Perfil de Casos Notificados de Sífilis Congênita no Estado de Goiás entre 2015 a 2018 / Profile of Notified Cases of Congenital Syphilis in the State of Goiás among 2015 to 2018

Roberta Rosa de Souza, Pedro Ivo da Silva, Dayane de Lima Oliveira, Maikiane Aparecida Nascimento, Valéria Moura de Carvalho, Camila Aparecida Nunes de Albuquerque, João Pedro Brambilla Ederli, Marielly Sousa Borges

Abstract


A sífilis congênita (SC) é doença infectocontagiosa causada pela bactéria Treponema pallidum, e ocorre pela disseminação hematogênica da bactéria de uma gestante infectada para o feto, por via transplacentária. A transmissão vertical chega a variar de 70 a 100% em gestantes não tratadas.  O objetivo foi analisar registros de casos notificados de sífilis congênita no estado de Goiás no ano de 2015 a 2018. Trata-se de um estudo transversal com análise de dados secundários de informações coletadas no DATASUS. Variáveis como número de casos, escolaridade, raça e custos e número de internações foram investigados de forma descritiva. Foram notificados 1782 casos de sífilis congênita no estado de Goiás de 2015 a 2018. Goiânia foi o município com maior notificação de casos, seguida de Aparecida de Goiânia e Anápolis. 96,6% dos pacientes foram diagnosticados nos 6 primeiros dias de vida. A informação de escolaridade das mães esteve disponível em apenas 327 casos, destas a maioria possuía somente 5 a 8ª serie incompleta do ensino fundamental. O custo médio das internações por sífilis congênita foi de 474,29 reais. Os resultados obtidos expõem deficiências nas medidas de controle e reforçam a importância da captação precoce de gestantes para a assistência pré-natal, a oferta nas unidades de saúde de teste rápido para diagnóstico da doença, disponibilidade de preservativos e da penicilina benzatina para tratamento da SC.


Keywords


Sífilis congênita, Gestantes, Transmissão vertical.

References


BRASIL: MINISTÉRIO DA SAÚDE, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/AIDS. Diretrizes para controle da sífilis congênita: manual de bolso. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de Vigilância Epidemiológica: volume único. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_4ed.pdf Acesso em: 03 jul. 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sífilis 2017. Bol Epidemiol. 2017 nov;48(36):1-41.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE [internet]. Rede Cegonha. 2015 [citado 2020 maio 5]. Disponível em: https://www.saude.gov.br/acoes-e-programas/rede-cegonha

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilancia em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Caderno de boas práticas: o uso da penicilina na atenção básica para a prevenção da sífilis congênita no Brasil [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde ; 2015 [citado 2020 maio 5]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/penicilina_para_prevencao_sifilis_congenita%20_brasil.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico de Sífilis, 2018

[Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2018 [citado 2020 maio 5]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-de-sifilis-2018

BRITO, V. Plano de ação para enfrentamento da sífilis congênita no município de Macapá: o desafio da mudança. [S. l.: s. n.], 2014. 34 p. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/173244/Vilma%20Maria%20da%20Costa%20Brito%20-%20materno%20-%20tcc.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: 30 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde a Rede Cegonha. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2011. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

CAVALCANTE, A. et al. Factors associated with inadequate follow-up of children with congenital syphilis. Revista de Saúde Pública, [S. l.], p. 1-10, 10 mar. 2019.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION (CDC). Congenital Syphilis. 2015. Disponível em: https://www.cdc.gov/std/tg2015/congenital.htm Acesso em: 03 jul. 2020.

DOMINGUES, R.; LEAL, M. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública, [S. l.], p. 1-12, 8 jun. 2016.

DELBEN, T. V. T.; VIANA, T. R. Sífilis- Características e nova abordagem. Saúde & Conhecimento-Jornal de Medicina Univag, v. 1, 2018.

DOBSON, S.R.; SANCHEZ, P.J. Sífilis. Em: Feigin e Cherry's Textbook of Pediatric Infectious Diseases, 8ª edição, Cherry JD, Harrison GJ, Kaplan SL, et al (Eds), Elsevier Saunders, Filadélfia 2019. p.1268.

HOPKINS, A.O.; TRINH T.; FAKILE Y.F.; PILLAY A.; TAYLOR M.M.; KERSH E.; KAMB M. Evaluation of the WHO/CDC Syphilis Serology Proficiency Programme to support the global elimination of mother-to-child transmission of syphilis: an observational crosssectional study, 2008–2015. BMJ Open. 10:e029434, p. 1-8, 2020.

KIMBALL, A. Missed Opportunities for Prevention of Congenital Syphilis — United States, 2018. Morbidity and Mortality Weekly Report, [S. l.], p. 661-665, 5 jun. 2020.

LEAL, T. L. S. L. et al. Perfil epidemiológico dos casos de sífilis congênita no Maranhão. Revista Eletrônica Acervo Científico, v. 8, p. e2936-e2936, 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim Epidemiológico, Sífilis 2019. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2019/outubro/30/Boletim-S--filis-2019-internet.pdf. Acesso em: 18 jun. 2020.

NETO, L. et al. Epidemiologia da sífilis gestacional e congênita no estado de Goiás no período de 2013 a 2018. Revista Brasileira Militar de Ciências , [S. l.], p. 64-71, 14 dez. 2019. Disponível em: https://rbmc.emnuvens.com.br/rbmc/article/view/19/22. Acesso em: 18 jun. 2020.

RIBEIRO, M. D. et al. Análise retrospectiva da evolução clínica dos casos de sífilis congênita tratados com ceftriaxone ou penicilina nos anos de 2016 até junho de 2018 no ambulatório de referência no município de Teresópolis. Revista da JOPIC, v. 3, n. 6, 2020.

SOARES, B. et al. Perfil das notificações de casos de sífilis gestacional e sífilis congênita. Sanare, [S. l.], p. 51-59, 4 jul. 2017.

STOREY, A.; SEGHERS, F.; PYNE-MERCIER, L.; PEELING, R.W.; OWIREDU, M. N.; TAYLOR, M. M. Syphilis diagnosis and treatment during antenatal care: the potential catalytic impact of the dual HIV and syphilis rapid diagnostic test. The Lancet Global Health, v. 7, n. 8, p. 2020.

SOUSA, F. C. A. et al. Perfil da Sífilis na Gestação no Período de 2007/2016 em Caxias-MA. Revista Enfermagem Atual In Derme, v. 91, n. 29, 2020.

SOUZA, J. G. N. et al. Análise epidemiológica da sífilis congênita no sertão central cearense de 2006 a 2015. Revista Expressão Católica Saúde, v. 3, n. 2, p. 18-23, 2018.

TRINH, T.; LEAL, A. F.; MELLO, M.B.; TAYLOR, M.M.; BARROW, R.; WI, T.E.; KAMB, M.L. Syphilis management in pregnancy: a review of guideline recommendations from countries around the world. Sexual and Reproductive Health Matters, v. 27, n. 1, p. 69–82, 2019.

TRIVEDI, Shivika et al. Evaluating coverage of maternal syphilis screening and treatment within antenatal care to guide service improvements for prevention of congenital syphilis in Countdown 2030 Countries. Journal Global Health, [S. l.], p. 1-9, 14 mar. 2020. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7138526/pdf/jogh-10-010504.pdf. Acesso em: 28 maio 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-497

Refbacks

  • There are currently no refbacks.