A contribuição da universidade para o processo de desenvolvimento regional através da implantação de um parque tecnológico na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul / The contribution of the university to the regional development process through the implantation of a technological park on the West Frontier of Rio Grande do Sul

Thiago Eliandro de Oliveira Gomes, Darlen de Oliveira Almirão, Émerson Oliveira Rizzatti, Vitor Rodrigues Almada

Abstract


Uma universidade comprometida com a região em que está inserida deve estar atenta ao empreendedorismo como forma de desenvolvimento do potencial produtivo dos empreendimentos. Logo, ganham destaque os parques tecnológicos por possuir um ambiente capaz de acelerar a disseminação/difusão do conhecimento e da inovação por meio da maior conectividade entre universidade e as empresas. Nesse contexto, o objetivo principal do artigo foi contextualizar a trajetória de criação do Parque Científico e Tecnológico do Pampa situado na região Fronteira Oeste do Estado do Rio Grande do Sul, e suas principais ações de promoção ao empreendedorismo regional. Para isso, realizou-se uma pesquisa descritiva, com delineamento se aproximando de um estudo de caso descritivo e consultas documentais. Entre os achados do estudo, destacam-se o conjunto de ações e iniciativas estratégicas servem para aproximar e envolver a academia e prospecção de novas ideias inovadoras, passando pela pré-incubação e incubação de empresas na Incubadora.


Keywords


Empreendedorismo, Inovação, Parque Tecnológico.

References


ABREU, I. B. L; et al. Parques tecnológicos: panorama brasileiro e o desafio de seu financiamento. Revista do BNDES, n. 45, junho 2016, p. 99-154. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2018.

ANDRADE, N. D.; DE CAMPOS, A. L. S.; A formação para o empreendedorismo acadêmico e o mercado de trabalho acadêmico brasileiro. Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, n. 20, jul./dez. 2014. p 36-48.

ARANHA, J. A. S. Mecanismos de geração de empreendimentos inovadores: mudanças na organização e na dinâmica dos ambientes e o surgimento de novos atores. Brasília, DF, ANPROTEC, 2016.

ARANHA, J. A. S. Mecanismos de geração de empreendimentos inovadores [Recurso eletrônico on-line]: mudança na organização e na dinâmica dos ambientes e o surgimento de novos atores. Brasília, DF: ANPROTEC, 2016.

ARAÚJO, B. A. G. G.; CARVALHO, L. C.. Análise do comportamento inovador e perfil empreendedor dos alunos do ensino superior. In: Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade, 5., 2016, São Paulo. Anais… São Paulo: SINGEP, 2016, p. 1-12.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES. Estudo de impacto econômico: segmento de incubadoras de empresas do Brasil. Brasília, DF: ANPROTEC: SEBRAE, 2016.

______. Estudo de Projetos de Alta Complexidade: indicadores de parques tecnológicos. Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília: CDT/UnB, 2014.

______. Parques Tecnológicos no Brasil: estudo, análise e proposições. 2008. Disponível em: Acesso em: 23 jul. 2018.

AUDRETSCH, D. B.; KURATKO, D. F.; LINK, A. N. Making sense of the elusive paradigm of entrepreneurship department of economics. University of North Carolina: Working Paper Series, 2015.

AUDY, J. L. N. PIQUÉ, J. Dos Parques Científicos e Tecnológicos aos ecossistemas de inovação: desenvolvimento social e econômico na sociedade do conhecimento. Brasília, DF, ANPROTEC, 2016.

BALDONI, L.; FURTADO, A. T. A consolidação do “Parque Científico e Tecnológico da Unicamp” na cidade de Campinas – SP Brasil. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PARQUES TECNOLÓGICOS E INCUBADORAS DE EMPRESAS E 30ª CONFERÊNCIA DA IASP, 23, 2013. Brasília. Anais... Brasília: Anprotec, 2013.

BEHLING, G. et al. Microempreendedor individual catarinense: uma análise descritiva do perfil dos empreendedores individuais em Santa Catarina. Navus, Florianópolis/SC. v. 5, n. 1, p. 65-78. jan./mar. 2015. Disponível em: . Acesso em 15 mai. 2018.

