Luz, Câmera, Extensão: o cinema como possibilidade de reflexão sobre diversidade / Light, Camera, Extension: the cinema as a possibility of reflection on diversity

Gerlane Lima Silva Dourado, Adailce Celestina de Deus

Abstract


O Cine Relações de Gênero (2017) e o Cinema Negro (2018) são ações desenvolvidas pelo Almanaque das Artes, uma comissão departamental criada em 2014, com o intuito de fomentar e estimular atividades artísticas e culturais na universidade e o reconhecimento de potencialidades existentes nas comunidades acadêmica e externa, estabelecendo integração entre ambas. Estes dois projetos de extensão, voltados para a área de cinema foram propostas inscritas e contempladas nos respectivos Editais N.º 005/2017 e 032/2018, apresentadas pela Pró-Reitoria de Extensão (PROEX) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), tendo como objetivos financiar a execução de ações extensionistas e estimular a difusão e a disseminação dessas práticas no universo acadêmico, estreitando relações com segmentos sociais e comunidade. Corroborando tal proposta, o próprio Regimento Geral (Resolução CONSU N.º 864/2011, art. 152, item V) define a extensão sob a perspectiva de “[...] inserção da Universidade no contexto histórico social, com a finalidade de propiciar ações acadêmicas de promoção e garantia de valores democráticos, de igualdade e de direitos humanos”, reafirmando a sua preocupação na transformação da sociedade.O Almanaque das Artes apresentou, nos dois anos anteriores, projetos de cinema, mas não traziam como foco principal, até então, a discussão específica sobre as interseccionalidades como pauta para reflexão e debate de questões emergentes na atualidade. Destacam-se, nesse aspecto, os espaços de educação, de formação de profissionais da docência, principalmente, que trazem a necessidade de teorias que embasem o seu conhecimento para o fazer pedagógico após a formação, de maneira mais segura, com questões que estão presentes no contexto escolar e no não escolar, com as quais precisamos lidar.A universidade vem ganhando centralidade a partir de práticas extensionistas. Ao fomentar essas práticas, ela toma para si a responsabilidade do ato de fazer-se percebida e permitir-se perceber os dilemas e conflitos sociopolíticos que envolvem a sociedade. Isso se dá sobremaneira, nas fronteiras da educação, considerando a que a universidade se propõe como parte desta sociedade e como promotora da democratização do conhecimento tendenciado pelo desenvolvimento de projetos de extensão na instituição.O pensar e o acontecer dos trabalhos realizados contaram com outros grupos que puderam, dentro da perspectiva de contexto sócio espacial, tornar vivas as personagens e garantir, sem traduções, as legendas ou as falas originais daquilo que se diz sobre as interseccionalidades presentes em ambos os trabalhos inscritos. Dessa forma, a realização do Cine Relações de Gênero contou com a participação de graduandos(as) do Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), os quais, com propriedade de fala, contribuíram significamente na seleção das obras fílmicas e na proposição dos debates que foram provocados. Já o Cinema Negro, além de estabelecer a parceria com os aspirantes da cinematografia, guiou-se também pela articulação com o coletivo Tela Preta, movimento de cinema negro nascido também no Campus da UFRB de Cachoeira – BA.


Keywords


Cine Debate, Extensão Universitária, Negro, Gênero.

References


BAHIA. Secretaria de Cultura e Turismo. Superintendência de Cultura. GUIA CULTURAL DA BAHIA, vol. 12: Piemonte da Diamantina: A Secretaria, 2001.

BRAGA, Mônica M. de Morais; BRISOLA, Regina Santos. GÊNERO E SEXUALIDADE NO CINEMA: uma discussão a partir da educação da cultura visual. Anais do VIII Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual: arquivos, memorias, afetos . Goiânia, GO: UFG/ Núcleo Editorial FAV, 2015.

CARVALHO, Noel dos Santos and DOMINGUES, Petrônio. DOGMA FEIJOADA A INVENÇÃO DO CINEMA NEGRO BRASILEIRO. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2018, vol.33, n.96, e339612. Epub Dec 07, 2017. ISSN 1806- 9053. http://dx.doi.org/10.17666/339612/2018.

HALL, Stuart. A IDENTIDADE CULTURAL NA PÓS-MODERNIDADE. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

http://decada-afro-onu.org/ acesso em 04 de abril de 2018.

https://filmow.com/alternancia-t232954/ acesso em 27 de setembro.

KELLNER, Douglas. A CULTURA DA MÍDIA – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. São Paulo: EDUSC, 2001.

RIBEIRO, Djamila. O QUE É LUGAR DE FALA? São Paulo: Letramento, 2017.

SANTOS, Milton. O ESPAÇO DO CIDADÃO. São Paulo: Nobel, 1998.

SETARO; André. PANORAMA DO CINEMA BAIANO – Série Crítica das Artes . Bahia, 2013.

SILVA, Tomaz Tadeu da. IDENTIDADE E DIFERENÇA: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-071

Refbacks

  • There are currently no refbacks.