Repercussões psicológicas da cirurgia plástica em mulheres mastectomizadas / Psychological repercussions of plastic surgery in mastectomized women

Marcelle Sabino Façanha Carneiro, Cleoneide Paulo Oliveira Pinheiro, Fernanda Veras Vieira Feitosa, Mayara Ruth Nishiyama Soares, Izabelly Vieira Rabelo, Paula Lebre, Celeste Simões

Abstract


O câncer de mama é um dos cânceres mais temidos, sendo a segunda neoplasia maligna mais comum e a principal causa de morte por câncer na população feminina, afetando também alguns aspectos psicossociais do paciente. Uma pesquisa de resposta de visto para o seguinte problema: quais os efeitos e impacto da reconstituição mamária na vida social da mulher? Objetivo: analisar a percepção de mulheres e os efeitos da cirurgia de reconstrução mamária na sua vida social. Trata-se de um estudo

exploratório, descritivo, de abordagem qualitativa. Participou do estudo sete mulheres, com faixa etária de 48 a 68 anos, sendo a maioria aposentada. Para a coleta de dados, use a entrevista semiestruturada com perguntas ao norte. Uma pesquisa foi desenvolvida no Programa de Atenção à Mulher Mastectomizada (PROAMMA) no período de agosto de 2017 a julho de 2018. Os dados foram analisados usando-se o método de análise de conteúdo. Foram respeitados os aspectos éticos das pesquisas que envolvem seres humanos, sendo o estudo submetido ao comitê de Ética em pesquisa do Centro Universitário Estácio do Ceará e aprovado com o parecer do 2.248.929. A partir das falas, foi possível identificar 2 categorias: sentimentos da mulher frente à reconstrução da mama sua aparência e sua vida social e a influência da visão no outro processo de socialização pós-reconstrução mamaria pelo câncer. Como participantes relataram perceber a importância da cirurgia plástica da mama pós-mastectomia por trazer benefícios para sua vida social.


Keywords


Mastectomia, Câncer de mama, Vida social, Reconstituição mamária

References


BANDEIRA, D.R; Panzini, R.G. Coping (enfrentamento) religioso/espiritual. Rev. Psiq. Clín. V. 34, supl 1, pp. 126-135, 2007.

BRASIL. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Prevenção e Vigilância [Internet]. Estimativa 2018: Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2018. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2018/.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2006. 98p.

BRITO, C. Adesão e persistência à terapia endócrina para o câncer de mama, fatores preditores e resultados relacionados. Rio de Janeiro, julho, 2011.

LEITE, M.T; FALCADE, B.L; HILDEBRANDT, L.M.; KIRCHNER, R.M; SILVA, L.A.A.;

GONÇALVES, L.H.T. Octogenários em residências unipessoais: enfoque sobre a qualidade de vida e condições de saúde. R. Enferm. UFSM. V.1, N.3, pp.386-393, Set/Dez, 2011.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

PINHEIRO, C.P.O.; FERNANDES, A.F.C.; SILVA, R.M. Câncer de mama: políticas e práticas na rede de atenção à saúde. Editora: CRV. 1ed. 2017.

STARFIELD, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 726 p., 2002.

SALES, C. A; PIOLLI, K. C; RETICENA, K. O; WAKIUCHI, J; MARCON, S.S. Presença familiar

no olhar existencial da pessoa com câncer: compreendendo o fenômeno à luz heideggeriana. Rev. Eletr. 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-423

Refbacks

  • There are currently no refbacks.