Conceituando juventude(s) a partir de um diálogo com a síntese de indicadores sociais / Concepting youth(s) from a dialogue with the synthesis of social indicators

Roberta de Abreu Peixoto, Andrea Peixoto Garrido Aguiar, Fábia Geisa Amaral Silva, Maria de Fátima Bezerra, Karine Lima Verde Peixoto

Abstract


O presente artigo se propõe a compreender o conceito de juventude em sua pluralidade atual ao apresentá-lo em significações que o levam do singular ao plural, do específico ao geral, do etário ao classista-geracional, do número padrão à regra estatística. Para cumprir tal objetivo, busca dialogar com a Síntese de Indicadores Sociais do IBGE visando alinhavar realidade brasileira, pré-conceitos e teóricos historicamente reconhecidos como pesquisadores do conceito. As juventudes e suas inserções na educação, no mundo do trabalho e no campo da cultura exigem a compreensão da impossibilidade em homogeneizar tal segmento justamente por apresentarem vivências e contextos distintos e desiguais. Concluímos que, para a construção desta definição, são necessários vários olhares e que embora importante, o viés geracional não é suficiente para explicá-lo.

 

 


Keywords


Juventudes, Geração, Síntese de Indicadores Sociais.

References


ALENCAR, M. M. T. Transformações econômicas e sociais no Brasil dos anos 1990 e seu impacto no âmbito da família. In: SALES, M. A.; MATOS; LEAL, M. C. (Orgs.). Política social, família e juventude: uma questão de direitos (p. 61-78). São Paulo: Cortez, 2008.

ANDERSON, P. Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1995.

BOURDIEU, P. A juventude é apenas uma palavra. Questões de sociologia. 1983.

CARDOSO, M. R.; MARTY, F. Destinos da adolescência. Rio de Janeiro: 7LETRAS, 2008.

DEBERT, Guita Grin. Dissolução da Vida Adulta e a Juventude como Valor. In: Revista Horizontes Antropológicos [on line], vol. 16, n. 34, jul. – dez. 2010, p. 49-70.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira (SIS). Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. 2010. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/pt/biblioteca. Acesso em 02 fev. 2018.

KELL, Maria da Rita. A juventude como sintoma da cultura. In: NOVAES, Regina Reys; VANNNUCHI. Juventude e Sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

MANNHEIM, Karl. O problema sociológico das gerações. In: FORACCHI, Marialice M. (Org.). Karl Mannheim: Sociologia. São Paulo, Ática, pp. 67-95. 1982. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v25n2/04.pdf. Acesso em: 24 abri 2018.

NASCIMENTO, Mérly Luane Vargas do; CANIATO, Ângela Maria Pires. Adolescência e juventude na contemporaneidade: reflexões a partir de uma abordagem psicopolítica. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 5, nº. 11, p. 22664-22684, 2019.

PAIS, José Machado. A Construção Sociológica da Juventude – alguns contributos. In. Análise Social. Vol. 25 (105-106), 1990, p. 139-165.

PAIVA, Ilana Lemos de; SOUZA, Cândida de. Faces da juventude brasileira: entre o ideal e o real. Estudos de Psicologia. Rio Grande do Norte, v. 17, n. 3, p.353-360, set/dez. 2012.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1995.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-439

Refbacks

  • There are currently no refbacks.