Estenose de válvula aórtica e os microRNAs: o potencial papel dos futuros biomarcadores de lesão de doença valvar cardíaca. / Aortic valve stenosis and microRNAs: the potential role of future biomarkers of cardiac valve disease injury.

Javé Oliveira Valdeviño, Mario Antonio Raimundo Neto, Luiz Henrique Venturi de S. Ferreira, Isadora Avila, Lívia da Mata Lara, Gabriela Menichelli Medeiros Coelho, Marcelo Ferraz Sampaio

Abstract


Introdução a estenose valvar aórtica (eao) corresponde a uma das principais causas de morbimortalidade e não possui terapias médicas eficazes, entretanto, a identificação de novas vias moleculares associada aos mirnas  são os novos potenciais alvos da farmacoterapia já nos estágios iniciais da doença, ampliando as possibilidades terapêuticas.os micrornas estão envolvidos na maioria das funções celulares e são moléculas de rna pequenas regulatórias e não codificantes.Objetivo: caracterizar a função dos micrornas na fisiopatologia da eao, bem como possível papel como marcadores prognósticos dessa patologia.Metodologia trata-se de uma revisão de literatura realizada a partir da busca de publicações indexadas nas bases de dados lilacs, scielo e medical literatureandretrivial system online (medline), esta última através da interface pubmed. Utilizou-se os operadores booleanos “and” e “or”, e os seguintes descritores de busca: “estenose aórtica”, “microrna”, “calcificação” e “biomarcadores”. Através das opções de busca avançada, foram selecionados trabalhos publicados nos últimos cinco 5 anos (2012 a 2017), em todos idiomas. De 53 artigos selecionados, apenas 25 foram utilizados. Os artigos excluídos abordavam doenças cardíacas como cardiomiopatia hipertrófica e aterosclerose, ou então, não utilizaram tecidos humanos. Resultado e discussão a eao refere-se a um processo esclerótico o qual se manifesta progressivamenteatravés de inflamação, calcificação das lesões e degradação da matrizextracelular com consequente fibrose valvar. A calcificação da valva aórtica temum impacto clínico significativo, justamente pelo possível potencial de evoluçãopara estenose valvar e se sem intervenção, implica em hipertrofia ventricularresultando em última análise em insuficiência cardíaca e morte.Atualmente, a substituição da válvula aórtica, cirúrgica ou transcatéter, é a únicaterapia eficaz para o tratamento, porém são adiadas até os estágios tardios dadoença. Devido a essa situação, as terapias de próxima geração são necessáriaspara melhorar o desfecho e a qualidade de vida do paciente, visando os estágiosiniciais do desenvolvimento da doença antes da calcificação valvar se tornarirreversível. Logo, devido à essa questão clínica, uma nova variável começou aser considerada visto que estão associados à patogênese e à processososteogênicos resposáveis pela calcificação da válvula - os micrornas, os quaissão estudados para oferecer um novo tratamento não invasivo para os pacientese no estágio inicial da doença evitando, assim, a sua progressão. A ação erelação de certos mirnas com a estenose valvar como descritos na tabela 1podem sugerir e sinalizar processos patológicos envolvidos na patogenia da eaofuncionando como sinalizadores de calcificação como os mirna214,mirna125b; sinalizadores de formação de placa aterosclerótica comomirna155, mirna222, mirna424, mirna503 entre outros. Além disso, algumdeles estão relacionados à inibição desse processo patológico como omirna125a, mirna155, mirna146a e mirna33 que evitam o acúmulo delipídeos e o mirna26a, mirna30b e mirna141 que neutralizam a calcificação da válvula. Sendo assim, esses processos envolvem regulação coordenada de indutores einibidores da calcificação, muitas vezes influenciados pela superexpressão ouexpressão inibida de certos mirnas com mecanismos precisos ainda estão malelucidados. Logo, o avanço de pesquisas nessa área podem revolucionar otratamento da eao além de reduzir os fatores de risco para outras doenças comopor exemplo o infarto agudo do miocárdio. Conclusão as perspectivas mostram um grande desafio na identificação de biomarcadores de mirna nos diferentes estágios da estenose aórtica. Alguns micrornas apresentam grande potencial para avaliação de gravidade de progressão patológica, já outros serviriam na monitorização de eventos pós-operatórios, associados a exames de imagens. Os estudos apresentaram os micrornas como novas vias terapêuticas, entretanto, uma grande barreira encontra-se nas diferenças entre as expressões moleculares dos pacientes, além de gastos ainda dispendiosos. Nesse aspecto, os micrornas surgiriam em um contexto de tratamento muito mais personalizado, conforme as expressões moleculares induvidualizadas para down-, upregulationdos biomarcadores na doença valvar aórtica

 

 


Keywords


AorticValveStenosis; MicroRNAs; Biomarkers; Calcification.

