Eficiência do azul de metileno como indicador da qualidade hídrica em Caçapava do Sul / Methylene blue efficiency as an indicator of water quality in Caçapava do Sul

Caiuan Santos Nascimento, Zilda Baratto Vendrame

Abstract


Um dos maiores desafios ambientais é manter as reservas de água do nosso planeta com qualidade. Isso se deve principalmente à sua utilização para a expansão urbana. Nesta perspectiva, tornam-se necessários conhecimentos apropriados das potencialidades de autodepuração dos recursos hídricos e a adequada conservação das nascentes d’água, estabelecendo um austero controle a respeito da quantidade e qualidade da água, assegurando o abastecimento da humanidade e dos demais seres vivos para suas necessidades básicas. A preservação do meio ambiente e especialmente a qualidade da água disponível é essencial para a continuação da vida no nosso planeta. Por vezes, o emprego de produtos para a identificação de possíveis contaminações possui custo elevado. Deste modo, o uso de Azul de Metileno (AM) que apresenta a função de agente redutor, interagindo com a matéria orgânica, se mostra simples e eficaz a um preço mais acessível, permitindo um acompanhamento constante do corpo hídrico estudado. O presente trabalho tem como principal objetivo a avaliação da eficiência do Azul de Metileno como possível indicador primário ou secundário da qualidade da água da Sanga da Brandina, afluente do Arroio dos Lanceiros, em Caçapava do Sul, RS. A metodologia empregada para verificar a contaminação da sanga da Brandina é através de análises visuais, seguindo o método proposto por Troppmair (1988) com escala de cor indicada por Monteiro (2009) e análises espectrofotométricas na região do visível em comprimento de onda máximo de 664 nm. Além do método do AM foram analisados alguns parâmetros físico-químicos das amostras da água: temperatura, condutividade elétrica, pH e turbidez. Os resultados obtidos confirmam que o corante utilizado reage com a matéria orgânica presente no curso de água que está sendo estudado.  Isto pode ser observado pela redução da coloração e consequentemente da concentração do AM que foi adicionado nas amostras. Deste modo, isso indica que há contaminação na qualidade da água da Sanga da Brandina. Pelos parâmetros de qualidade, os dados adquiridos nos métodos realizados puderam ser justificados, demonstrando assim que o método do Azul de Metileno deve ser considerado como indicador secundário.


Keywords


Matéria Orgânica, Contaminação, Qualidade da água, Azul de Metileno.

References


BATALHA, B. L., A dispersão ambiental das substâncias químicas. São Paulo: Cetesb, 1980.

BATALHA, B. L. e PARLATORRE, A. C., Controle da qualidade da água para consumo humano: bases conceituais e operacionais. São Paulo: Cetesb, 1977.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental, 2006.

BRASIL, Resolução CONAMA 357, de 17 de março de 2005. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: . Acesso em 22 de novembro de 2018.

GOOGLE EARTH-MAPS.< http://mapas.google.com>. Acesso em 06 de junho de 2018.

LEÓN, J. A. C., Calidad de aguas para estudiantes de ciencias ambientales. Bogotá: Universidad Distrital Francisco José de Caldas, 2005.

LIBÂNIO, M., Fundamentos de qualidade e tratamento de água. Campinas -SP, Ed: Átomo, 444 p., 2005.

MEYBECK, M.; HELMER R., Na introduction to Water Quality In: CHAPMAN, D. Water quality assessment. Cambridge, University Press, 585 p., 1992.

MONTEIRO, A. B., O Azul de Metileno como indicador de poluição em córregos urbanos: o caso do córrego Wenzel – Rio Claro – SP. Trabalho de Especialização. Rio Claro: UNESP, p. 81, 2009.

MONTEIRO, A. B.; VIADANA, A. G., Análise de Poluição da Água: A técnica do Azul de Metileno, 2009.

POLETO, C. Monitoramento e Avaliação de uma Microbacia Hidrográfica no Município de Ilha Solteira (SP), Dissertação (Mestrado. em Engenharia Civil) Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Universidade Estadual Paulista, 2003.

SPERLING, M. V., Introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos. 3ª Ed. Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. Editora da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte, 2005.

TROPPMAIR, H. Metodologias simples para pesquisar o Meio Ambiente. Rio Claro: Edição do Autor, 1988.

TUNDISI, J.G. Água no século XX: enfrentando a escassez. 2.ed. São Carlos: Rima, 264 p, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-076

Refbacks

  • There are currently no refbacks.