Percepção de saúde e comorbidades do idoso: perspectivas para o cuidado de enfermagem / Perception of health and comorbidities of the elderly: perspectives for nursing care

Rebeca Cavalcanti Leal, Samara Maria de Jesus Veras, Maria Aparecida de Souza Silva, Cláudia Fabiane Gomes Gonçalves, Cynthia Roberta Dias Torres Silva, Ana Karine Laranjeira de Sá, Valdirene Pereira da Silva Carvalho, Juliane da Silva Pereira

Abstract


Objetivo: Descrever a autopercepção de saúde e de morbidade de idosos de uma Unidade Básica de Saúde da Família, sob a vertente do cuidado integral e equânime de enfermagem na Atenção Primária. Introdução: O idoso pode interpretar o seu declínio de saúde de diversas maneiras, sendo esta autopercepção um importante e confiável preditor de morbidade física, emocional e de déficit funcional. O aumento da população idosa, consequentemente, aumenta também a incidência de dependência deste segmento social; surgindo a necessidade de novas modalidades de prestação de assistência à saúde. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo de abordagem quantitativa, que teve como população alvo 103 idosos. Variáveis investigadas: percepção de saúde e perfil de morbidades. Aprovado pelo Comitê de Ética sob Protocolo n.º 45553615.0.0000.5189. Resultados: Os resultados da autopercepção de saúde demonstraram que 40,8% (n=42) dos idosos progrediram para situação pior do que há cinco anos. Quando comparada a sua saúde com a de outros idosos, 19,4% (n=20) estavam em condições piores de saúde que a maioria dos idosos. Os distúrbios referenciados pelos participantes foram: problemas cardíacos (58,3%), musculoesqueléticos (31,1%), endócrinos (25,2%), respiratórios (7,8%), renais (5,8%), psicológicos (5,8%), neurológicos (4,9%), oculares (4,9%), outros (19,4%). Considerações finais: A população estudada possuía uma autopercepção de saúde negativa em comparação aos últimos cinco anos e aos demais idosos com a mesma idade e apresentavam doenças crônicas com um perfil de diversas morbidades, necessitando de maiores cuidados devido ao aumento do risco de mortalidade.

 


Keywords


Saúde do idoso, Atenção Primária á Saúde, Enfermagem;

References


ARAÚJO, C. M. et al. Atenção domiciliar ao idoso na visão do cuidador: interface no processo de cuidar. Rev. Enf. Rev. n.16, v.2, p.98-110, 2013. Disponível em: Acesso em:

de setembro de 2013.

ARRUDA, G. O.; LIMA, S. C. S.; RENOVATO, R. D. Uso de medicamentos por homens idosos com polifarmácia: representações e práticas. Revista Latino-Americana de

Enfermagem, v. 21, n. 6, 2013. Disponível em: Acesso em: 23 de Outubro de 2018.

ASSUMPÇÃO, C. O. et al. Treinamento resistido frente ao envelhecimento: uma alternativa viável e eficaz. Anuário da Produção Acadêmica Docente, v. 2, n.3, p.451-476, 2008. Disponível em: Acesso em: 13 de outubro de 2018.

BORGES, A. M., et al. Autopercepção de saúde em idosos residentes em um município do interior do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.17, n.1, p.79- 86, 2014. Disponível em:

BISPO, I. M. J. et al. Fatores de risco cardiovasculares e características sociodemográficas em idosos cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família. O Mundo da Saúde, v.40, n.3, p.334-342, 2016. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.15343/0104-7809.20164003334342> Acesso em: 20 de outubro de 2018.

BRITO, F. A. Transição demográfica no Brasil: as possibilidades e o desafio para a economia e a sociedade. CEDEPLAR/UFMG. Belo Horizonte, 2007. Disponível em: Acesso em: 7 de setembro de 2017.

CECCHIN, L. et al. Polimedicação e doenças crônicas apresentadas por idosos de uma instituição de longa permanência. Revista FisiSenectus, v. 2, n. 1, p. 25-32, 2015. Disponível em: Acesso em: 24 de outubro de 2018.

