Posicionamento competitivo e contexto de referência: movimentos isomórficos e de diferenciação / Competitive positioning and reference context: isomorphic and differentiation movements

Jorge Uberson Pereira, Daniel Ferreira dos Santos, Arnaldo Luis Darg Moreira, Aguinaldo Ferreira dos Santos

Abstract


Com a consolidação da globalização, intensificou-se o debate sobre quais características, competências e estratégias são necessárias para o sucesso e longevidade das organizações de bens e serviços. Esse cenário tem colaborado para o crescimento da turbulência ambiental nos últimos anos e deriva do aumento da freqüência de mudanças que atingem as organizações e da aceleração da velocidade de difusão delas (ANSOFF; McDONNEL, 1993). De acordo com GIMENEZ (2000) existe um esforço para compreensão de temas voltados ao estudo da formulação e implementação de estratégias nas empresas. Disso resulta um aumento no número de estudos empíricos sobre comportamento estratégico em pequenas e médias empresas. Partindo destas informações, a pesquisa apresentada tem a intenção de investigar posicionamento competitivo, tendo como base de referência a teoria institucional. O objetivo geral visa identificar a presença de movimentos isomórficos e de diferenciação nas empresas de vários setores e o relacionamento com o contexto de referência (local, regional, nacional e internacional). A coleta dos dados ocorreu com alunos de pós-graduação na cidade de Curitiba, com o preenchimento de questionário que procurou identificar o posicionamento competitivo atual e pretendido das empresas onde estes alunos trabalham em relação aos seus concorrentes. O questionário abordou também o contexto ambiental de referência das empresas (local, regional, nacional ou internacional). Os dados mostraram que num contexto de referência mais abrangente (internacional e nacional), o movimento predominante na estratégia pretendida é de diferenciação. Já para o movimento de aproximação dos concorrentes (isomorfismo), o contexto de referência ficou dividido entre local e nacional. Os resultados obtidos na análise dos dados apontam relação significativa entre o movimento competitivo e o contexto de referência das empresas.


Keywords


Movimentos isomórficos, Globalização, Competição

References


ANSOFF, H. I.; MACDONNEL, E. J. Implantando Administração Estratégica. São Paulo: Atlas, 1993.

BARBOSA, S. L. Padrões de competitividade e estratégias organizacionais na indústria moveleira do Paraná. Curitiba, 2001: Dissertação de Mestrado em Administração, UFPR.

BASTOS, A. V. B. BORGES-ANDRADE, J. E. Nota Técnica: cognição e aça: o ator ocupa a cena nos estudos organizacionais. IN: CLEGG, S.R.; HARDY, C.; NORD, W.R. Handbook de estudos organizacionais. V. 3. São Paulo: Atlas, 2004.

BETHLEM, A. Os conceitos de política e estratégia. RAE, Rio de Janeiro: FGV, v. 21, n. 1, p. 7-15, jan-mar. 1981.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A Construção Social da Realidade: Tratado de Sociologia do Conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1985.

CABRAL, A. C. A. A evolução da estratégia: em busca de um enfoque realista. In: XXII ENANPAD, 22º, Anais..., Foz do Iguaçu: ANPAD, set. 1998.

COCHIA, C. B. R. Contexto ambiental, esquemas interpretativos e posicionamento estratégico: um estudo em pequenas empresas paranaenses. Curitiba, 2002, 205 p. Dissertação de mestrado em administração, UFPR, 2002.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective racionality in organizational fields. American Sociological Review, v. 48, n. 2, p. 147-169, 1983.

FAHEY, L.; RANDALL, R. M. MBA curso prático: estratégia. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999. p. 67-99.

FONSECA, V. S.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Conversações entre abordagens da estratégia em organizações: escolha estratégia, cognição e instituição. Organizações & Sociedade, v 9, n. 25, p. 93-109, 2002.

GHEMAWAT, P. A estratégia e o cenário dos negócios: texto e casos. Porto Alegre: Bookman, 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

GIMENEZ, F. A. P. O estrategista na pequena empresa. Maringá: edição do autor, 2000.

GIMENEZ, F. A. P.; GRAVE, P. S. Dinamismo ambiental e escolha estratégica: uma abordagem cognitiva. Comportamento Organizacional e Gestão, v. 8, n. 2, p. 211-223, 2002.

GONÇALVES, C. (Orgs.). Administração estratégica: múltiplos enfoques para o sucesso empresarial. Belo Horizonte: UFMG/CEPEAD, 2001. p. 21-33.

