Avaliação do risco de depressão pós-parto na atenção primária/Evaluation of the risk of postpartum depression in primary care

Amanda da Silva Mateus, Bárbara Rocha de Oliveira, Yara Pereira Tenório, Ana Lucia Torres Devezas de Souza, Renata Martins da Silva Pereira

Abstract


Introdução: A equipe de enfermagem da atenção primaria deve acolher tanto as puérperas quanto seus familiares, numa perspectiva humanizada para que se diminua os riscos de agravos psicológicos dentro do ambiente familiar. Objetivo: identificar riscos de depressão pós-parto em puérperas atendidas na atenção básica, a partir da escala de Edimburgo. Método: pesquisa de campo, com abordagem quantitativa. Foram abordadas 30 puérperas nas Unidades Básicas de Saúde da Família no município de Volta Redonda (RJ), entre os meses de abril e junho de 2018. Os critérios de inclusão foram puérperas maiores de 18 anos e com até 45 dias de pós-parto. A pesquisa foi aprovada no Comitê de ética em Pesquisa com Seres Humanos sob o parecer n. 2.533.163. Resultados: apontam que a maioria das participantes do estudo não apresenta risco para desenvolver depressão pós-parto. Conclusão: Os resultados demonstraram a importância de dar atenção às necessidades das puérperas no seu estado biopsicossocial durante as consultas de puerpério, pois é um momento favorável para conhecer o processo de adaptação a sua realidade de novas mães e possíveis transtornos emocionais passíveis de tratamento em tempo oportuno.


Keywords


Assistência de enfermagem, Depressão Pós-Parto, Saúde da mulher.

References


Febrasgo. Tratado de Obstetrícia Febrasgo. Livraria e Editora Revinter Ltda. Reimpressão 2001.

Leveno, KJ. Manual de Obstetrícia de Williams/ Kenneth J. Leveno... [et al.]; Trad. Edison Capp. - 21.ed. - Porto Alegre: Artmed, 2005.

Boska GA, Wisbiewski D, Lentsck MH. Sintomas depressivos no período puerperal: identificação pela escala de depressão pós-parto de Edinburgh. Journal of Nursing and Health.2016, 6 (1). Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/5525/5327. Acesso em 04 Mai. 2018.

Dunningham W, Oliveira MJM. Prevalência e fatores de risco relacionados a depressão pós-parto em Salvador. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. 2015 Maio/Ago; 19(2): 72-83. Disponível em: https://rbnp.emnuvens.com.br/rbnp/article/view/158. Acesso em 10 jan. 2018.

Lima NC, Ravelly APX, Messias LSF, Skuplen SV. Depressão pós-parto baseada na escala de Edimburgo. Revista Conexão UEPG. Ponta Grossa, 2016; 12 (2). Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/conexao/article/viewFile/8557/5287. Acesso em 09 dez.2017.

Brum EHM. Depressão pós-parto: discutindo o critério temporal do diagnóstico [monografia]. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo,2017; 17 (2): 92-100. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cpdd/v17n2/v17n2a09.pdf. Acesso em 15 jan. 2018.

Stowe ZN, Nemeroff CB. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. 2015 Maio /Ago; 19(2): 72-83. Disponível em: https://rbnp.emnuvens.com.br/rbnp/article/download/158/69. Acesso em 10 jan. 2018

Marine FC. Estudo dos Fatores Relacionados á Pontuação na Escala de Depressão Pós-Parto de Edimburgo [tese]. Biblioteca Digital UFMG. 2014. Disponível em http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUOS-9Q3J9W/tese_flavia_marini___final.pdf?sequence=1. Acesso em 17 set. 2018.

Gradvol SMO, Osis MJD, Makuch MY. Maternidade e formas de maternagem desde a idade média à atualidade. Pensando Famílias, Campinas. 2014. 18(1), p. 55-62. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/penf/v18n1/v18n1a06.pdf. Acesso em 17 set. 2018.

Fonseca LKR, Marques ICL, Santos CTM dos, Maos MP, Gomes DR. Maternagem: vivenciando ações de educação em saúde que auxiliam na promoção do aleitamento materno. Saúde em Redes. 2018; 4(1):183-192 [Citado por: Gradvohl 2014.] disponível em: //dx.doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n1p183-192. Acesso em 17 set. 2018.

Leite MG, Rodrigues DF, Sousa AAS, et al. Sentimentos advindos da maternidade: revelações de um grupo de gestantes. Psicol. estud. [online]. 2014, 19 (1): 115-124. [Citado Piccini,Tudge et al 2010]. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-73722014000100013&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 17 set. 2018.

Raport A, Piccinini, CA. Maternidade e situações estressantes no primeiro ano de vida do bebê [tese]. Psico-USF (Impr.) [online]. 2011, 16 (2): 215-225. [citado Cavandish 2007]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-82712011000200010&script=sci_abstract&tlng=es. Acesso em 23 set. 2018.

Junges CF. Influência da Cultura no Comportamento Alimentar de Gestantes: Contribuições para Enfermagem [dissertação]. Universidade Federal de Santa Maria. 2010. Disponível em: http://coral.ufsm.br/ppgenf/images/Mestrado/Dissertacoes/2010_2011/Dissert_Carolina_Junges.pdf. Acesso em 12 set 2018.

Miranda DB, Marostica FC, Matão MEL. Influência do Fator Cultural no Processo de Cuidado Puerperal. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. 2015; 6 (3): 2444-2459. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5555805. Acessado em 12 em set de 2018.

Fonseca LKR, Marques ICL, Santos CTM, Mattos MP, Gomes DR. Maternagem: Vivenciando Ações de Educação em Saúde que Auxiliam na Promoção do Aleitamento Materno. Saúde em Redes. 2018; 4 (1). Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/rede-unida/article/view/882. Acesso em 18 set. 2018.

Romero SL, Cassino L. Saúde Mental no Cuidado à Gestante durante o Pré-Natal. Revista Brasileira de Ciências da Vida, 2018; 6 (2). Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2018.

Muller PW, et al. A relação mãe-bebê na presença e na ausência de sintoma psicofuncional no bebê: um estudo comparativo. Bol. - Acad. Paul. Psicol., 2017; 37 (93): 229-251. Disponível em . Acesso em 06 out. 2018.

Oliveira EM de. Atuação do Enfermeiro na Detecção e Prevenção da Depressão Pós-Parto [monografia]. Repositorio Intitucional da UFSC. Florianopolis (SC) 2014. Disponível em: //repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/167286/EDILTES%20ANA%20DE%20OLIVEIRA%20-%20Psico%20-%20tcc.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acessado em 09 out. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-476

Refbacks

  • There are currently no refbacks.