Estudo do perfil de governança e gestão em saúde das administrações públicas Municipais no Estado do Paraná / Study of the governance profile and health management of Municipal public administrations in the State of Paraná

Ivana Maria Saes Busato, Ivana de França Garcia, Izabelle Cristina Garcia Rodrigues, Ana Paula Weinfurter Lima Coimbra de Oliveira, João André Martinson Salesbram, Rodrigo Berté

Abstract


A gestão em saúde requer responsabilizar-se pela garantia do direito à saúde de uma população/território, capaz de agir pautado por princípios éticos, políticos, educativos, orientada pelas diretrizes constitucionais e legais do Sistema Único de Saúde. Os diferentes níveis governamentais deveriam cumprir papéis diferentes e complementares em relação à saúde pública. Essa pesquisa tem por objetivo estudar o perfil de governança e gestão em saúde das administrações públicas municipais no estado do Paraná. A metodologia utilizada foi de pesquisa transversal, observacional e quantitativa. A coleta de dado foi realizada por e-mail, com questionário online, da ferramenta Google docs. A pesquisa de campo foi aprovada no Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Internacional UNINTER, sob número: 2.737.740. O estudo analisou o desempenho dos municípios paranaenses por meio do Índice CFA (Conselho Federal de Administração) de Governança Municipal – IGM, avaliando o impacto dos indicadores da política de saúde no resultado do Índice CFA/IGM. O questionário foi respondido por 9% dos municípios. A maioria dos municípios respondentes possuem até 50 mil habitantes, 86% (31), somente um município não tem estrutura organizacional própria para saúde. Dezessete municípios (47%) afirmam não ter missão e visão construídas. Houve pouca participação dos munícipios na pesquisa, os pesquisadores analisam outras estratégias para pesquisas futuras. Os resultados apontam que a governança na saúde ainda necessita de fortalecimento, no Conselho de Saúde, na implantação de Controle Interno, especialmente no perfil dos nos municípios pesquisados, com população de até 50 mil habitantes. Os indicadores da política de saúde não produzem impacto num melhor Índice CFA de Governança Municipal – IGM-CFA, mostrando que outros componentes do IGM – CFA 2018, podem ser preponderantes para o resultado final.


Keywords


Gestão, Governança, SUS, Saúde Pública.

References


ALMEIDA, L.L. A governança na região de saúde. Revista Conensus, ano VI, número 21, pág. 36-40, out/ dez. 2016. Disponível em:< http://www.conass.org.br/biblioteca/pdf/Consesus_AnoVI_21.pdf >.Acesso em 14 fev. 2018.

ARTMANN, E. et al. Desafios para a discussão de missão institucional complexa: o caso de um Instituto de Pesquisa em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 18(1):191-202, 2013.

BLANSKI, Márcia Beatriz Schneider. Gestão de custos como instrumento de governança pública: um modelo de custeio para os hospitais públicos do Paraná. 2015. 149f. Dissertação (Mestrado em Planejamento e Governança Pública) – Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Governança Pública (PPGPGP), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Curitiba, 2015.

BRASIL. CONASS Conselho Nacional de Secretários de Saúde. A Gestão do SUS. Brasília: CONASS, 2015.

BRASIL. CONASS Conselho Nacional de Secretários de Saúde. CONASS Debate. Governança Regional das Redes de Atenção à Saúde. Brasília: CONASS, 2016.

BRASIL. Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde. Relatório 30 anos de SUS: Que SUS para 2030? Disponível em:< https://apsredes.org/wp-content/uploads/2018/10/Serie-30-anos-001-SINTESE.pdf >. Acesso em 23 de out. 2018.

BRASIL. TCU Tribunal De Contas Da União. Relatório de levantamento 2016. Disponível em: http://portal.tcu.gov.br/saude/governanca-em-saude/resultados.htm. Acesso em 26 de fev.2018.

CALLEGARI-JACQUES, Sidia M. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artemed, 2003. 255p.

CARVALHO, A. L. B. de et al . A gestão do SUS e as práticas de monitoramento e avaliação: possibilidades e desafios para a construção de uma agenda estratégica. Ciênc. Saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 901-911, abr. 2012.

CONASEMS - RJ. LAPPIS/IMS/UERJ. Manual do Gestor Municipal do SUS: “diálogos no cotidiano”. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS/UERJ, 2016.

CONSELHO FEDERAL DE ADMNISTRAÇÃO – CFA. Índice CFA de Governança Municipal – IGM-CFA. Disponível em: http://igm.cfa.org.br/ .Acesso em 08 de jul de 2019.

FLEURY, S.; OUVERNEY, A.S.M.; KRONEMBERGER, T.S.; ZANI, F.B. Governança local no sistema descentralizado de saúde no Brasil. Rev Panam Salud Publica. v.28, n 6, p. 446–55, 2010.

MARQUES, M.C.C. Aplicação dos princípios da governança corporativa ao sector público. Rev. adm. contemp. vol.11 no.2 Curitiba Apr./June 2007.

MIRANDA, A.S. Proposição de escopo para a avaliação da gestão no Sistema Único de Saúde. Relatório final de consultoria prestada ao Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde (MS); 2005.

PEREIRA, R.R. Governança - origem, objeto e dilemas. Revista do TCU. Set/Dez 2011.Disponível em: .Acesso em 14 fev. 2018.

RIZZOTTO, M.L.F.; CAMPOS, G.W.S. O Banco Mundial e o Sistema Único de Saúde brasileiro no início do século XXI. Saúde Soc. São Paulo, v.25, n.2, p.263-276, 2016.

SILVA, M. M. F.;RAMOS, W. L.S. A importância da missão, visão e valores institucionais na imagem organizacional e na qualidade dos serviços. Revista da Ciência da Administração versão eletrônica, v.12, Ago/Dez. 2015

TANAKA, O. Y.; TAMAKI, E. M. O papel da avaliação para a tomada de decisão na gestão de serviços de saúde., Ciênc. Saúde coletiva v. 17, p. 821-828, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-474

Refbacks

  • There are currently no refbacks.