Mortalidade Materna nas Fronteiras Brasil/Paraguai e Brasil/Bolívia em Mato Grosso do Sul, 2012-2018 / Maternal Mortality on the Borders of Brazil/Paraguay and Brazil/Bolivia in Mato Grosso do Sul, 2012-2018

Rosemarie Dias Fernandes da Silva, Luiza Helena de Oliveira Cazola, Edson Mamoru Tamaki, Renata Palópoli Pícoli

Abstract


Objetivo: Investigar a mortalidade materna nas fronteiras Brasil/Paraguai e Brasil/Bolívia, no Mato Grosso do Sul.

Métodos: Estudo descritivo, exploratório, de abordagem quantitativa, realizado a partir da coleta do banco de dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade e o Sistema de Informações de Nascidos Vivos, nos dez (10) municípios da linha de fronteira do Estado de Mato Grosso do Sul, que apresentaram notificações de óbitos maternos entre 2012 a 2018. Calculou-se a Razão de Mortalidade Materna, Razão de Mortalidade Materna Específica e analisou-se os óbitos maternos segundo variáveis obstétricas.

Resultados: Os municípios apresentaram Razão de Mortalidade Materna alta em relação às médias estaduais e nacionais. Nos anos de 2014, 2015 e 2016 ocorreram os maiores números de óbitos maternos, de 2013 para 2014, houve um salto, de 2 para 8 óbitos maternos.  Para a Razão de Mortalidade Materna Específica, predominou mulheres entre 40-49 anos (254,4/100.000), escolaridade de 4-7 anos (148,4/100.000), pretas (852,9/100.000), solteiras (159,1/100.000), os óbitos preponderaram durante o puerpério (60%), por causas obstétricas diretas (75%).

Conclusão: A elevada ocorrência de óbito materno em municípios de fronteira reflete a fragilidade na atenção ao pré-natal, parto e puerpério, aliada a vulnerabilidade social vivenciada pelas mulheres residentes.


Keywords


Mortalidade Materna, Saúde na Fronteira, Saúde da Mulher, Epidemiologia Descritiva.

References


World Health Organization. United Nations Children's Fund. Trends in maternal mortality 2000 to 2017: estimates by WHO, UNICEF, UNFPA, World Bank Group and the United Nations Population Division [internet]. Geneva: World Health Organization; 2019 [cited 2019 jul 9]. 104p. Available from:http://documents.worldbank.org/curated/en/793971568908763231/pdf/Trends-in-maternal-mortality-2000-to-2017-Estimates-by-WHO-UNICEF-UNFPA-World-Bank-Group-and-the-United-Nations-Population-Division.pdf

Organização das Nações Unidas. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável [Internet]. Rio de Janeiro: Nações Unidas; 2015 [citado

jun 01]. 41 p. Disponível em: https://www.undp.org/content/dam/brazil/docs/agenda2030/undp-br-Agenda2030-completo-pt-br-2016.pdf

Leal MC, Szwarcwald CL, Almeida PVB, Aquino EML, Barreto ML, Barros F, Victora C. Saúde reprodutiva, materna, neonatal e infantil nos 30 anos do Sistema Único de Saúde (SUS). Ciênc Saúde Coletiva. 2018; 23(6): 1915-28.

Tamaki EM, Ferraz AF, Pontes ERJC, Cazola LHO, Ajalla ME, Picoli RP, Favaro TR. O Projeto SIS-Fronteira no Estado de Mato Grosso do Sul. In: Souza ML, Ferreira LAP, Rezende VM, Branco ML. A saúde e a inclusão social nas Fronteiras. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008. p. 177-208.

Fagundes HS, Kreutz IT, Nogueira VMR, Castamann D. Saúde na linha de fronteira Brasil-Uruguai: pactos e protagonismos dos atores locais. Rev Katal. 2018; 21(2): 293-304.

Aikes S, Rizzotto MLF. Integração regional em cidades gêmeas do Paraná, Brasil, no âmbito da saúde. Cad Saúde Pública. 2018; 34(8): e00182117.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estatísticas. Cidades e Estados. [citado 2019 set 10]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ms.html

Rede Interagencial de Informação para a Saúde. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações [Internet]. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2008 [citado 2019 set 5]. 349 p. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/livroidb/2ed/indicadores.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. 84 p.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Morbidade Hospitalar do SUS. Classificação Internacional de Doenças,10ª revisão; 2 ed. [citado 2018 nov 10]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/sih/mxcid10lm.htm

Rodrigues AGM, Cavalcante AES, Viana AB. Mortalidade materna no Brasil entre 2006-2017: análise temporal. ReTEP. 2019;11(1): 3-9.

