Vago, Vacante, Vazio: Um Ensaio Sobre a Ruína na Cidade Contemporânea / Vacant, Vacant, Empty: An Essay on Ruin in the Contemporary City

Marina Ribeiro de Freitas

Abstract


No mundo atual, onde debates acerca da sustentabilidade e seus princípios tem se tornado cada vez mais indispensáveis, surge uma reflexão no campo da arquitetura em relação à importância da reabilitação de vazios urbanos e de alternativas à demolição das edificações neles contidas. O presente artigo busca um novo olhar sobre as estruturas subutilizadas e abandonadas na cidade contemporânea, vazios silenciosos em meio a agitação dos hábitos urbanos. São ruínas que revelam a passagem do tempo, edificações que se despedaçam e perdem aos poucos seus potenciais estruturais e espaciais, contrastando com o tecido urbano por suas condições de uso e ocupação.

 

 


Keywords


Vazios urbanos, cidade contemporânea, brownfields, terrain vague

References


BORDE, Andréa de Lacerda Pessôa. Vazios urbanos: perspectivas contemporâneas. Orientador: Roberto Segre. 2006. 242 p. Tese (Doutorado em Urbanismo) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006

LABASSE, Jean. L'Organisation de l'espace: éléments de géographie volontaire. Paris: Hermann, 1966.

LYNCH, Kevin. Wasting Away - An exploration of waste: what it is, how it happens, why we feart it, how to do it well. 8. ed. San Francisco: Sierra Club Books, 1990.

SOLÀ-MORALES, Ignasi de. Territorios; prólogo de Saskia Sassen. Barcelona: Editora Gustavo Gili, 2002.

SOLÀ-MORALES , Ignasi de. Terrain Vague. Terrain Vague, Cambridge, Massachusetts, p. 118-123, 1995. Disponível em: . Acesso em: 15 out 2019.

ÁBALOS, Iñaki; HERREROS, Juan. et. al. Areas De Impunidad. 1. ed. Barcelona: Actor, 1997.

BERRÍOS-NEGRÓN, Luis Rafael. Entrevista com Juan Herrero: “Arquitectura: Hoy más que nunca”, Entorno Mag. July Issue, Puerto Rico. 2009.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Congresso Nacional do Brasil, 2016.

BRASIL. Estatuto da Cidade. 3. ed. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2008.

BRASIL. Ministério das Cidades. Manual de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Brasília: Ministério das Cidades, Agência Espanhola de Cooperação Internacional, 2008.

AGAMBEN, G. Homo Sacer: o Poder Soberano e a Vida Nua I. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

AMSTERDÃ, Congresso do Patrimônio Arquitetônico Europeu de. Carta de Amsterdã. Amsterdã, 1975.

ANDRADE, MJFS. A Verticalização e a Origem do Movimento Moderno em Fortaleza. Fortaleza: DOCOMOMO, 2016.

BONDUKI, N. Origens da habitação social no Brasil: arquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. São Paulo: Estação Liberdade, 2013.

BOULOS, G. Por que ocupamos?: Uma introdução à luta dos sem- teto. São Paulo: Autonomia Literária, 2018.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. Tradução de Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

CERVELLATI, P. L. La nuova cultura delle città. La salvaguardia dei centri storici, la riappropriazione sociale degli organismi urbani e l’analisi dello sviluppo territoriale nell’esperienza di Bologna. Milão: Mondadori, 1977.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. Tradução de Luciano V. Machado. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

COUCH, C. Urban Renewal: Theory and Practice. Londres: Macmillan, 1990.

DIÓGENES, BHN. A centralidade da Aldeota como expressão dinâmica intra-urbana de Fortaleza. Fortaleza: UFC, 2005.

DOMINGUES, A. Ruinofilia: percurso crítico pelas imagens das ruínas portuguesas. Revista Arquitetura e Arte, Lisboa, n. 112, p. 38-39, 2014.

FERNANDES, E. Programas de regularização fundiária em áreas urbanas: comentários e lições. Oculum ensaios, Campinas, n. 6, p. 47- 57, 2006.

FERNANDES, FRC. Transformações Espaciais no Centro de Fortaleza: estudo crítico das perspectivas de renovação urbana. Fortaleza: PRODEMA/UFC, 2004.

FERREIRA, JSW. Planos Locais de Habitação de Interesse Social. Brasília: Ministério das Cidades, 2009.

GLASS, R. London: Aspects of Change. University College, Centre for Urban Studies. Londres: MacGibbon & Kee, 1964.

GOHN, MG. Movimentos Sociais e Luta pela Moradia. São Paulo: Edições Loyola, 1991.

GONÇALVES, L. Ruínas genéricas, estratégia de intervenção em construções inacabadas. 2013. 207f. Tese (Mestrado em Arquitetura) – Programa de Mestrado Integrado em Arquitetura, Universidade de Coimbra, Coimbra.

GRACIA, F. Construir em lo Construído, La Arquitecture como Modificación. Guipúzcoa: Editora NERA, 1992.

GUERRA, I. A Baixa Pombalina: diagnóstico, prospectiva e estratégia de atores. Lisboa: Editora Celta, 1999.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. Rio de Janeiro: Edições Loyola, 1989.

HEIDEGGER, M. Heráclito. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.

HOBSBAWM, E. A Era das Revoluções. Tradução de Maria Tereza Texeira e Marcus Penchel. São Paulo: Paz e Terra, 1977.

HUYSSEN, A. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

KOWARICK, L. As lutas sociais e a cidade: São Paulo, passado e presente. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. Paris: Anthropos, 1968.

MARICATO, E. Habitação e cidade. São Paulo: Atual, 1998.

MARICATO, E. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis: Vozes, 2001.

MASCARÓ, J. Desenho urbano e custos de urbanização. Porto Alegre: D. C. Luzza, 1989.

MELO, MA. The State, the Housing Question and Policy Formation in Brazil 1937 - 1975. Falmer, University of Sussex: 1987.

MUMFORD, L. A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. Tradução de Neil R. da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 1961.

ROLNIK, R. Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo: Boitempo, 2015.

RUSKIN, J. A lâmpada da memória. Tradução de Maria Lucia B. Pinheiro. Cotia: Ateliê Editorial, 2008.

SASSEN, S. As Cidades na Economia Mundial. São Paulo: Studio Nobel, 1998.

SILVA, HMB. Oportunidades e limites para a produção de habitação social no centro de São Paulo. São Paulo: Lincoln Institute of Land Policy, 2007.

TOURAINE, A. Como sair do liberalismo? Bauru: EDUSC, Editora da Universidade do Sagrado Coração, 1999.

VARGAS, Heliana; CASTILLO, Ana Luisa Howard de (orgs.). Intervenções em Centros Urbanos:objetivos, estratégias e resultados. Barueri: Manole Ltda, 2006. p. 1-52.

VILLAÇA, F. O espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 1998.

VIOLLET-LE-DUC, E. Restauração. Tradução de Beatriz Mugayar Kuhl. Cotia: Ateliê Editorial, 2000.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-114

Refbacks

  • There are currently no refbacks.