Jogo detetive evolução vegetal: um recurso facilitador para a prática docente no ensino da botânica / Game detective plant evolution: a facilitator resource for teaching practice in teaching botany

Carmem Maria da Rocha Fernandes, Clécio Danilo Dias-da- Silva, Lúcia Maria de Almeida, Daniele Bezerra dos Santos, Airton Araújo de Souza Júnior

Abstract


 A transposição didática de conteúdos agrega sua finalidade para a produção de um discurso em campo intelectual científico, quando a mesma propõe estratégias de ensino que promovem o conhecimento e sua ampliação quanto sua significação para o aluno, durante o processo de mediação. Nessa perspectiva, a prática pedagógica de caráter inovador estabelece uma mobilização efetiva no processo de ensino-aprendizagem quando o professor detém de recursos didáticos que possam facilitar sua mediação e ao mesmo tempo ser estimulador aos estudantes para compreensão do objeto a ser estudado. Dessa forma, o jogo Detetive- Evolução Vegetal foi o recurso didático neste trabalho utilizado, com isso a presente pesquisa utilizou essa estratégia de ensino na transposição de conteúdos sobre evolução vegetal para alunos do sétimo ano; na intenção de verificar a importância da mesma como instrumento facilitador de ensino e de aprendizagem. Assim, consideramos que os resultados alcançados fizeram emergir um ensino de qualidade sobre a evolução dos vegetais com a utilização do jogo Detetive - Evolução Vegetal que transpôs o conhecimento da Botânica que é caracterizado como difícil, tornando a mediação desse conhecimento de fácil acesso através de uma prática que buscou além da aprendizagem dos conceitos que alicerçam os conteúdos sobre o processo evolutivo das plantas, como também durante a aplicação destes em aulas por meio da ludicidade.


Keywords


Ensino de Ciências; Aprendizagem; Evolução vegetal; Jogo, Prática docente.

References


BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes, 1996.

BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Ática. 1998.

CAMPOS, L. M. L.; BORTOLOTO, T. M.; FELÍCIO, A. K. C. A produção de jogos didáticos para o ensino de Ciências e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Cadernos dos Núcleos de Ensino, v. 3548, 2003. Disponível em:. Acesso em: 21 mar. 2018.

ENGEL, G. I. Pesquisa-ação. Educar em Revista, n. 16, p. 181-191, 2000.

GALLO, S. N. Jogo como elemento da cultura: aspectos contemporâneos e as modificações na experiência do jogar. 2007. 200p. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2018.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Cortez, São Paulo, 1996.

MELO, E. A.; ABREU, F. F.; ANDRADE, A. B.; ARAÚJO M. I. O. A aprendizagem de botânica no ensino fundamental: dificuldades e desafios. Scientia Plena, Sergipe, v. 8, n. 10, p. 112, 2012. Disponível em: . Acesso em: 04 de jul. 2018.

MORIN, A. Pesquisa-ação integral de sistêmica: uma antropopedagogia renovada. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

PÉREZ SERRANO, G. Investigación cualitativa: retos e interrogantes. II. Técnicas y análisis de datos. Madrid, La Muralla, 1994.

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

PINTO, J. B. G. Pesquisa-Ação: Detalhamento de sua sequência metodológica. Recife, 1989, Mimeo.

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SANDIN ESTEBAN, M. P. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: Artmed, 2010.

SCHWARZ, V. R. K. Contribuição dos jogos educativos na qualificação do trabalho docente. 2006. 92p. Tese (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/, Porto Alegre, 2006. Disponível em: : Acesso em: 24 mar. 2018.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

VALADARES, B. L. B.; RESENDE, R. O. “Na Trilha Do Sangue”: O Jogo Dos Grupos Sanguíneos. Genética na Escola. 3, n. 3, p. 10-16, 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2018.

VOLANTE ZANON, D. A.; GUERREIRO, M. A. S.; OLIVEIRA, R. C. Jogo didático Ludo Químico para o ensino de nomenclatura dos compostos orgânicos: projeto, produção, aplicação e avaliação. Ciências & Cognição, v.13, n. 1, p. 72-81, 2008. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n5-1500

Refbacks

  • There are currently no refbacks.