CONFORTIN, S. C. et al. Autopercepção positiva de saúde em idosos: estudo populacional no Sul do Brasil. Cadernos de saude publica, v. 31, p. 1049-1060, 2015. Disponível em: Acesso em: 28 de outubro de 2018.

FARIAS, R. G.; SANTOS, S. M. A. Influência dos determinantes do envelhecimento ativo entre idosos mais idosos. Texto contexto-enferm. v.21, n.1, p.167-176, 2012. Disponível em: Acesso em: 20 de abril de 2017.

FECHINE, B. R. A.; TROMPIERI, N. O processo de envelhecimento: as principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. Revista Científica Internacional, v.1, n.7, 2012. Disponível em: Acesso em: 21 de fevereiro de 2018.

FILHO, P. A. T. Asma brônquica: asma no idoso. 2016. Disponível em: Acesso em: 13 maio de 2016.

FUHRMANN, A. C. et al. Associação entre a capacidade funcional de idosos dependentes e a sobrecarga do cuidador familiar. Rev. Gaúcha Enferm. v.36, n.1, 2015. Disponível em:

HAJJAR, I. et al. Hypertension, white matter hyperintensities and concurrent impairments in mobility, cognition and mood: The Cardiovascular Health Study. Circulation, 1; 123(8): 858–865, 2011. Disponível em:

Acesso em: 2 de abril de 2017.

IBGE. Um panorama da saúde no Brasil: acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção da saúde. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Rio de Janeiro, 2010.

IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios. Instituto Brasileiro de Geografia e

Estatísticas, v.30, p.1-133, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: Acesso em: 12 de agosto de 2016.

LIMA, Thaís Jaqueline Vieira de et al. Humanização na atenção básica de saúde na percepção de idosos. Saúde e Sociedade, v. 23, p. 265-276, 2014. Disponível em:

Acesso em: 2 de abril de 2017.

LOUIVISON, M. C. P. Avaliação da atenção ás condições crônicas em idosos: Hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus como condições traçadoras. São Paulo. Tese [Doutorado em saúde pública] – Universidade de São Paulo, 2011.

MIRANDA, L. C. V. Fatores associados à qualidade de vida de idosos de um centro de referência, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte; 2014.

NETO, L. S. S. et al. Associação entre sarcopenia, obesidade sarcopênica e força muscular com variáveis relacionadas de qualidade de vida em idosas. Revista Brasileira de Fisioterapia, v.16, n.5, p.360-367, 2012.

NUNES, E. R. F.; VERENE, M. R. Atividade física e idosos da associação Adeli Bento da Silva na cidade de Porto Velho/RO. Monografia [especialização] - universidade federal de Rondônia. Porto Velho, 2015.

OMS. Relatório mundial de envelhecimento e saúde. Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2015. Margaret Chan. Disponível em: Acesso em: 25 de agosto de 2016.

POUBEL, P. B. et al. Autopercepção de saúde e aspectos clínico-funcionais dos idosos atendidos em uma unidade básica de saúde no norte do Brasil. J Health Biol Sci. v.5, n.1, p.71-78, 2017.

SILVA, E. A.; MACEDO, L. C. Polifarmácia em idosos. Rev. Saúde e Pesquisa, v.6, n.3, p.477-486, 2013.

SILVA, A. L. et al. Utilização de medicamentos por idosos brasileiros, de acordo com a faixa etária: um inquérito postal. Cad Saúde Pública, v.28, n.6, p.1033-1045, 2012.

SILVA, I. T.; JUNIOR, E. P. P.; VILELA, A. B. A. Autopercepção de saúde de idosos que vivem em estado de corresidência. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 17, n. 2, p. 275-287, 2014.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq Bras Cardiol., 2013. Disponível

em: Acesso em: 22 de outubro de 2018.

VIDMAR, M. F. et al. Atividade física e qualidade de vida em idosos. Revista Saúde e Pesquisa. Rev. Saúde e Pesquisa, v.4, n.3, p.417-424, 2011.

VITÓRIA. Secretaria de Assistência Social. Conselho municipal do idoso de Vitória. Viver e envelhecer. Manual de orientação dos estudos sobre envelhecimento. Vitória, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-881

Refbacks

  • There are currently no refbacks.