Produção de sabonetes fitoterápicos usando produtos das abelhas Apis mellifera L. e Melipona subnitida D. com plantas do semiárido nordestino contra afecções cutâneas / Production of phytotherapy soap using products from the bees Apis mellifera L. and Melipona subnitida D. with northeastern semi arid plants against cutaneous diseases

Maria da Conceição Tavares Cavalcanti Liberato, Kamila de Lima Barbosa, Amanda Batista Nascimento, Kananda Lara Santos Sales, Sarah Geysa de Oliveira Ribeiro, Álvaro Ventorini Vasconcelos, Geovana Costa Aguiar, Ayrton Augusto Marques dos Santos

Abstract


A existência de cerca de 250.000 espécies de plantas superiores torna possível deduzir que muitas substâncias com atividade medicinal podem ser isoladas. Alguns dos mais importantes produtos naturais incluem o mel e a cera das abelhas, própolis e a utilização de algumas plantas do semiárido cearense, como: Babosa, cajueiro, marmeleiro preto, alecrim pimenta, alecrim da chapada e pau d’arco rosa que possuem confirmadas cientificamente atividades antimicrobianas, anti-inflamatórias e cicatrizantes. O objetivo do estudo é a produção de sabonetes fitoterápicos a partir dos extratos de plantas do semiárido cearense associadas ao mel, própolis e geopropólis de Apis mellifera L. e Melipona subnitida D. para uso em afecções cutâneas. As amostras foram conduzidas a testes fitoquímicos e biológicos para atividade antioxidante. Os testes fitoquímicos realizados no extrato etanólico das folhas e nos produtos apícolas evidenciaram a presença de fenóis, taninos, flavonoides, saponinas, esteroides e alcaloides. O cajueiro e o mel produzido pela abelha Apis mellifera apresentaram melhor atividade antioxidante frente as plantas selecionadas e os produtos apícolas e meliponícolas, respectivamente. Conclui-se que os mesmos aliados podem trazer grandes benefícios dentre eles atividade anti-séptica para o tratamento caseiro de afecções cutâneas.

 

 


Keywords


Abelhas, plantas, fitoterápicos

References


BALTRUSAITYTE, V., VENSKUTONIS, P. R.,EKSTERYT, V. Radical Scavenging Activity of Different Floral Origin Honey and Beebread Phenolic Extracts. Food Chemistry, v. 101. p. 502-514, 2007.

BEDI, M. K.; SHENEFELT, P. D. Herbal therapy in dermatology. Arch Dermatol. v. 1138; p. 232-242. 2002.

BERG, J. M. T. e LUBERT, J. (2008), Bioquímica. 6.Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 545p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento. Instrução Normativa n. 3, 19 jan 2001.

CARLO, G.D., MASCOLO, N., IZZO, A.A., CAPASSO, F., 1999. Flavonoids: old and new aspects of a class of natural therapeutic drugs. Life Sci. 65, 337–353.

DANTAS, Ivan Coelho; GUIMARÃES, Flávio Romero. Plantas medicinais comercializadas no município de Campina Grande, PB. Revista de Biologia e Farmácia, V.1, n.1, 2007.1.

MERTZ P.M., EAGLSTEIN W.H. "Inert" vehicles do affect wound healing. Journal of Investigative Dermatology. 74(2):90‐1, 1980.

FUNARI, C. S.; FERRO, V. O. 2006. Análise de Própolis. Ciênc Tecnol Aliment 26: 171-178.

GUARATINI, T.; MEDEIROS, M. H. G.; COLEPICOLO, P. Antioxidante na manutenção do equilíbrio redox cutâneo: uso e avaliação de sua eficácia. Química Nova, v. 30, n. 1, p. 206-213, São Paulo, 2007.

LOGUERCIO, A. P. et al. Atividade antibacteriana de extrato hidro-alcoólico de folhas de jambolão (Syzygium cumini (L.) Skells). Ciência Rural, v. 35, n. 2, p. 371-376, 2005.

MATOS, F. J. de A. Introdução à fitoquímica experimental. 3. ed. Fortaleza: Edições UFC, 2009.

MORENO, M.I.N.; ISLA, M.I.; SAMPIETRO, A.R.; VATTUONE , M.A. Comparison of the free radical scavenging activity of propolis from several regions of Argentina. Journal of Ethnopharmacology, v.71, p.109-114, 2000.

PIETTA, P.G. 2000. Flavonoids as antioxidants. Journal of Natural Products. 63: 1035-1042, 2001.

SALGADO, J. M. (2009), Guia dos Funcionais: Dieta Alimentar para Manter a Saúde e Evitar Doenças. Rio de Janeiro: Ediouro, 192p.

SCHENKEL EP, GOSMANN G, ATHAYDE ML 2003. Saponinas. In: Simões CMO, Schenkel EP, Gosmann G, Mello JCP, Mentz LA, Petrovick PR (org.). Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5.ed. Porto Alegre/Florianópolis: Ed. UFRGS/Ed. UFSC, p. 711-740.

SCHMITZ, W.; SAITO, Y. A.; ESTEVÃO, D.; SARIDAKIS, O. H. Gren tea as achemoprotector: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 26, n. 2, p. 119-130, jul./dez. 2005.

SGARBIERI, V. C. 1996. Proteínas em alimentos protéicos: propriedades – degradações – modificações. São Paulo: Varela, 517 p.

SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G. et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 6. ed. Florianópolis: UFSC, 2007.

SOUSA, C. M. M.; SILVA, H. R.; JUNIOR, G. M. V.; AYRES, M. C. C.; COSTA, C. L. S. da.; ARAÚJO, D. S.; CAVALCANTE, L. C. D.; BARROS, E. D. S.; ARAUJO. P. B. M.; BRANDÃO, M. S.; CHAVES, M. H. Fenóis totais e atividade antioxidante de cinco plantas medicinais. Química Nova. São Paulo. vol. 30, no. 2. p. 351-355, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-641

Refbacks

  • There are currently no refbacks.