Aplicação da bixina microencapsulada em sitemas alimentícios / Application of microencapsulated bixin in food systems

Patrícia Beltrão Lessa Constant, Thaís Sader de Melo, Alexandre Araújo Pimentel, Rosimar Regina da Silva Araujo, Flavia Escapini Fanchiotti, Andrea Gomes da Silva, João Antônio Belmino dos Santos, Paulo Cesar Stringheta

Abstract


O presente trabalho descreve o uso de bixina microencapsulada em queijo prato, iogurte e bebida láctea fermentada, para verificar a sua aplicabilidade em sistemas alimentícios. Paralelamente, foi utilizado o norbixinato, normalmente adicionado nestes alimentos, de forma a fazer um estudo comparativo do desempenho das duas formas de corantes. As matérias-primas empregadas como corante foram bixina microencapsulada e, como testemunha, o norbixinato em pó. A primeira foi elaborada durante este trabalho e a segunda cedida pela Christian Hansen.  Para elaboração da bixina microencapsulada a mesma teve como agente encapsulante uma mistura de 10% de maltodextrina DE 20 e 20% de goma-arábica na proporção corante/agente 1:4 e foi obtida pelo processo de encapsulação por “spray dryer”. As formulações corantes aplicadas nos produtos alimentícios foram previamente dissolvidas em água destilada, obtendo-se soluções com teor de 0,8% de corante. Foi efetuada a caraterização da cor para cada produto em colorímetro (Colorquest II do sistema Hunter), com leitura por reflectância das coordenadas “L”, “a” e “b”. Ambos os corantes foram facilmente incorporáveis ao produtos. Os produtos avaliados tiveram comportamento similar, não apresentando variação ao longo do tempo para os parâmetros analisados não havendo degradação dos pigmentos. No caso da bebida láctea, o produto em que foi utilizado o norbixinato apresentou, a partir do décimo dia de armazenamento, migração do corante, que foi sedimentando. Apesar de o sal da norbixina formar complexos com a caseína, evitando sua migração para o meio e protegendo-o da degradação, o mesmo não se manteve disperso homogeneamente na bebida láctea. Isto torna a sua aplicação em tais sistemas alimentícios desaconselháveis. O produto microencapsulado, por sua vez, permaneceu inalterado e a cor homogênea em todo período avaliado. O corante microencapsulado apresentou excelente desempenho nos três sistemas alimentícios aos quais foi adicionado, não sofrendo degradação durante o período avaliado. Além disso, a coloração dos produtos permaneceu homogênea, não sendo percebida qualquer alteração do meio. O uso de bixina microencapsulada pode ser+ recomendado sem restrições em produtos como queijos e derivados lácteos.


Keywords


Bixina microencapsulada, aplicação, lácteos

References


AYOUB, A.; SOOD, M.; SINGH, J.; BANDRAL, J. D.; GUPTA, N.; BHAT, A. Microencapsulation and its applications in food industry. Journal of Pharmacognosy and Phytochemistry. 2019; 8(3): 32-37.

CARVALHO, P. R. N., SARANTÓPLOULOS, G. L., SHIROSE, I., SILVA, M. G.. Estudo de vida-de-prateleira do corante (bixina) extraído das sementes de urucum (Bixa orellana, L). Coletânea do ITAL, v.23, n. 1, p.98-104, 1993.

CARVALHO, P.R. N. Potencialidades dos corantes naturais. Revista Brasileira de Corantes Naturais, v 1, n. 1, p.242-243, 1992.

COLLINS, P. The role os annnatto in food colouring. Food Ingridients & Processing International, Rickamansworth, Hertfordshire, UK: Turret Group plc. 1992. p. 23-27.

COLLINS, P., PLUMBLY, J. Natural colors – stable future? Food Tech Europe, n.2, 1995.

COLLINS, P., TIMBERLAKE, C. Recent developments of natural food colours. [S.l.: s.n.], 36 IFR NR6, 1993.

CONSTANT, P. B. L.; STRINGHETA, P. C. . Microencapsulação de Ingredientes Alimentícios. Boletim da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 36, p. 12-18, 2002a.

CONSTANT, P. B. L.; STRINGHETA, P. C. ; SANDI, D. . Corantes alimentícios. Boletim do Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos, v. 20, p. 203-220, 2002b.

CONSTANT, P. B. L.; ARAUJO, J. M. ; STRINGHETA, P. C. . APLICAÇÃO DA BIXINA MICROENCAPSULADA EM SISTEMAS ALIMENTÍCIOS. In: XXV Congresso Latino Americano de Produção Animal e XI Congresso Nordestino de Produção Anima, 2016, Olinda. Anais do XXV Congresso Latino Americano de Produção Animal e XI Congresso Nordestino de Produção Anima, 2016.

FABRI, E. G.; TERAMOTO, J. R. S. Urucum: fonte de corantes naturais. Hortic. Bras. vol.33 no.1 Vitoria da Conquista jan./mar. 2015.

FREUND, P. R., WASHAN, C. J., MAGGION, M. Natural color for use in foods. Cereal Foods World, v. 33, n. 7, p.553-559, 1988.

FURTADO, M. M., LOURENÇO NETO, J. P. M. Tecnologia de queijos - manual técnico para a produção industrial de queijos São Paulo: Dipemar, 1994. 118p.

GHIRALDINI, E. Corantes naturais mais comumente usados na indústria de alimentos. Revista Brasileira de Corantes Naturais, v.2, n.1, p.136-145, 1996.

GOMES, F. O.; SILVA, M. C. M.; SOUSA, P. B.; FREITAS, T. K. T.; SILVA, D. J. S.; ARAÚJO, R. S. R. M. Avaliação físico-química de uma bebida à base de kefir saborizada com pequi. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 3,p 10755-10762 mar. 2020.

OZKAN, G.; FRANCO, P.; MARCO, I.; XIAO, J.; CAPANOGLU, E. A review of microencapsulation methods for food antioxidants: Principles, advantages, drawbacks and applications. Food Chemistry. v. 272, p. 494-506, 2019.

PIMENTEL, F.A. Avaliação de métodos de obtenção e da estabilidade de pigmentos de sementes de urucum (Bixa orellana L). Viçosa, MG: UFV, 1995. 132p. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) – Universidade Federal de Viçosa, 1995.

SANTOS, J.; VASCONCELOS, M. F. M.; OLIVEIRA, G. L. S.; SILVA, V. C.; JÚNIOR, I. D. B.; PAGANI, A. A. C. Avaliação dos compostos bioativos e ação antioxidante do iogurte de beterraba com limão. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n.5, p.29301-29311 may. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-411

Refbacks

  • There are currently no refbacks.