O conto de fadas no desenvolvimento da oralidade em alunos do ensino especial / The fairy tale in the development of orality in students of special education

Marta Brügger, Keila Núbia Barbosa Ibrahim Abdelkarem

Abstract


Este artigo teve como objetivo analisar o processo ensino-aprendizagem por meio do eixo da oralidade utilizando-se da contação de estórias infantis para alunos com necessidades especiais, Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD). A pesquisa foi feita com alunos de nove e treze anos em uma escola pública do DF utilizando como exemplo a História de Chapeuzinho Vermelho. A metodologia utilizada foi uma pesquisa-ação. O ser humano é multifacetado, traz em sua composição dificuldades e facilidades para aprender. Ao professor fica a responsabilidade de construir um olhar que o possibilite enxergar seu aluno como um todo e que tendo a habilidade de lançar esse olhar, busque caminhos e estratégias diversas para adentrar ao universo do educando. Por meio da divulgação de ideias como as de Freire e Vygotsky, como da mediação e da internalização, vem-se configurando uma visão essencialmente social para o processo de aprendizagem. Numa perspectiva histórico-cultural, o enfoque está nas relações sociais. É por meio da interação com outros que a criança incorpora os instrumentos culturais. A percepção da oralidade e da escrita enquanto práticas sociais da linguagem revelam a educação na língua materna como competência comunicativa do aluno para atuação em diferentes contextos. Observou-se que as atividades orientadas à oralidade são positivas para potenciar linguística e socioculturalmente a todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem, assim como na elaboração de estratégias linguísticas a partir de situações, temporalidades, ambientes de convívios e personagens que compõem a sua leitura, o seu “estar” no mundo.

 


Keywords


Contação de Estórias; Aprendizagem; Oralidade.

References


BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanalise dos contos de fadas. 18. ed. Rio de janeiro: Paz e Terra, 2004.

CAMARA, Tania Maria Nunes de Lima. Gêneros Orais na Sala de Aula da Educação Básica: Abordagem nos Livros Didáticos e Reorientação Metodológica. Linguística Textual e Pragmática. Rio de Janeiro: Cifefil, 2014

CHAER, Mirella Ribeiro; GUIMARÃES, Edite da Glória Amorim. A importância da oralidade: educação infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental. Pergaminho - Centro Universitário de Patos de Minas, (3):71‐88, nov. 2012

FRANCO, M, I. Educação Ambiental e pesquisa ação participante. Annalume Editora, 2012.

FREIRE, P. Educação com prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980. 10. Ed.

MAINARDES, R.de C. A. A arte de contar histórias: Uma teia mágica que enreda leitores. Material organizado para o Seminário de Formação de Professores: Desafios e Perspectivas da Secretaria Municipal de Educação de Fazenda Rio Grande. Retirado em 01/06/2008

MORALES, P. A relação professor-aluno: o que é como se faz. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

SANTOS, Maria Gabriela da Silva; FARAGO, Alessandra Corrêa. O desenvolvimento da oralidade das crianças na Educação Infantil. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro-SP, 2 (1): 112-133, 2015.

SOUZA, Maria Betânia Dantas de; CAMPÊLO, Márcia Rejane Brilhante. A Oralidade nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental de Língua Portuguesa: algumas considerações. Departamento do Programa de Pós–Graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 2011. Disponível em:. Acesso em: 15 jun 2017.

VIGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n5-1513

Refbacks

  • There are currently no refbacks.