Avaliação do potencial antibacteriano e antifúngico de Maytenus ilicifolia (Mart. ex Reissek) oriunda da região do Bioma Pampa / Antibacterian and antiffungical potential evaluation of Maytenus ilicifolia (Mart. ex Reissek) oriunda of the Pampa Bioma region

João Olavo Severo de Vargas, Rafael Reis, Graciela Maldaner, Patrícia Albano Mariño, Ana Paula Simões Menezes

Abstract


A pesquisa pretendeu determinar as propriedades químicas e potencial biológico antibacteriano e antifúngico de Maytenus ilicifolia Mart ex Reissek oriunda da região do Bioma Pampa. As amostras do material vegetal e de solo foram coletadas no município de Dom Pedrito/RS, distante a 442Km da capital do estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, sendo a coleta realizada na zona rural (coordenadas geográficas S 30° 53’ 17.9” e WO 54° 29’ 45.2”), no período de setembro do ano de 2016. Foram preparados extratos aquosos (EAMi) e hidroalcoólicos (EOHMi) nas concentrações de 1,5%, 3% e 6%. As análises dos extratos foram com base na determinação qualitativa de alcalóides, flavonoides, glicosídeos antraquinônicos, saponinas e taninos segundo protocolos clássicos. Análise físico-químicas de solo seguiu normas da ROLAS. A M. ilicifoia, após coleta e identificação foi depositada no Herbáio Nicanor Risch da URCAMP-código 00014.Para avaliação da atividade antimicrobiana foram utilizadas cepas padrões de Escherichia coli (ATCC 25922), Pseudomonas aeruginosa (ATCC 27583), Staphylococcus aureus (ATCC29923); e o fungo Candida albicans foi proveniente de amostra clínica. O meio de ágar Müeller-Hinton (MHA) foi utilizado para o cultivo de bactérias, e MHA com 2% de glicose foi utilizado para o cultivo de leveduras. A M. ilicifolia Mart. ex Reissek da região do Bioma Pampa apresentou atividade contra bactérias patogênicas. Análise fitoquímica das amostras apresentou positividade para metabólitos alcaloides, flavonoides, saponinas e taninos. Amostras de solo caracterizaram-no como ácido. Os extratos da planta mostraram inibição do crescimento bacteriano para S. aureus (EAMi 6%, halo de inibição 15mm; e EOHMi 1,5%; 3% e 6%, com halos de 15mm, 17mm e 19mm, respectivamente) e P. aeruginosa (EAMi apresentou diminuição da densidade bacteriana através de escala de observação visual para todas concentrações testadas, e EOHMi 1,5%; 3% e 6%, com halos de 14mm; 21mm e 23mm, respectivamente), sendo observado no ensaio maior efeito antibacteriano para EOHMi. Pouca ou ausente resposta foi observada para inibição do crescimento de E.coli e nenhum dos extratos mostrou atividade antifúngica para C. albicans.


Keywords


Maytenus ilicifolia, atividade biológica, antimicrobiano, fitoquímica

References


BARBIERI, R.L. et al. Uso, Valoração e experiências exitosas com Recursos Genéticos Vegetais no Cerrado, Caatinga e Pampa. In: RECURSOS GENÉTICOS DO BIOMA PAMPA, Belém, PA . Anais da Sociedade Brasileira de Recursos Genéticos. Congresso Brasileiro de Recursos Genéticos.2012.

BATISTA, L.M.; VALENÇA, A.M.G. A fitoterapia no âmbito da atenção básica no SUS: realidades e perspectivas. Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada,v.12, p.293-296, 2012.

BLACK, J.G. Microbiologia: fundamentos e perspectivas. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 829p.

BOLDRINI, I.I. et al. Bioma Pampa: Diversidade florística e fisionômica. Porto Alegre: Pallotti, 2010. 64 p.

BRAGA, F.G. et al. Antileishmanial and antifungal activity of plants used in traditional medicine in Brazil. Journal of Ethnopharmacology, v.111, p.396–402, 2007.

BRANDÃO, M.G.L. et al. Medicinal plants and other botanical products from the Brazilian Official Pharmacopeia. Revistta Brasileira de Farmacognosia, v.16, p.408-420, 2006.

BRASILa. Ministério da Saúde. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. 1ª Edição . 60 p. Brasília, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf. Acesso em: 18 dez 2019.

BRASILb. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira. 1ª Edição. 126 p. Brasília: 2011. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33832/259456/Formulario_de_Fitoterapicos_da_Farmacopeia_Brasileira.pdf/c76283eb-29f6-4b15-8755-2073e5b4c5bf. Acesso em: 18 dez. 2019.

BRIÃO, D. et al. Utilização de plantas medicinais em um município inserido no bioma pampa brasileiro. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v.14, n.2, p.206-219, 2016.

COLACITE, J. Triagem fitoquímica, análise antimicrobiana e citotóxica e dos extratos das plantas: Schinusterebinthifolia, Maytenusilicifolia REISSEK, Tabebuia avellanedae, Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan. Revista Saúde e Pesquisa, v.8, n.3, p.509-516, 2015.

CUNICO, M.M. et al. Contribuição ao estudo da atividade antifúngica de Maytenusilicifolia Mart exReiss., Celastraceae. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.12, n.2, p.69-73, 2002.

ESTEVAM, C.S. et al. Perfil fitoquímico e ensaio microbiológico dos extratos da entrecasca de Maytenusrigida Mart. (Celastraceae). Revista Brasileira de Farmacognosia, v.19, p.299-303, 2009.

FERREIRA-FILHO P.M. et al. lyophilized aqueous extract of Maytenus ilicifolia leaves inhibits histamine-mediated acid secretion in isolated frog gastric mucosa. Planta, v.219, n.2, p.319-24, 2015.

