Avaliação morfológica do esôfago do Veado Catingueiro (Mazama gouazoubira, Fischer, 1814) / Morphological evaluation of the catinguish veado esophage (Mazama gouazoubira, Fischer, 1814)

Bruna Carolina Ulsenheimer, Orestes Moraes Cabeleira, Volnei Teixeira, Cristiane Elise Teichmann

Abstract


Nesta pesquisa, foram sincronizados os parâmetros morfológicos anatômicos do esôfago de dois exemplares do Veado Catingueiro ( Mazama gouazoubira , FISCHER, 1814), uma espécie de cervídeos nativa, que possui preservação protegida por lei em nosso estado, Rio Grande do Sul, Brasil. Para fins didáticos, a utilização de órgãos destes animais, só é quando esses acidentes e acabam vindo a óbito. O esôfago do Veado Catingueiro, ainda não teve sua morfologia obtida, tanto quanto é de nosso conhecimento. Procedemos portanto, com um trabalho que faz uma descrição preliminar da morfologia: anatômica e histológica, buscando fornecer uma visão dos parâmetros normais desta estrutura morfológica do esôfago em animais nativos / silvestres.Fragmentos da região cervical do esôfago do cervídeo foram colhidos e posteriormente fixados e processados, conforme a rotina histológica, com coloração clássica, de Hematoxilina e Eosina para microscopia de luz. Ao analisar os tecidos, foram observadas quatro camadas que combinam o órgão, mucosa, submucosa, muscular e adventícia. A camada mucosa, é formada pelo epitélio escamoso estratificado levemente queratinizado, com lâmina própria sub epitelial estreita. A camada submucosa, por um tecido conjuntivo bem vascularizado, denso, com esparsas glândulas esofágicas.A camada muscular, possui uma camada muscular interna longitudinal com fibras estriadas cortadas transversalmente e outras não sentido oblíquo, com núcleos periféricos, e mais espessa que uma camada muscular circular externa com fibras musculares estriadas aparecem cortadas no plano longitudinal. Já a camada adventícia, mantêm as características típicas deste tecido, com a presença de vasos sanguíneos e células adiposas, além de nervos. muscular e adventícia. A camada mucosa, é formada pelo epitélio escamoso estratificado levemente queratinizado, com lâmina própria sub epitelial estreita. A camada submucosa, por um tecido conjuntivo bem vascularizado, denso, com esparsas glândulas esofágicas. A camada muscular, possui uma camada muscular interna longitudinal com fibras estriadas cortadas transversalmente e outras não sentido oblíquo, com núcleos periféricos, e mais espessa que uma camada muscular circular externa com fibras musculares estriadas aparecem cortadas no plano longitudinal. Já a camada adventícia, mantêm as características típicas deste tecido, com a presença de vasos sanguíneos e células adiposas, além de nervos. muscular e adventícia. A camada mucosa, é formada pelo epitélio escamoso estratificado levemente queratinizado, com lâmina própria sub epitelial estreita. A camada submucosa, por um tecido conjuntivo bem vascularizado, denso, com esparsas glândulas esofágicas. A camada muscular, possui uma camada muscular interna longitudinal com fibras estriadas cortadas transversalmente e outras não sentido oblíquo, com núcleos periféricos, e mais espessa que uma camada muscular circular externa com fibras musculares estriadas aparecem cortadas no plano longitudinal. Já a camada adventícia, mantêm as características típicas deste tecido, com a presença de vasos sanguíneos e células adiposas, além de nervos. A camada submucosa, por um tecido conjuntivo bem vascularizado, denso, com esparsas glândulas esofágicas. A camada muscular, possui uma camada muscular interna longitudinal com fibras estriadas cortadas transversalmente e outras não sentido oblíquo, com núcleos periféricos, e mais espessa que uma camada muscular circular externa com fibras musculares estriadas aparecem cortadas no plano longitudinal. Já a camada adventícia, mantêm as características típicas deste tecido, com a presença de vasos sanguíneos e células adiposas, além de nervos. A camada submucosa, por um tecido conjuntivo bem vascularizado, denso, com esparsas glândulas esofágicas. A camada muscular, possui uma camada muscular interna longitudinal com fibras estriadas cortadas transversalmente e outras não sentido oblíquo, com núcleos periféricos, e mais espessa que uma camada muscular circular externa com fibras musculares estriadas aparecem cortadas no plano longitudinal. Já a camada adventícia, mantêm as características típicas deste tecido, com a presença de vasos sanguíneos e células adiposas, além de nervos. e mais espessa que uma camada muscular circular externa contém fibras musculares estriadas aparecem cortadas no plano longitudinal. Já a camada adventícia, mantêm as características típicas deste tecido, com a presença de vasos sanguíneos e células adiposas, além de nervos. e mais espessa que uma camada muscular externa circular contém fibras musculares estriadas aparecem cortadas no plano longitudinal. Já a camada adventícia, mantêm as características típicas deste tecido, com a presença de vasos sanguíneos e células adiposas, além de nervos.


