Influência de fatores abióticos e vegetacionais sobre uma taxocenose de lagartos numa área de Caatinga / Influence of abiotic and vegetational factors on a lizard taxocenosis in a Caatinga area

Everton Torres da Silva, Viviane Micaela Canuto Medeiros, José Henrique de Andrade Lima, Ítalo Társis Ferreira de Sousa, Stephenson Hallison Formiga Abrantes, João Paulo Rodrigues de Lima, Lucas Silva Leite, Marcelo Nogueira de Carvalho Kokubum

Abstract


Os ambientes mais heterogêneos dispõem de uma variedade maior de microhabitats, resultando em uma maior riqueza e abundância de espécies. Os lagartos ocorrem nos mais variados tipos de habitats e microhabitats, sendo fortemente influenciados pelos fatores ambientais, como a temperatura e a vegetação. Esse trabalho objetivou analisar a influência de fatores ambientais na ocorrência de lagartos em uma floresta estacional semidecidual, no estado da Paraíba, Nordeste do Brasil. A coleta foi realizada utilizando armadilhas do tipo pitfall em cinco subáreas (I, II, III, IV e V). Ao longo das armadilhas foram instaladas parcelas para a coleta de dados abióticos e vegetacionais (28 variáveis). Das 16 espécies presentes na área, 12 foram coletadas por este método. Entre as cinco subáreas amostradas, II e III apresentaram maior riqueza de lagartos, plantas e maior abundância de lagartos, indicando que ambientes com estrutura vegetal mais heterogênea abrigam mais espécies, devido a maior variedade de habitats e microhabitats disponíveis. Entre as variáveis consideradas, o grau de cobertura do dossel, temperatura do ar e do solo, densidade do sub-bosque, quantidade de espécies florestais em frutificação, quantidade de fungos, moitas, e troncos caídos influenciaram positivamente na ocorrência dos lagartos. Quatro dessas oito variáveis estão relacionadas à vegetação, comprovando sua importância na ocorrência de lagartos.

 


Keywords


Floresta Estacional Semidecidual; Riqueza de espécies; Vegetação.

References


ABRANTES, S. H. F.; SILVA, E. T.; SOUSA, I. T. F.; LEITE, L. S.; ABRANTES, M. M. R.; LIMA, J. P. R.; KOKUBUM, M. N. C. Herpetofauna da Serra de Santa Catarina. In: Araujo, H. F. P.; VIEIRA-FILHO, A. H. (Orgs.). 2018. Biodiversidade da Serra de Santa Catarina-PB: uma proposta de criação do Parque Estadual Serra das Águas Sertanejas. (1a ed., Cap. IV pp. 101-140). Paraíba, João Pessoa.

CHALADZE, G. 2012. Climate-based mode of spatial pattern of the species richness of ants in Georgia. Journal Insect Conservancy, v. 16, n. 5, p. 191-800.

CONDEZ, T. H. 2008. Efeitos da fragmentação da floresta na diversidade e abundância de anfíbios anuros e lagartos de serrapilheira em uma paisagem do Planalto Atlântico de São Paulo. (Dissertação). Instituto Butantan, São Paulo. Disponível em: Acesso em: 20 Jun.2020.

GARDA, A. A.; WIEDERHECKER, H. C.; GAINSBURY, A. M.; COSTA, G. C.; PYRON, R. A.; VIEIRA, G. H. C.; WERNECK, F. P.; COLLI, G. R. 2013. Microhabitat variation explains local-scale distribution of terrestrial amazonian lizards in Rondônia, western Brazil. Biotropica, v. 45, pp. 245-252. Disponível em: Acesso em: 20 Jun. 2020.

HAMMER, Q.; HARPER, D. A. T.; RYAN, P. D. 2001. PAST: Palaeontological Statistics software package for education and data analysis. Palaentologia Eletronica, v.4, n.1, pp. 1-9. Disponível em: Acesso em: 15 Jun. 2020.

IBGE, 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manuais técnicos em geociências: Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 2 ed. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 17 Jun. 2020.

JIM, J.; SAKATE, M. 1994. Aspectos biológicos dos animais peçonhentos – Biologia das serpentes. In: BARRAVIERA, B. Venenos animais. Rio de Janeiro: EPUC, cp. 9, pp.109-34.

KAGEYAMA, P. Y.; OLIVEIRA, R. E. de.; MORAES, L. F. D. de.; ENGEL, V. L.; GANDARA, F. B. 2008. Restauração ecológica de ecossistemas naturais. Editora FEPAF. Botucatu.

