ferreira Marinho Neto, Andressa Lannay Lima Rodrigues, Carolina Chaves Gama Aires, Carolina Pereira da Silva, Leandro Pimentel Cabral, Ronaldo Gabriel Martiniano da Silva, Bernardo Parahyba de Araújo Pereira, Eugênia Leal de Figueiredo

Abstract


Introdução: A Angina de Ludwig (AL) desenvolve-se como uma celulite difusa que acomete os espaços peri mandibulares e normalmente está associada à órgãos dentários cariados e/ou não vitais. Após o diagnóstico, o tratamento inclui drenagem, manutenção das vias aéreas, antibioticoterapia e hidratação parenteral. Porém, o manejo das vias aéreas torna-se um desafio em razão da AL se espalhar rapidamente podendo culminar em asfixia e morte. Objetivo: Este estudo visa relatar através de um caso clínico a importância do manejo das vias aéreas em pacientes com Angina de Ludwig. Relato de Caso: Paciente do sexo masculino, 22 anos, compareceu a emergência do Hospital Unimed Recife – PE, Brasil, apresentando um aumento de volume em região submandibular direita decorrente de um abcesso dento-alveolar associado ao dente 47, compatível com Angina de Ludwig. Exames imaginológicos identificaram a presença de um abscesso volumoso obliterando o espaço parafaríngeo direito, estendendo-se para o espaço submandibular, sublingual e submentoniano, evidenciando um importante desvio da traquéia para o lado contralateral. Optou-se pela drenagem cirúrgica sob anestesia geral e em virtude dos achados clínicos o paciente foi submetido a uma intubação orotraqueal com auxílio de um fibroscópio vídeo assistido. O paciente foi encaminhado para a unidade de terapia intensiva (UTI), ainda entubado. Após 72 horas o tubo orotraqueal foi removido. Com melhora evidente, o paciente recebeu alta hospitalar após 7 dias. Foram realizadas as exodontias dos focos odontogênicos (elementos dentários 47 e 48). Discussão: Em casos de abordagem cirúrgica onde é preciso haver o manejo das vias aéreas dos pacientes, é imprescindível uma correta avaliação pré-operatória das vias aéreas para identificar um possível obstáculo em seu manuseio. Nesses casos, a tomografia computadorizada é de extrema relevância, pois permite fornecer achados que venham a dificultar o processo de restabelecimento aéreo. Quando a intubação oral com auxílio do laringoscópio falha, faz-se necessário o uso de equipamentos mais específicos como um fibroscópio flexível. Essa técnica é considerada o gold standard em vias aéreas difíceis em razão da sua eficiência, segurança e elevada taxa de sucesso. Conclusão: A avaliação pré-operatória adequada é essencial para dar ao profissional a segurança necessária ao manejar uma via aérea difícil.  Além disso, uma apropriada abordagem manual e terapêutica associada à agilidade no atendimento podem reduzir significativamente o risco de vida destes pacientes.

 


Keywords


Angina de Ludwig, Celulite, Intubação.

References


FIGUEIREDO EL et al. Cervical Necrotizing Fasciitis Caused by Dental Extraction. Case Reports in Dentistry, 2019; 6468348.

DOWDY RAE et al. Ludwig's Angina: Anesthetic Management. Anesth Prog., 2019; 66(2):103-110.

PARK S. et al. Ludwig’s Angina. Cureus, 2017; 9(8): e1588

GUTIÉRREZ CF, LAZO MA. Diagnóstico y tratamiento de la angina de Ludwig: reporte de un caso. Revista de Odontología Sanmarquina, 2020; 21(2): 141-6.

SHAKYA N et al. Epidemiology, Microbiology and Antibiotic Sensitivity of Odontogenic Space Infections in Central India. Journal of Maxillofacial and Oral Surgery, 2018; 17(3):324-331.

PARKER E, MORTIMORE G. Ludwig's angina: a multidisciplinary concern. British Journal of Nursing, 2019; 28(9): 547-551.

