A necessidade do atendimento psicológico de plantão dentro das Delegacias de Defesa da Mulher / The need for psychological care on duty within the Women's Defense Police

Eduarda Lacerda Bordão, Maicoul de Souza Alves

Abstract


Este trabalho pretende discutir a necessidade da implantação do atendimento psicológico nas Delegacias de Defesa da Mulher (DDM) e sua importância para a vítima de violência por meio da vivência dos pesquisadores durante o estágio de conclusão do curso de psicologia que se resume ao atendimento realizado como plantão psicológico (PP). A violência doméstica se manifesta de diferentes formas e traz malefícios físicos, psicológicos e sociais. As DDM surgem em resposta à necessidade de um atendimento individual e humanizado frente ao atendimento mecanizado que era oferecido a tal demanda nas delegacias comuns. No decorrer do PP, a vítima é ouvida e acolhida buscando junto ao psicólogo, maneiras de diminuir o sofrimento causado pela violência sofrida. Durante a pesquisa foram atendidas 14 mulheres. Através deste estudo, conclui-se que é imprescindível que as delegacias ofereçam atendimento psicológico para as vitimas que à procuram e os funcionários que ali trabalham.

 


Keywords


delegacia da mulher; violência contra a mulher; atendimento psicológico.

References


AZEVEDO, M. A. Mulheres espancadas: a violência denunciada. Rio de Janeiro: Cortez. 1985.

BALBUENO, B. Investigação sobre atendimento psicossocial oferecido em delegacias de defesa da mulher. Psicólogo informado, n. 15. 2011. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoinfo/v15n15/v15n15a05.pdf > Acesso em: 01 jun 2018.

BLAY, E.A. Violência contra a mulher e políticas públicas. Estudos Avançados, v. 49, n. 17. 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ea/v17n49/18398.pdf > Acesso em: 08 jun 2018.

BRAGA, T.B.M; MOSQUEIRA, S.M.; MORATO, H.T.P. Cartografia clínica em plantão psicológico: investigação interventiva num projeto de atenção psicológica em distrito policial. Temas em Psicologia, v. 20, n. 02. Ribeirão Preto, 2012. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2012000200020 > Acesso em: 08 jun 2018.

FARINHA, M.G.; SOUZA, T.M.C. Plantão psicológico na delegacia da mulher: experiência de atendimento sócio-clínico. Rev. SPAGESP, vol.17, n.01. Ribeirão Preto, 2016. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702016000100007 > Acesso em: 15 jun 2018.

GROSSI, M.P. Rimando Amor e Dor: reflexões sobre violência no vínculo afetivo-Conjugal, 1998. In PEDRO, J.M. & GROSSI, M.P. (orgs.) Masculino, Feminino, Plural. Santa Catarina: Editora Mulheres.

JANUÁRIO, I. S. et al. Violência doméstica contra a mulher: diretrizes legais para a assistência de enfermagem. In Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem, 2010. Disponível em: < http://189.75.118.67/ CBCENF/sistemainscricoes/arquivosTrabalhos/I19725. E8.T3054.D4AP.pdf > Acesso em: 15 jun 2018.

JARA, J.M.V. Os entraves à efetividade das medidas protetivas de urgência da Lei n.11.340/2006. 2014. Dissertação (Bacharelado em Direito) – Centro Universitário de Brasília, Brasília. Disponível em: < http://repositorio.uniceub.br/bitstream/235/6037/1/21009773.pdf > Acesso em: 08 jun 2018.

MONTEIRO, C.F.S.; SOUZA, I.E.O. Vivência da violência conjugal: Fatos do cotidiano. Texto Contexto Enferm, v.16, n.1. Florianópolis, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/tce/v16n1/a03v16n1.pdf > Acesso em: 22 jun 2018.

OLIVEIRA, P.P.; VIEGAS, S.M.F.; SANTOS, W.J.; SILVEIRA, E.A.A; ELIAS, S.C. Mulheres vítimas de violência doméstica: Uma abordagem fenomenológica. Texto & Contexto – Enfermagem, v. 24, n. 01. Florianópolis, 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072015000100196&lng=en&nrm=iso&tlng=pt > Acesso em: 22 jun 2018.

PINTO, C.R.J. Feminismo, história e poder. Rev. Sociol. Polít., v. 18, n. 36, p. 15-23. Curitiba, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsocp/v18n36/03.pdf > Acesso em: 01 jun 2018.

REBOUÇAS, M.S.S.; DUTRA, E. Plantão Psicológico: Uma prática clínica da contemporaneidade. Revista da Abordagem Gestáltica, v. 16, n. 1, 2010. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v16n1/v16n1a04.pdf > Acesso em: 01 jun 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n5-1597

Refbacks

  • There are currently no refbacks.