BERTUCCI, J. Metodologia básica para elaboração de trabalhos de conclusão de cursos (TCC): ênfase na elaboração de TCC de pós-graduação lato sensu. São Paulo: Atlas, 2011.

BORGES, B. K. (Coord.). RS em números: 2016. Porto Alegre: FEE, 2016.

BRASIL. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 02 dez. 2004.

______. Lei nº. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei no 6.815, de 19 de agosto de 1980 [...], nos termos da Emenda Constitucional no 85, de 26 de fevereiro de 2015. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 jan. 2016.

BRESSAN, F. Uma equação proposta para fomentar a inovação nas organizações. Estudios Gerenciales. Cali, Colômbia, v. 29, n. 126, p. 26-36, jan./mar. 2013.

CARVALHO, G. D. G., et al. Radar da inovação como ferramenta para o alcance de vantagem competitiva para micro e pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 162-186, out./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em 15 mai. 2018.

CHIAVENATO, I. Comportamento organizacional: a dinâmica do sucesso das organizações. 2. ed. Rio de Janeiro: Campos, 2010.

CLOSS, L. et al. Intervenientes na Transferência de Tecnologia Universidade-Empresa: o Caso PUCRS. RAC, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, art. 4, p. 59-78, jan./fev. 2012. Disponível em: . Acesso em 26 abr. 2018.

DAMIÃO, D.; SCHIRRMEISTER, R. ZOUAIN, D. M. Demandas para inovação no parque tecnológico de São Paulo. Caderno de Administração. Revista do Departamento de Administração da FEA. v. 6, n.1. jan/dez. 2012, p. 36-66.

DOLABELA, F. C. Oficina do empreendedor: a metodologia do ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: Universidade-Indústria-Governo: Inovação em Movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

GARNICA, L. A.; TORKOMIAN, A. L. V. Gestão de tecnologia em universidades: uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldade e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gestão & Produção, São Carlos, v. 16, n. 4, p. 624-638, 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2018.

GOMES, M. A. S.; COELHO, T. T.; GONÇALO, C. R. Tríplice hélice: a relação universidade-empresa em busca da inovação. Revista Gestão.Org, v. 12, n. 1, 2014. p 70-79. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2018.

GOMES, M. A. S.; COELHO, T.T.; GONÇALO, C.R. Tríplice hélice: a relação universidade-empresa em busca da inovação. Revista Gestão.Org, v. 12, n. 1, 2014. p 70-79. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2018.

GOMES, M. A. S.; PEREIRA, F. E. C. Hélice Tríplice: Um ensaio teórico sobre a relação Universidade-Empresa-Governo em busca da inovação. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), v. 4, n. 8, p. 136–155, mar/jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2018.

GOMES, M. S.; SILVA, A. M. C. S. Empreendedorismo educacional como vantagem competitiva. Revista Científica Semana Acadêmica, Fortaleza, v. 115, n. 1, p. 1-13, 2017.

GONÇALO, C.; ZANLUCHI, J. B. Relacionamento entre empresa e universidade: uma análise das características de cooperação em um setor intensivo em conhecimento. Base (UNISINOS), São Leopoldo, v. 8, n. 3, p. 261-272, 2011.

LOURDES, M.; BICALHO, T. Contextualização da política de inovação no Brasil. In: GARCIA, C. (org.) Lei do bem: como alavancar a inovação e a utilização de incentivos fiscais. São Paulo: Editora Pillares, 2014.

LUZ, A.A. et al. Mecanismos de transferência de conhecimento e tecnologia nas instituições de ensino superior. Revista GEINTEC. São Cristóvão/SE. v. 3, n. 2, p. 38-54. 2013.

NOVELI, M.; SEGATTO, A. P. Processo de cooperação Universidade-Empresa para a inovação tecnológica em um parque tecnológico: evidências empíricas e proposição de um modelo conceitual. Revista de Administração e Inovação, v. 9, n.1, p.81-105. Jan/Mar. 2012.

