Irrigação por gotejamento subsuperficial e pulsos na produção de tomate de mesa / Subsuperficial drip irrigation and pulses drip irrigation tomato production

João Marcelo Silva do Nascimento, Anita Cristina Costa da Silva, Adriano Valentim Diotto, Luiz Antônio Lima, Mayra Carolina de Oliveira

Abstract


Objetivou-se nesse trabalho avaliar o efeito da frequência de aplicação de água e uso da irrigação por gotejamento subsuperficial na cultura do tomate de mesa em lavoura comercial. O experimento foi implantado em Ingaí (MG) utilizando um delineamento experimental inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2x2 com duas técnicas de irrigação (gotejamento superficial e gotejamento subsuperficial) e duas frequências de irrigação (irrigação contínua e por pulsos) com seis repetições. A irrigação por pulsos consistiu na divisão da lâmina de irrigação diária, em seis vezes, com intervalos iguais de descanso e aplicação de água. Foram avaliados o potencial mátrico e variáveis de produção. Como resultado: O potencial mátrico do solo apresentou comportamento similar em função das profundidades 0,10; 0,30 e 0,50m. A produtividade comercial (20,78 kg.m-3), produção total (21 kg.m-3) a massa média de frutos (113 g) e o número médio de frutos por planta (26) não tiveram diferenças para uso da irrigação superficial, subsuperficial, contínua ou pulsos e suas interações. Não foram observadas diferenças estatísticas significativas em aplicar lâmina de irrigação de 151 de modo contínuo, em 6 pulsos por irrigação, superficial ou subsuperficial. O uso da irrigação contínua e a irrigação por pulsos não ocasionou diferenças estatísticas quantitativas para as variáveis de produção do tomate de mesa.


Keywords


irrigação localizada, gerenciamento da irrigação, tensiômetros

References


BRASIL. DECRETO Nº 7.030, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009. Promulga a Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, concluída em 23 de maio de 1969, com reserva aos Artigos 25 e 66. Brasília, 14 de dezembro de 2009; 188o da Independência e 121o da República. Disponível Em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7030.htm>. Aceso em: 15 Out. 2017.

______. LEI Nº 9.474, DE 22 DE JULHO DE 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. Brasília, 22 de julho de 1997; 176º da Independência e 109º da República. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9474.htm>. Acesso em: 20 Out. 2017.

ACNUR. O que é a Convenção de 1951? Publicado em: 2016. Disponível em:. Acesso em:05 de out. 2017.

ACNUR. FridtjofNansen. Publicado em 2016. Disponível em:.Acesso em 26 set 2017.

ACNUR. Breve histórico do ACNUR. Publicado em: 2016. Disponível em: . Acesso em 23 out 2017.

ACCIOLY, Hildebrando. Manual de Direito Internacional Público. 20° Edição, Editora Saraiva, 2012, São Paulo.

ABELLÁN, Lúcia. Comissão Europeia inicia punição a três países por recusa de refugiados. Publicado em: 13 jun 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 Out. 2017.

ANNONI, Danielle(organizadora). Os Novos Conceitos do Direito Internacional. América Jurídica, 2002.

ARAUJO, Nádia de; ALMEIDA, Guilherme Assis de. O Direito Internacional dos Refugiados: Uma Perspectiva Brasileira. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

BARATA, Clara. Publicado em: 16 fev. 2016. Países que não querem receber refugiados têm plano B para fechar fronteiras. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2017.

BARRETO, Luiz Paulo Teles Ferreira. Publicado em: 2010. Refúgio no Brasil –A proteção brasileira aos refugiados e seus impactos na nas Américas. Disponível em: . Acesso em 26 set. 2017.

CALDEIRA, João Paulo; ABRÃO, Paulo. A declaração de Cartagena e a Proteção dos Refugiados. Publicado em 19 mar.2014. Disponível em: https://jornalggn.com.br/noticia/a-declaracao-de-cartagena-e-a-protecao-aos-refugiados. Acesso em 25 set. 2017.

SILVA, Bruno Izaías da.. Tratado de Versalhes. Publicado em 2008. Disponivel em: . Acesso em 25 set. 2017.

GODINHO, Thiago José Zanini. Elementos de Direito Internacional Publico e Privado. São Paulo: Atlas, 2010.

GUERRA, Sidney. Curso de Direito Internacional Público. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

GUERRA, Mariana. Os refugiados na ótica do ordenamento jurídico brasileiro. Publicado em: Dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2017.

JUBILUT, Liliana Lyra. O direito internacional dos Refugiados e sua aplicação no ordenamento jurídico brasileiro. São Paulo: Ed. Método, 2007.

SANTIAGO, Jaime Ruiz de. Os direitos humanos dos refugiados no Brasil. Boletim da Sociedade Brasileira de Direito Internacional, ano XLV-XLVI, Dezembro 1992/Maio 1993.

LUZ FILHO, José Francisco Sieber. Non-refoulement: breves considerações sobre o limite jurídico à saída compulsória do refugiado. In: ARAUJO, Nadia de; ALMEIDA, Guilherme Assis de. (coords.) O direito internacional dos Refugiados: uma perspectiva brasileira. Rio de Janeiro: Renovar,2001.

MONT'ALVERNE, Tarin Cristino Frota; PEREIRA, Ana Carolina Barbosa. Refugiados ambientais e tutela jurídica internacional: algumas considerações. Brasília: Revista de Direito Internacional, 2012.

PAULA, Bruna Vieira de. O PRINCÍPIO DO NON-REFOULEMENT, SUA NATUREZA JUS COGENS E A PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS REFUGIADOS. Publicado em: 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2017.

REZEK, José Francisco. Direito Internacional Público-Curso Elementar. 8ª. ed.São Paulo: Saraiva, 2000.

RUETHER, Graça Magalháes. Países da União Europeia violam tratados em comum ao recusarem refugiados. Publicado em: 03 set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2017.

Saadeh, Cyro;Eguchi, Mônica Mayumi. Convenção Relativa ao Estatuto dos Refugiados- Protocolo sobre o Estatuto dos Refugiados. Disponível em: . Acesso em: 26 set 2017.

SOARES, Carina de Oliveira. A extradição e o principio de não-devolução( non-refoulement) no direito internacional dos refugiados. Publicado em: mai.2011. Disponível em:. Acesso em 25 set. 2017.

TERRA.COM.Hungria trata grupo como animais; países rejeitam refugiados. Publicado em: 11 set. 2015. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2017.

UNHCR. Refúgio no Mundo – Histórico. Publicado em: 2016. Disponível em: . Acesso em 26 set. 2017.

UOL.COM. Eslovênia adota legislação que permite recusar refugiados na fronteira. Publicado em: 26 jan 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-135

Refbacks

  • There are currently no refbacks.