FIGUEIREDO, D.Q. et al. Detecção de metalo-betalactamases em amostras hospitalares de Pseudomonasaeruginosa e Acinetobacterbaumannii. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v.45, n.3, p.177-84, 2009.

GOBBO-NETO, L.; LOPES, N.P. Plantas medicinais: fatores de influência no conteúdo de metabólitos secundários. Química nova, v.30, n.2, p.374-381, 2007.

HÖFLING, J.F.; GONÇALVES, R.B. Microscopia de Luz em Microbiologia, Morfologia Bacteriana e Fúngica. 1ª.edição. Porto Alegre: Artmed, 2008.246 p.

KONEMAN, E.W. et al. Diagnóstico Microbiológico: Texto e Atlas Colorido. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 1860 p.

LORENZI, H.; MATOS, F.J.A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas.ed.Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002. 270 p.

MABE, K. et al.In vitro and in vivo activities of tea catechinsagainistHelicobacter pylore.Antimicrobial Agents Chemotherapy, v.43, n.7, p.1788-1791. 1999. Disponível em: Acesso em: 02 dez. 2016.

MARIOT, M.P.; BARBIERI, R.L. Divergência genética entre acessos de espinheira-santa (Maytenusilicifolia Mart. exReiss. e M. aquifolium Mart.) com base em caracteres morfológicos e fisiológicos. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.12, p.243-249, 2010.

MORAIS, L.A.S. Influência dos fatores abióticos na composição química dos óleos essenciais. Horticultura Brasileira, v.2, n.2, p.4050-4063, 2009.

MOUCO, G.; BERNARDINO, M.J.; CORNÉLIO, M. Controle de qualidade de ervas medicinais. Revista Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, ed. julho-dezembro. p. 68-73. 2003.

NEVES, P.R. et al. Pseudomonasaeruginosa multirresistente: um problema endêmico no Brasil. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v.47, n.4, p.409-20, 2011.

OSTROSKY, E. A. et al. Métodos para avaliação da atividade antimicrobiana e determinação da concentração mínima inibitória (CMI) de plantas medicinais. Revista Brasileira de Farmacognosia, 18(2): p.301-307, 2008.

PASSARI, L.M.Z.G. Estudos quimiométricos dos efeitos do solvente e da sazonalidade nos metabólitos secundários da Mikanialaevigata. 2014. Tese(Doutorado em Ciências) - Instituto de Química, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

PINA-VAZ, C.; et al. Antifungal activity of Thymus oils and their major compounds.Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology,v.18, n.1, p.73-78, 2004.

PORTILLO, A. et al. Antifungal activity of Paraguayan plants used in traditional medicine.Journal of Ethnopharmacology, v.76, p.93–98, 2001.

SÁNCHEZ, M.E. et al. Surface activity of thymol: implications for an eventual pharmacological activity. Colloids Surf B: Biointerfaces, v.34, n.2, p.77-86, 2004.

SANTOS-FILHO, L.et al. Determinação da produção de metalo-b-lactamases em amostras de Pseudomonasaeruginosa isoladas em João Pessoa, Paraíba. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v.38, n.4, p.291-6, 2002.

SANTOS, S. C.; MELLO, J. C. P. Taninos. In: SIMÕES, C. M. O.; MELLO, J. C. P.; MENTZ, L. A.; PETROVICK, P. R. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 2.ed. Florianópolis: Ed. da UFSC; Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2004. cap.2. p. 29-43.

HARMA, H.L.; SHARMA, H.K. Principles of Pharmacology.Ed. Paras Medical Publisher, Hyderabad.2007. 412–414p.

SIMÕES, C. et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 6.ed. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2010. 1104p.

SINGH, B.; DUBEY, M. M. Estimation of triterpenoids from Heliotropiummaifolium Kohen ex Retz in vivo and in vitro: antimicrobial screening. PhytotherapyResearch, v.15, n.3, p.231-234, 2001.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO (SBCS). Comissão de Química e Fertilidade do Solo - RS/SC. Manual de adubação e de calagem: para os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Porto Alegre: 2004. 404p.

SOUZA, S.A.M. et al.Atividade alelopática e citotóxica do extrato aquoso de espinheira-santa (Maytenusilicifoliamart. exreiss.). Publicatio UEPG: Ciências Biológicas e da Saúde,v.11, p.7-14, 2005.

TEDESCO, M.J. et al. Análises de solo, plantas e outros materiais,(Boletim técnico, 5) 2.ed. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1995.174p.

URSO, V. et al. Medicinal and food plants used by communities living in Mopane woodlands of southern Angola: Results of an ethnobotanical field investigation. Journal of Ethnopharmacol, v.177, p.126-139, 2016.

VENTURA, P.A.O. et al. Análise fitoquímica e avaliação da susceptibilidade antimicrobiana de diferentes tipos de extratos de Plantago major L. (Plantaginaceae). Infarma-Ciências Farmacêuticas, v.28, n.1, p.33-39, 2016.

ZANOL, F. M.; PICOLI, S. U.; MORSCH, F. Detecção fenotípica de metalobetalactamase em isolados clínicos de Pseudomonasaeruginosa de hospitais de Caxias do Sul. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v.46, n.4, p.309-14, 2010.

ZUANAZZI, J. A. S.; MONTANHA, J. A. Flavonoides. In: SIMÕES, C. M. O. (Ed.2) Farmacognosia: da planta ao medicamento. Florianópolis: Ed. da UFSC; Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2004. cap.23. p.577-614.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-173

Refbacks

  • There are currently no refbacks.