O animal preferido nos desenhos infantis e sua relação com a conservação da fauna / The preferred animal in children's drawings and its relationship with the wildlife conservation

Andressa Isabela Ferreira da Silva, Elizama Conceição Rocha, Lígia Tchaicka

Abstract


A fauna silvestre brasileira tem sido ameaçada por diversas ações antrópicas. Muitos trabalhos apresentam o desconhecimento da biodiversidade como uma das causas dos impactos, assim conhecer o quanto a população reconhece a fauna e flora nativa torna-se essencial. Dentre as propostas metodológicas existem as interpretações de imagens e desenhos infantis com o objetivo de conhecer os significados ou sentidos ocultos, disfarçados ou ausentes nos discursos verbais. Analisou-se desenhos de 190 crianças cuja faixa etária variou de 3 a 12 anos de idade de ambos os gêneros. Estes desenhos foram analisados quali-quantitativamente. Assim, percebeu-se que a maioria dos desenhos representavam animais invertebrados ou domésticos. A categoria com maior diversidade foi a Fauna Silvestre, com maior frequência para os exóticos. A Fauna Silvestre Brasileira não obteve grande representação. Desta forma, o investimento tanto no âmbito público quanto no privado em educação ambiental e mídias que caracterizam a fauna brasileira é fundamental.


Keywords


Desenhos infantis, Representação social, Fauna Brasileira, Biodiversidade.

References


AMOROZO, M.C.M. A Abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. In: DI STASI, L. C. (Org.). Plantas medicinais: arte e ciência – um guia de estudo interdisciplinar. 2. ed. Botucatu: UNESP, 1996. p. 47-68

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Portugal: Edições 70, 2009.

BEE, H. A criança em desenvolvimento. 12. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

BERALDO, Mônica de Luna. Educação ambiental no ensino infantil na cidade de Mérida, México: resíduos sólidos e reciclagem. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 5, p.25156-25159, may. 2020.

CAMPOS, R. S. P.; CAMPOS, L. M. L. A formação do professor de ciências para os anos iniciais do ensino fundamental e a compreensão de saberes científicos. Amazônia | Revista de Educação em Ciências e Matemática | v. 13, n. 25, p.135-146, Jul./Dez., 2016.

CREPALDI, G. D. M. CRIANÇAS, VÃO BRINCAR LÁ FORA!. Cadernos da Pedagogia, São Carlos, v. 12, n. 23, p.43-52, Jul./Dez., 2018.

DERDYK, E. Formas de Pensar o desenho: desenvolvimento do grafismo infantil. 5. ed. São Paulo: Zouk, 1994.

FERNANDES, D. G.; MIGUEL, J. R. Contribuições de uma aula de campo para a aprendizagem de conhecimentos científicos nos anos iniciais do ensino fundamental. Amazônia | Revista de Educação em Ciências e Matemática | v.13, n. 28, p.64-77, Jul-Dez., 2017.

LISBOA, L. A. O uso do desenho animado como recurso didático: filme Rio. 2012. 32f. Monografia (Licenciatura em Ciências Naturais) - Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

SILVA, R. L.; PRUDÊNCIO, C. A. V.; CAIAFA, A. N. Contribuições da Educação Ambiental Crítica para o Processo de Ensino e Aprendizagem em Ciências visando à Formação Cidadã. Investigações em Ensino de Ciências – v. 23, n. 3, p. 60-81, 2018.

MARTINHO, L. R.; TALAMONI, J. L. B. Representações sobre meio ambiente de alunos da quarta série do Ensino Fundamental. Ciência e Educação, Bauru, v. 13, n. 1, p. 1-13, Abril. 2007. Disponível em: . Acesso em: 04 Fevereiro 2020.

MARTINS FILHO, A. J.; SILVEIRA BARBOSA, M. C. METODOLOGIAS DE PESQUISAS COM CRIANÇAS. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 18, n. 2, p. 08-28, jul. 2010. ISSN 1982-9949. Disponível em: . Acesso em: 04 Fevereiro 2020. doi:https://doi.org/10.17058/rea.v18i2.1496.