OLIVEIRA, M. A. C.; GARCIA, R. A. M.; MENDES, D. R. F. Ambiente de inovação em micro e pequenas empresas: uma análise sob a ótica do Radar da Inovação. Multitemas, Campo Grande, MS, n. 48, p. 45-60, jul./dez. 2015.

OLIVEIRA, V. G.; DEPONTI, C. M. A contribuição das universidades para o desenvolvimento regional: um estudo a partir da visão schumpeteriana de inovação e de desenvolvimento econômico. Colóquio – Revista do Desenvolvimento Regional - Faccat - Taquara/RS - v. 13, n. 1, p. 75-88, jan./jun. 2016.

PEREIRA, V. S.; ZILBER, M. A. Vantagem competitiva por meio da inovação em empresas incubadas em um parque tecnológico. RACE, Joaçaba, v. 16, n. 1, p. 65-94, jan./abr. 2017. Disponível em: . Acesso em 25 jul. 2017.

PERUCCHI, V.; MUELLER, S.P.M. Produção de conhecimento científico e tecnológico nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: uma investigação sobre a sua natureza e aplicação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 21, n. 1, p. 134-151, jan./mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2018.

POSSOLLI, G. E. Gestão da inovação e do conhecimento. Curitiba: InterSaberes, 2012.

QUINCOZES, E. R. F. et al. Gestão do conhecimento aplicada a uma organização intensiva em conhecimento: o caso da Embrapa clima temperado. Inter Science Place, v. 2, n. 10, nov/dez 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2018.

RIO GRANDE DO SUL. Decreto n.º 49.355, de 10 de julho de 2012. Dispõe sobre o Programa Gaúcho de Parques Científicos e Tecnológicos - Programa PGtec. Diário Oficial do Estado, Porto Alegre, RS, de 11 de julho de 2012.

ROSA, B. A. L.; GOMES, C. M.; KNEIPP, J. M.; BICHUETI, R. S. O poder de inovação e a implementação da estratégia para a sustentabilidade no setor mineral brasileiro. Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, v. 13, n. 1, jan./mar. 2014.

SPINOSA, L. M.; SCHLEMM, M. M; REIS, R. S. Brazilian innovation ecosystems in perspective: some challenges for stakeholders. REBRAE, v. 8, n. 3, p. 386-400, 2015.

TEIXEIRA, M. C.; TEIXEIRA, C. S. Parques e suas tipologias: tecnológico, científico e tecnológico científico. In: DEPINÉ, A.; TEIXEIRA, C. S. (Org.). Habitats de inovação: conceito e prática. São Paulo: Perse. 294p. v.1: il. 2018.

TOLFO, C.; RIZZATTI, E. O.; ALMADA, V. Inovação Tecnológica e Empreendedorismo: um relato na extensão universitária. In: Cristiano Tolfo. (Org.). Interações Dialógicas: ações extensionistas das engenharias e da computação com a sociedade. 1. ed. Bagé: Ediurcamp, 2017, v. 1, p. 31-47.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. Resolução nº 57, de 23 de maio de 2013. Bagé, 2013. Aprova o Regimento da Incubadora de Empresas de Base Tecnológica PampaTec Alegrete. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2018.

______. Resolução nº 18, de 20 de outubro de 2010. Bagé, 2010. Aprova o Regimento do Parque Científico e Tecnológico do Pampa (PampaTec). Disponível em: . Acesso em: 02 mai. 2018.

______. Conheça o PampaTec: Quem somos. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2018.

______. Projeto Institutional. Bagé, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2018.

WATANABE, M. et al. Interação da universidade-indústria-governo: publicações científicas no Brasil. In: Colóquio internacional de gestão universitária - CIGU, 15, 2015. Mar del Plata, Anais… Mar del Plata, Argentina, 2015.

ZOUAIN, D. M.; PLONSKI, G. A. Parques Tecnológicos: planejamento e gestão. Brasília: ANPROTEC: SEBRAE, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-034

Refbacks

  • There are currently no refbacks.