Enriquecimento proteico do maxixe-bravo (cucumis dipsaceus ehrenb) por fermentação semissólida / Protein enrichment of maxixe-bravo (cucumis dipsaceus ehrenb) by solid station fermentation

Aline Priscila de França Silva, Ana Paula Moisés de Sousa, Antonio Daniel Buriti de Macedo, Danilo Lima Dantas, José Anderson Machado Oliveira, Arthur Filgueira de Almeida, Renato Alexandre Costa de Santana, Ana Regina Nascimento Campos

Abstract


O maxixe-bravo (Cucumis dipsaceus Ehrenb), pertence à família das Cucurbitaceas, é originário da África e, no Brasil adaptou-se às regiões semiáridas. Os frutos desta espécie apresentam um teor nutricional apreciável, e é usado apenas na alimentação de animais. Com o intuito de colaborar para a sustentabilidade desta região, objetivou-se com esse trabalho estudar o processo de enriquecimento proteico do maxixe-bravo com micro-organismos (leveduras) por fermentação semissólida, visando à produção de suplemento proteico para ração animal. Os experimentos foram conduzidos no Laboratório de Bioquímica e Biotecnologia de Alimentos (UFCG/CES). Utilizou-se biorreatores de plástico, nos quais foram colocados 300 g de maxixe-bravo triturados, e adicionado diferentes quantidades de leveduras em cada um, correspondendo à: 0, 1, 3, 5 e 15 % da massa inicial de substrato.  As fermentações ocorreram em estufa de circulação de ar a 35 °C, sistema de batelada, sendo retirado amostras para determinação de teor de água, resíduo mineral fixo, acidez titulável, sólidos solúveis totais, pH, proteína bruta e calculado o respectivo aumento proteico alcançado, nos tempos de 24, 48 e 72 horas de processo. O processo fermentativo com concentração de 3 % de levedura proporcionou o maior aumento proteico. Com 48 h de fermentação, o teor de proteína bruta e o aumento proteico alcançado foram de 8,73 e 226,97 %, respectivamente.

Keywords


Levedura, Concentrado proteico, Maxixe.

References


ARAÚJO, L.F. et. al. Enriquecimento proteico da palma forrageira com Saccharomyces cerevisiae para alimentação de ruminantes. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 60, n. 2, p. 401-407, fev. 2008.

CHANDRAN, R.; NIVEDHINI, V.; PARIMELAZHAGAN, T. Nutritional composition and antioxidant properties of cucumis dipsaceus ehrenb. ex spach leaf. The Scientific World Journal, p. 9, 2013.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ (São Paulo). Métodos físico-químicos para análises de alimentos. Coordenadores: Odair Zenebon; Neus Sadoco Pascuet & Pablo Tigea. São Paulo, Ed. 4, 1ª Edição Digital, 2008.

LATA, S.; MITTAL, S. K. Pharmacognosy, phytochemistry and pharmacology of cucumis dipsaceus ehrenb. International Journal of Pharmacognosy and Phytochemical Research, v. 7, n. 3, p. 446–449, 2015.

LIMA, E. E. Produção e armazenamento da farinha de facheiro. 149f. 2006. Dissertação de Mestrado (Pós-Graduação em Engenharia Agrícola) - Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2006.

MACEDO et al. Caracterização Física e Química do fruto do Maxixe-bravo (cucumis dipsaceus ehrenb). Congresso Nacional de Pesquisa e Ensino em Ciências. 2016

MACEDO et al. Bioconversão da palma forrageira e do sisal como alternativa para alimentação animal. 5° Encontro Regional de Química e 4° Encontro Nacional de química. Blucher Chemistry Proceedingns. v.3, n.1. 2015.

NIVEDHINI, V.; CHANDRAN, R.; PARIMELAZHAGAN, T. Chemical composition and antioxidant activity of Cucumis dipsaceus Ehrenb. Ex Spach fruit. International Food Research Journal, v. 21, n. 4, p. 1465–1472, 2014.

OLIVEIRA, J. B. Enriquecimento proteico do facheiro por fermentação semissólida. 2014. 68f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Licenciatura em Química) - Universidade Federal de Campina Grande, Cuité, 2014.

PANDEY, A. Solid-state fermentation. Biochemical Engineering Journal, v.13, n. 2-3, p. 81-84, 2003.

SILVA, C.R.G. Enriquecimento proteico de cactáceas por fermentação semissólida. 2015. Dissertação Ciências Naturais e Biotecnologia – Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2015.

SILVA, G. M. S. et al. Enriquecimento proteico do resíduo de abacaxi mediante fermentação semissólida. Revis. Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável., v. 11, n. 5, p. 39–44, 2016.

TACO - Tabela Brasileira de Composição de Alimentos / NEPA – UNICAMP.- 4. ed. revisada e ampliada -- Campinas: NEPA- UNICAMP, 2011.

TEDESCO, M. J. et al. Análises de solo, plantas e outros minerais. Boletim Técnico N° 5. 2. ed., Porto Alegre, 1995.

ZHU, Z. et al., The usage of rice straw as a major substrate for the production of surfactin by Bacillus amyloliquefaciensXZ-173 in Exploring microbial succession and diversity during solid state fermentation. Journal Environmental Management, 2013, v.127, p.96-102




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-461

Refbacks

  • There are currently no refbacks.