Keywords


Animais silvestres, morfologia, segmentos histológicos, avaliação microscópica.

References


ANTUNES, A. M. P. Sistema Digestório de Ruminantes- UNESP. Disponível em: http://www2.ibb.unesp.br/departamentos/Morfologia/material_didatico/Profa_Maeli/Aulas_Bio/seminarios/seminario_ruminantes.pdf. Data de acesso: 26/06/2016

BACHA JR, W. J.; BACHA, L. M. Atlas Colorido de Histologia Veterinária. Editora Rocca, 2ª edição. p. 214-218, 2003.

CASTRO, J. C., et al., Anatomo-histologia do esôfago da rã touro (Rana catesbeiana Shaw, 1802). Revista Brasileira de Saúde Produção Animal, v. 9, n. 1, p. 130-139, jan/mar, 2008.

Comissão de defesa do consumidor, meio ambiente e minorias. Projeto de lei nº 1.153-A, de 1995 (apenso o PL 3.964, de 1997). Regulamenta o inciso VII, do parágrafo 1º do artigo 225, da constituição federal, que estabelece procedimentos para o uso científico de animais, e dá outras providências. Projeto de lei sobre pesquisa em animais. Aprovado na câmara de deputados, 25 de junho de 2003. Disponível em: https://www.ufrgs.br/bioetica/pl1153.htm. Acessado em: 22/05/2020.

CUBAS, Z. S.; SILVA, J. C.; CATÃO-DIAS J. L. Tratado dos Animais Selvagens. Editora Roca, São Paulo. 2007, p. 641.

DELLMAN, H. D.; BROWN, E. M.; Histologia Veterinária. Editora Guanabara Koogan S. A., Rio de Janeiro, p. 178-181, 1982.

DUARTE, J. M. B.; PIOVEZAN, U.; ZANETTI, E. S.; RAMOS, H. G. C. Espécies de Cervídeos Brasileiros Não Ameaçadas de Extinção. In: DUARTE, J. M. B.; REIS, M. L. Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Cervídeos Ameaçados de Extinção. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, p. 20-27, 2012.

QUESSADA, A. M. Patologia cirúrgica do esôfago em pequenos animais. Uma Revisão. Ciência rural, Santa Maria, v. 23, n. 2, p. 249-255, 1993.

RAYMUNDO, M. M.; GOLDIM, J. R. O uso de animais em pesquisas científicas. Acesso em, v. 11, 2013.

ROTTA, I. T.; RÖNNAU, M. Comparação histológica entre a região cervical do esôfago de cateto ( Tayassu tajacu LINNAEU - 1758) e de javali (Sus scrofa scrofa LINNAEU-1758) Universidade Federal do Paraná, Palotina - PR Braz. J. vet. Res. anim. Sci., São Paulo, v. 43, n. 6, p. 762-766, 2006.

SILVA, A. J. et. al., Descrição, topografia e aspectos clínicos do esôfago (em vídeo). Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2009. Disponível em: http://www.eventosufrpe.com.br/jepeX2009/cd/resumos/R1215-1.pdf . Acessado em: 26 de maio de 2019.

SILVA, F. Mamíferos Silvestres. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1984.

TIEPOLO, L. M. & TOMAS, W. M. Ordem Artiodactyla, p. 283-300. In: Reis N.R.

PERACCHI, A. L.; PEDRO, W. A.; LIMA I. P. Mamíferos do Brasil. Universidade Estadual de Londrina Vol.1, 2006. Disponível em




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-167

Refbacks

  • There are currently no refbacks.