GRAVE, P. S.; MENDES, A. A. Pensamento Estratégico Contemporâneo: Possíveis fundamentos antigos da estratégia como uma medida administrativa atual ou em busca ao elo perdido? In: XXV ENANPAD, 25º, Anais... Campinas: ANPAD, set. 2001. 15 p.

HATCH, M. J. Organization Theory: modern, symbolic and postmodern perspectives. Oxford: Oxford University Press, 1997.

KONDRA, A. Z.; HININGS, C. R. Organizational diversity and change in institutional theory. In: Organzation Studies, 19/5, p. 743-767, 1998.

LAROCHE, H.; NIOCHE, J. P. L'approche cognitive de la stratégie d'entreprise. Revue Française de Gestion, p. 64-78, Juin./Juil./Août. 1994.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; GONÇALVES, S. A. Nota técnica: a teoria institucional. In: CLEGG, Stewart R. et al. Handbook de estudos organizacionais, v.1. São Paulo: Atlas, p. 220-226, 1998.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S.; FERNANDES, B. H. R. In: VIEIRA, Marcelo M. Falcão; OLIVEIRA, Lúcia M Mudança e estratégia nas organizações: perspectivas cognitiva e institucional. Administração contemporânea. São Paulo: Atlas, 1999. p. 102-118.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S. In: VIEIRA, M. M. Competitividade organizacional: conciliando padrões concorrenciais e padrões institucionais. Administração contemporânea. São Paulo: Atlas, 1999. p. 29-39.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S. Competitividade Organizacional: uma tentativa de reconstrução analítica. Organizações e Sociedade, v. 04, n. 7, p. 97-114, 1996.

MEIRELLES, A. M. O planejamento estratégico no Banco Central do Brasil e a viabilidade estratégica em uma unidade descentralizada da autarquia: um estudo de caso. Dissertação de mestrado em Administração – CEPEAD/FACE/UFMG, Belo Horizonte: UFMG, 1995.

MEYER, J.; BOLI, J.; THOMAS, G. M. Ontology and rationalization in the western cultural account. In: SCOTT, Richard W.; MEYER, John W. Institutional Environments and Organizations. London: Sage Publications, 1994.

MEYER, J.; ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structures as myth and ceremony. Chicago: American Journal of Sociology, v.83, n.2, p. 340-363, 1977.

MICHEL, K. Esboço de um programa de desenvolvimento administrativo intrafirma para a administração estratégica. In: ANSOFF, H.1990.

MINTZBERG, H.; QUINN, J. B. The Strategy Process: Concepts, Contexts and Cases. 2. ed. Englewood Cliffs: Prentice-Hall International, Inc., 1991.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman Companhia Editora, 2000.

MINTZBERG, H.; QUINN, J. B. O processo de estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2001.

RAMOS, S. C.; GIMENEZ, F. A. P; FERREIRA, J. M. Cognição, Instituições e Estratégia em Pequenas Empresas In: XXIX ENANPAD, 29º, Anais... Brasília: ANPAD, set. 2005.

RAMOS, S. C. Isomorfismo Mimético e Contexto de Referência: um estudo em pequenas empresas de Curitiba. Dissertação de mestrado em Administração. Curitiba: PUC/PR, 2005.

WEBER, M. “A ciência como vocação”. Em M. WEBER. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1971.

SCOTT, R. W. Organizations: Rational, Natural and Open Systens. New Jersey: Prentice Hall, 1992.

SCOTT, R. W.; MEYER, J. W. Institutional Environments and Organizations: structural complexit and individualism. Thousand Oaks: Sage publications, 1994.

STEINER, G. A.; MINER, J. B. Política e estratégia administrativa. Rio de Janeiro: Interciência, 1981.

SUN TZU. A arte da guerra. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

WRIGHT, P.; KROLL, M.; PARNELL, L. Administração estratégica: conceitos. São Paulo: Atlas, 2000.

TENBRUNSEL, A. E.; GALVIN, T. L.; NEALE, M. A.; BAZERMAN, M. H. Cognições em Organizações. IN: CLEGG, S.R.; HARDY, C.; NORD, W.R. Handbook de estudos organizacionais. v. 3. São Paulo: Atlas, 2004.

THOMPSON JR., A.; STRICKLAND III, A. Planejamento estratégico: elaboração, implementação e execução. São Paulo: Pioneira, 2000.

ZUCKER, W. V. Tannins: does structure determine function? An ecological perspective, The Americam Naturalist, Lancaster, v. 121 n. 3, p. 335-365, 1983.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-115

Refbacks

  • There are currently no refbacks.