HEIM N et al. Microbiology and antibiotic sensitivity of head and neck space infections of odontogenic origin. Differences in inpatient and outpatient management. Journal of Cranio-Maxillofacial Surgery, 2017; 45(10):1731-1735.

BOSCOLO-RIZZO P et al. Deep neck infections: a study of 365 cases highlighting recommendations for management and treatment. European Archives of Otorhinolaryngology, 2012; 269: 1241-1249.

WEISE H et al. Severe odontogenic infections with septic progress - a constant and increasing challenge: a retrospective analysis. BMC Oral Health, 2019; 19(1):173

DIB JE et al. Angina de Ludwig com Evolução para Mediastinite. Relato de Caso. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial, 2016; 16(4):300-35.

FERNANDES SL et al. Complicações relativas às infecções odontogênicas: Angina de Ludwig. Journal of Multidisciplinary Dentistry, 2020; 10(1):46-1.

TUCUNDUVA MJAPS et al. Estudo imaginológico de um caso de Angina de Ludwig. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo, 2013; 25(2): 164-169.

JARDIM ECG et al. Infecções odontogênicas: relato de caso e implicações terapêuticas. Revista Odontológica de Araçatuba, 2011; 32(1): 40-43.

MARCHI GF et al. Dispositivos de fixação interna do esqueleto maxilofacial: surgimento e perspectivas futuras. Brazilian Journal of Development, 2020; 6(4): 20012-20016.

FELLINI RT et al. Manejo da via aérea na angina de Ludwig - um desafio: relato de caso. Revista Brasileira de Anestesiologia, 2017. 67(6): 637-640.

LÓPEZ-FERNÁNDEZ RM et al. Las infecciones odontogénicas y sus etapas clínicas: Odontogenic infections: clinical stages. Acta pediátrica México, 2016; 37(5): 302-305.

RABADI D et al. Correlação entre os formatos da orofaringe e hipofaringe e posicionamento em intubação endotraqueal difícil. Revista Brasileira de Anestesiologia, 2014; 64(6):433-437.

TAVARES SSS et al. Angina de Ludwig: revisão de literatura e relato de caso. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, 2009; 9(3): 9-14.

FRAZÃO DAL et al. Prevalência de intubação orotraqueal no serviço de emergência em hospital secundário do Distrito Federal. Brazilian Journal of Development, 2020; 6(6): 39137-39148.

LICÉAGA-ESCALERA CJ et al. Derivación submental, una alternativa para el manejo de la vía aérea en pacientes con trauma facial. Revista del Hospital Juárez de México, 2015; 82(3-4): 169-172.

RODRIGUES AZ et al. Intervenções cirúrgicas em tempos de coronavírus Revisão de literatura. Brazilian Journal of Development, 2020; 6(6):38104-38121.

SILVA CP et al. Intubação submentoniana para o manejo das vias aéreas em pacientes com fraturas complexas de face. Brazilian Journal of Development, 2020; 6(8): 63435-63443.

YUN HJ et al. Orotracheal intubation in a patient with difficult airway by using fiberoptic nasotracheal intubation: A case report. Journal of Dental Anesthesia and Pain Medicine, 2018; 18(2):125-128.

SOTO LV. Intubación guiada por fibroscopio flexible en una paciente con trauma raquimedular cervical, manejado por el servicio de anestesiología. Gaceta Médica Boliviana, 2013; 36(2): 93-95.

MIRANDA CMMV. (2018) Fibroscopia em via aérea difícil: a realidade do Centro Hospitalar do Porto. Dissertação [Mestrado integrado em Medicina] – Universidade do Porto, 33p.

GONZÁLEZ-GIRALDO D et al. Successful rescue with videolaryngoscopy after failed fibroscopy in anticipated difficult airway: case series. Revista Colombiana de Anestesiologia, 2020; 48(2): 96-99.

MOTA LAA et al. Complicações laringeas por intubação orotraqueal: revisão da literatura. International Archives of Otorhinolaryngology, 2012; 16(2): 236-245.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-176

Refbacks

  • There are currently no refbacks.