LESSA, T.; DOS SANTOS J.W.; CORREIA, R.A.; LADLE, R.J.; MALHADO, A.C.M. 2019. Known unknowns: Filling the gaps in scientific knowledge production in the Caatinga. PLoS ONE, v.14, n.7. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0219359

LOEBMANN, D. 2005. Os anfíbios do extremo sul do Brasil: Guia ilustrado. Editora USEB.

MESQUITA, D. O.; COSTA, G.C.; GARDA, A.A.; DELFIM, F.R. 2017. Species Composition, Biogeography, and Conservation of the Caatinga Lizards. In: Silva, J.M.C.; LEAL, I.R.; TABARELLI, M. Caatinga: the largest Tropical Dry Forest Region in South America. Editora Springer.

NOGUEIRA, C.; VALDUJO, P. H.; FRANÇA, F. G. R. 2005. Habitat variation and lizard diversity in a Cerrado area of Central Brazil. Studies on Neotropical Fauna and Environment, v.40, pp. 105-112. Disponível em: Acesso em: 17 Jun. 2020.

MASCARENHAS, J. C.; BELTÃO, B. A.; SOUZA JUNIOR, L. C.; MORAIS, F.; MENDES, V. A.; MIRANDA, J. L. F. 2005. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea: Diagnostico do Município de São José da Lagoa Tapada. CPRM-Serviço geológico do Brasil. Recife, 2005.

PIANKA, E. R. 1967. Lizards species diversity. Ecology, v.48, pp.333-351.

PIANKA, E. R. 1986. Ecology and natural history of desert lizards. Princeton University Press, New Jersey, New York.

PIANKA, E.R. 1994. Evolutionary Ecology. Editora: Harper Collins, 5. ed. New York. 486p.

PINTO, M. G. de M. 2006. Diversidade beta, métodos de amostragem e influência de fatores ambientais sobre uma comunidade de lagartos na Amazônia Central – Manaus. (Tese de Doutorado) – INPA/UFAM. Disponível em: Acesso em: 20 Jun. 2020.

PIRES, G.G.; SANTOS, R.M.; TRISTÃO, R.A.; PIFANO, D.S.; REIS, C.A.; DOMINGOS, D.Q. 2014. Influência de variáveis ambientais na comunidade arbórea de inselbergs. CERNE, v.20, pp. 97-104. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602014000100013

POWEL, R. J.; STRADLING, D. J. 1986. Factors influencing the growth of Attamyces bromatificus, a symbiont of attine ants. Transactions of the British Mycological Society. v.87, n.2, pp. 205-213. https://doi.org/10.1016/S0007-1536(86)80022-5

PRIAMBODO, B.; PERMANA, H.; AKHSANI, F.; INDRIWATI, S. E.; WANGKULANGKUL, S.; LESTARI, S. R.; ROHMAN, F. 2019. Characteristic of water sources in malang, based on the diversity, community structure, and the role of herpetofauna as bioindicator. Eurasian Journal of BioSciences. v.13, pp. 2279-2283. Disponível em: Acesso em: 15 Jun. 2020.

QIAN, H. 2010. Environment-richness relationships for mammals, birds, reptiles, and amphibians at global and regional scales. Ecological Research v.25, pp. 629-637. https://doi.org/10.1007/s11284-010-0695-1.

ROCHA, C. F. D.; BERGALLO, H. G.; ALVES, M. A. S.; VAN SLUYS, M. A. 2003. Biodiversidade nos grandes remanescentes florestais do estado do Rio de Janeiro e nas restingas da Mata Atlântica. Instituto Biomas & Conservation International, Brasil. Editora Rima. 160p.

SILVA, V. N.; ARAÚJO, A. F. B. 2008. Ecologia dos lagartos brasileiros. Rio de Janeiro: Technical Books. 271 p. https://doi.org/10.1007/s11284-010-0695-1

VITT, L.; MAGNUSSON, W. E.; PIRES, T. C. A.; LIMA, A. P. 2008. Guia de Lagartos da Reserva Adolpho Ducke – Amazônia Central. Manaus: Áttema Design Editorial. 176 p.

VITT, L. J.; PIANKA, E. R.; COOPER-JR, W. E.; SCHWENK, K. 2003. History and the global ecology of squamate reptiles. The American naturalist, v.162, n.1, pp. 44-60. Disponível em: Acesso em: 20 Jun. 2020.

ZAR, J.H. 1999. Biostatistical analysis. Ed. 4 Upper Saddle River, Prentice-Hall, Inc. 663 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-039

Refbacks

  • There are currently no refbacks.