Castro LMX, Simonetti MCM, Araújo MJO. Monitoramento e acompanhamento da política nacional de atenção integral à saúde da mulher - PNAISM e do Plano Nacional de Políticas para as mulheres - PNPM. Brasília, nov. 2015.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad Saúde Colet. 2016; 24(2): 252-61.

Santos DR, Nogueira LMV, Paiva BL, Rodrigues ILA, Oliveira LF, Caldas SP. Mortalidade materna na população indígena e não indígena no Pará: contribuição para a vigilância de óbitos. Esc Anna Nery. 2017; 21(4): e20170161.

Vieira EW, Gazzinelli A. Grau de integração da Atenção Primária à Saúde de município de pequeno porte na Rede de Atenção à Saúde. Saude Soc. 2017; 26 (2): 448-61.

Zaslavsky R, Goulart BNG. Migração pendular e atenção à saúde na região de fronteira. Ciênc Saúde Coletiva. 2017; 22 (12): 3981-86.

GBD 2015 Maternal Mortality Collaborators. Global, regional, and national levels of maternal mortality, 1990-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015. Lancet. 2016; 388:1775-812.

Carreno I, Bonilha ALL, Costa JSD. Evolução temporal e distribuição espacial da morte materna. Rev Saúde Pública. 2014; 48(4): 662-70.

Kifle D, Azale T, Gelaw YA, Melsew YA. Maternal health servisse seeking behaviors and associated factors among women in the rural district of Haramaya, Eastern Ethiopia: a cross-sectional, community-based study. Reprod Health. 2017; 14(1): 6.

Romero DE, Maia L, Muzy J. Tendência e desigualdade na completude da informação sobre raça/cor dos óbitos de idosos no Sistema de Informações sobre Mortalidade no Brasil, entre 2000 e 2015. Cad. Saúde Pública. 2019. 35(12): e00223218.

Leal MC, Gama SGN da, Pereira APE, Pacheco VE, Carmo CN do, Santos RV. A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cad Saúde Pública. 2017; 33(Suppl 1): e00078816.

Pícoli RP, Cazola LHO, Lemos EF. Mortalidade materna segundo raça/cor, em Mato Grosso do Sul, Brasil, de 2010 a 2015. Rev. Bras. Saúde Materno Infantil. 2017; 17(4): 729-37.

Ozimek JA, Kilpatrick SJ. Maternal Mortality in theTwenty-FirstCentury. Obstet Gynecol Clin North Am. 2018; 45(2):175-86.

Theophilo RL, Rattner D, Pereira EL. Vulnerabilidade de mulheres negras na atenção ao pré-natal e ao parto no SUS: análise da pesquisa da Ouvidoria Ativa. Ciênc Saúde Colet. 2018; 23(1): 3505-16.

Lima MRG, Coelho ASF, Salge AKM, Guimarães JV, Costa PS, Sousa TCC, Mattos, DV, Sousa MAA. Alterações maternas e desfecho gravídico-puerperal na ocorrência de óbito materno. Cad Saude Colet 2017; 25(3): 324-31.

Silva SC, Monteiro EA, Freitas WMF, Barros AG, Guimarães CMC, Melo AS. Diagnóstico da Situação de morte materna. Rev Bras Promoção da Saúde 2019; 32:9259.

Carvalho PI de, Frias PG de, Lemos MLC, Frutuoso LALM; Figueirôa BQ, Pereira CCB, Barreto IC, Vidal SA. Perfil sociodemográfico e assistencial da morte materna em Recife, 2006-2017: estudo descritivo. Epidemiol Serv Saúde. 2020; 29(1): e2019185.

Coelho JLG, Silva CJF, Feitosa FLS, Santana WJ, Rangel FEP, Mendes RC, Miranda TAS. Prevalência de óbitos maternos na microrregião do Cariri Do Ceará.

Braz J of Develop. 2020; 6(7): 44311-44320.

Agranonik M, Jung RO. Qualidade dos sistemas de informações sobre nascidos vivos e sobre mortalidade no Rio Grande do Sul, Brasil, 2000 a 2014. Ciênc Saúde Coletiva. 2019; 24(5): 1945-58.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-089

Refbacks

  • There are currently no refbacks.