MCNAIR, S.; STEIN, M. Drawing on their understanding: using illustrations to invoke deeper thinking about plants. Journal da Oakland University online, 2001. p. 1364-1375. Disponível em: Acesso em: 10 Fevereiro 2019.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo, SP: Hucitec. 2010.

Ministério do Meio Ambiente (MMA). Panorama da Conservação dos ecossistemas Costeiros e Marinhos no Brasil. Brasília: Secretaria de Biodiversidade, 148 p. 2010.

Ministério do Meio Ambiente (MMA). IBAMA. EMBRATUR. IBGE. ECO DESENVOLVIMENTO. Saiba mais sobre a fauna brasileira. Meio ambiente. 2014. Disponível em: Acesso em: 10 Fevereiro 2019.

OLIVEIRA, T. M. V. Amostragem não Probabilística: Adequação de Situações para uso e Limitações de amostras por Conveniência, Julgamento e Quotas. Administração On Line. Prática - Pesquisa – Ensino. v. 2. no 3. 2001.

PAIVA, C. R.; DE VILLIO, A. M. Percepção ambiental de crianças por meio de expressão artística. In: PELICIONI, M. C. F. et al. (Org.). Educação Ambiental em Diferentes Espaços. São Paulo, SP: Cepema/Signus Editora, p. 213-219. 2007.

PEDRINI, A.; COSTA, É. A.; GHILARDI, N. Percepção ambiental de crianças e pré-adolescentes em vulnerabilidade social para projetos de educação ambiental. Ciência & Educação (Bauru), v. 16, n. 1, p. 163-179, 2010.

PEDRINI, A. G. et al. Percepção através de desenhos infantis como método diagnóstico conceitual para Educação Ambiental. In: PEDRINI, A. de G., SAITO, C. H. (Org.) Paradigmas Metodológicos em Educação Ambiental. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 216-230. 2014.

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Rio de Janeiro, RJ: Zahar Editores. 1978.

PROFICE, C. C. et al. Janelas para a percepção infantil de ambientes naturais. Psicologia em Estudo, v. 18, n. 3, p. 529-539, 2013.

REIGADA, C.; REIS, M. F.C. T. Educação ambiental para crianças no ambiente urbano: uma proposta de pesquisa-ação. Ciência & Educação (Bauru), v. 10, n. 2, p. 149-159, 2004.

REJESKI, D. W. Children Look at Nature: Environmental Perception and Education. The Journal of Environmental Education, Washington, v. 13, n. 4, p. 27-40, 1982.

RUA, M. B.; et al. Percepção do ambiente marinho por crianças no Rio de Janeiro, Brasil. Revista Biociências, v. 21, n. 1, p. 27-44, 2015.

SCALFI, Graziele. Artigos: Divulgação Científica. Do elefante ao tamanduá: a divulgação da fauna brasileira para crianças. Jornal Biosferas. Rio Claro, São Paulo. 2017. Disponível em: Acesso em: 18 Julho 2019.

SCHWARZ, M. L., SEVEGNANI, L. A. P., & ANDRÉ, P. Representações da Mata Atlântica e de sua biodiversidade por meio de desenhos infantis. Ciência & Educação, v. 13, n. 3, p. 369-388, 2007.

SILVA, M. N., SOUZA, I. A. A. A IMAGINAÇÃO E A LINGUAGEM EXPRESSAS NO DESENHO DA CRIANÇA Revista Eventos Pedagógicos v.2, n.2, p. 123 – 131, 2011.

TRAJBER, R; SORRENTINO, M. Políticas de Educação Ambiental do Órgão Gestor. In: MELLO, S. S.; TRAJBER, R. (Org.). Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO: P 14. 2007.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 2003.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico: ensaio para professores (Z. Prestes, Trad.). São Paulo, SP: Ática. (Obra original publicada em 1930). 2009.

ZANARDINI, R. M. Significado do desenho infantil. 2010. Disponível em: Acesso em: 12 Fevereiro 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-410

Refbacks

  • There are currently no refbacks.