References


BEUAMONT J. et al, microRNA-122 down-regulation may play a role in severe myocardial fibrosis in human aortic stenosis through TGF-β₁ up-regulation. Clinical Science, publicado na Grã-Bretanha, Vol. 126, páginas 497-506.

COFFEY S., et al, IntegratedmicroRNAandmessenger RNA analysis in aorticstenosis. ScientificReports, publicado online em 23 de novembro de 2016, vol. 6, número 36904, páginas 1-10.

FABIANI I., et al, Micro-RNA-21 (biomarker) and global longitudinal strain (functional marker) in detection of myocardial fibrotic burden in severe aortic valve stenosis: a pilot study, journal translational medicine, publicadoonline 27 de agosto de 2016, vol. 14, número 248, páginas 1-11.

HEATH J.M., et al, Mechanosensitive microRNA-181b Regulates Aortic Valve Endothelial Matrix Degradation by Targeting TIMP3. Cardiovascular Engeneeringand Technology, publicado online em 24 de fevereiro de 2017.

IACOPO F. et al. Review in TranslationalCardiology: MicroRNAsandMyocardialFibrosis in AorticValveStenosis, a Deep Insight onLeft Ventricular Remodeling, Journalof Cardiovascular Echography; publicado online em outubro-dezempro de 2016, vol. 26, número 4, páginas 109-114.

KUSTER D.W.D., et al, MicroRNA transcriptome profiling in cardiac tissue of hypertrophic cardiomyopathy patients with MYBPC3 mutations, Journal of Molecular and Cellular Cardiology, 19 de setembro de 2013, páginas 1 à 8.

LIU W. et al, Circulating microRNAs correlated with the level of coronary artery calcification in symptomatic patients, Sientific Reports, publicado on line em 05 de novembro de 2015, vol. 5, número 16099, páginas 1-10.

LÖWEL, H et al. The Population-Based Acute Myocardial Infarction (AMI) Registry of the MONICA/KORA Study Region of Augsburg. das Gesundheitswesen, [s.l.], v. 67, n. 01, p.31-37, 19 jul. 2005. Georg Thieme Verlag KG. http://dx.doi.org/10.1055/s-2005-858241.

OURY C. et al, MicroRNAs in Valvular Heart Diseases: Potential Role as Markers and Actors of Valvular and Cardiac Remodeling, International Journal of Molecular Science, publicado online em 17 de julho de 2016, vol. 17,número 7, página 1120-1137.

PALACÍN M., et al, Profile of microRNAs in the plasma of hypertrophic cardiomyopathy patients compared to healthy controls, International Journal Of Cardiology, 10 de setembro de 2013, Vol. 167, número 6, páginas 3075-3076.

SOUZA R. W. A., et al, Regulation of cardiac microRNAs induced by aerobic exercise training during heart failure. American journalofphysiologyheart e circulatoryphysiology, publicado online em 15 de novembro de 2015, vol.309, número 10, páginas H1629-1641.

TAKAHASHY K.. et al. Dysregulationofossification-relatedmiRNAs in circulatingosteogenic progenitor cellsobtainedfrompatientswithaorticstenosis, Clinical Science, publicado em Londres, 1 de Julho de 2016, vol. 130, número 13, páginas 1115-1124.

VAN DER VEN C.F.T., Et al, In vitro3D modelandmiRNAdrug delivery totargetcalcificaorticvalvedisease,Clinical Science, publicado em Londres, 1 de fevereiro de 2017, vol. 113, número 3, páginas 181-195.

WEBER K., ROSTERT N., BAUERSACHS S.,WESS G., Serum microRNA profiles in cats with hypertrophic cardiomyopathy; Springer science+Business Media; publicado na Alemanha; January 2015.

XIAO F. I., et al. M1 macrophagespromoteaorticvalvecalcificationmediatedby microRNA-214/TWIST1 pathwayin valvular interstitialcells, American JournalTranslationalResearch, publicado online em 15 de dezembro de2016, Vol. 8, número 12, páginas 5773-5783.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n5-1523

Refbacks

  • There are currently no refbacks.