Prevalência da Leishmaniose Visceral Canina no Hovet Unimes em Santos-SP / Prevalence of Canine Visceral Leishmaniasis at Hovet Unimes in Santos-SP

Bruna Martinelli Cortegiano, Thais Martins Chucri

Abstract


A leishmaniose visceral canina é uma doença infecciosa crônica, que se encontra atualmente entre as doenças tropicais prioritárias da Organização Mundial de Saúde, sendo frequentemente letal. A mesma possui alta incidência e importância, devido a sua alta prevalência e as suas consequências à saúde pública. A discussão a respeito dos métodos disponíveis para diagnóstico e controle se torna necessária devido a doença estar em franco crescimento no país. Em uma revisão da literatura foi feita a abordagem a respeito da epidemiologia, efeitos das mudanças ambientais e clínica da doença, tendo como principal objetivo analisar o número de casos de cães positivos para a Leishmaniose Visceral Canina (LVC) no hospital veterinário HOVET.


Keywords


zoonose, leishmania infantum, cães.

References


ALMEIDA, A.B.P.F.; FARIA, R.P.; PIMENTEL,M.F.A.; et. al. Inquérito soroepidemiológico de leishmaniose canina em áreas endêmicas de Cuiabá, Estado de Mato Grosso. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical v. 42 p.156-159, 2009.

ARRUDA, M. M. Leishmanioses. In: Programa de zoonoses Região Sul: manual de zoonoses. Curitiba: Conselho Regional de Medicina Veterinária do Paraná, Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina, Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul, 2009. p. 68-90

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Decreto-Lei nº 467, de 13 de fevereiro de 1969. Dispõe sobre a fiscalização de produtos de uso veterinário, dos estabelecimentos que os fabricam e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 15 de maio de 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Coelho E. A; Tavares C. A; Carvalho F.A; Chaves K.F; Teixeira K.N; Rodrigues R.C; Charest H; Matlashewski G; Gazzinelli R.T; Fernandes A.P; Immune responses induced by the Leishmania (Leishmania) donovani A2 antigen, but not by the LACK antigen, are protective against experimental Leishmania (Leishmania) amazonensis infection. Infect Immun. 2003 Jul;71(7):3988-94.

CONTIJO, C. M. F; Leishmaniose visceral no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Revista brasileira epidemiológica, vol.7 SP, n.03, 2004.

COUTO, C. G.; et al. Doenças protozoárias polissistêmicas: medicina interna de pequenos animais. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. P 103-140

Fernandes A.P; Costa M.M; Coelho E.A; Michalick M.S; Freitas E; Melo M.N; Tafuri W. L, Resende M; Hermont V; Gazzinelli R.T; Protective immunity against challenge with Leishmania (Leishmania) chagasi in beagle dogs vaccinated with recombinant A2 protein.Vaccine. 2008 Oct 29;26(46):5888-95.

GENARO O. Leishmaniose visceral canina experimental [Tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Ciências Biológicas;1993.

GRIMALDI, G. J; TEVA A.; FERREIRA AL. Evaluation of a novel chromatographic immunoassay based on Dual-Path Platform technology (DPP® CVL rapid test) for the serodiagnosis of canine visceral leishmaniasis. Trans R Soc Trop Med Hyg. 2012 Jan;106(1):54-9.

HOCKEMEYER WT, Wellde BT, Sabwa CLA. Complement fixation test for visceral leishmaniasis using homologous parasite antigen. Ann Trop Med Parasitol 1984; 78:489-93.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ, II INFORME TÉCNICO: Leishmaniose visceral americana. Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo, ed. MS, p.13-14, 2003.

KONTOS, V.J.; KOUTINAS, A.F. Old world canine leishmaniasis. Compendium on Continuing Education for the Practing Veterinarian, v.15, n.7, p.949-959, 1993.

LAINSON, R.; SHAW, J.J. Evolution, classification and geographical distribution. In: PETERS, W.; KILLICK-KENDRICH, R. 2 ed. The leishmaniasis in biology and medicine. London: Academic Press. p.1-121, 1987

LITTLE, S. E. Protozoal Diseases. Leishmaniases. In GREENE, C. E. Infectious diseases of the dog and cat. 3th ed. St. Louis: Saunders, p. 685-698, 2006.

LUVIZOTTO, M. C. R. Diagnóstico da leishmaniose visceral canina. Manual Técnico Leishmaniose Visceral Canina. Fort Dodge. p. 28-29, 2006.

Maia C, Campino L. Methods for diagnosis of canine leishmaniasis and immune response to infection. Vet Parasitol. 2008 Dec;158(4):274-87. DOI:10.1016 /j. vetpar.2008.07.028

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. In: Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral. Brasília/DF: Ministério da Saúde, 2003, 120p.

Reed SG. Diagnosis of leishmaniasis. Clin Dermatol. 1996;14(5):471-8.

REY, L. Parasitologia O Complexo ‘’Leishmaniadonovani’’ e a Leishmaníase Visceral. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 253-265, 2001.

RIBEIRO, V. M. Leishmaniose Visceral Canina: aspectos de tratamento e controle. Clínica Veterinária (São Paulo), v.71, p. 66-76, 2007.

RIBEIRO, V.M. Leishmanioses. Revista do Conselho Federal de Medicina Veterinária. Ano 3, n.11, p.13-14, 1997.

SALZO, P. S. Aspectos dermatológicos da Leishmaniose Canina. Nosso Clínico, Ano 11, n.63, p. 30-34, 2008

SILVA R. S. Avaliação da infecciosidade em cães vacinados com Leish-Tec® (Hertape Saúde Animal S/A) para Lutzomyia longipalpis (Diptera: Psychodidae, Phlebotominae). 2015. 85 f. Pós-graduação (tese) – Ciências da saúde, Centro de Pesquisas René Rachou, Belo Horizonte, 2015.

SILVEIRA, F.T. et.al. Leishmaniose Visceral Americana. Doenças Infecciosas e Parasitárias Enfoque Amazônico. Belém. Ed.: CEJUP: UFPA. IEC, p. 632-642, 1997.

UENO N, Wilson ME. Receptor-mediated phagocytosis of Leishmania: implications for intracellular survival. Trends Parasitol 2012; 28:335–44.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-489

Refbacks

  • There are currently no refbacks.