Aspectos relacionados à dificuldade do controle glicêmico em pacientes com Diabetes Mellitus tipo 2 na Atenção Básica / Aspects related to the difficulty of glycemic control in patients with type2 diabetes mellitus in Primary Health Care

Marcos Aurélio Maeyama, Lielli Carine Fischer Pollheim, Mariellen Wippel, Carolina Machado, Mariana Vilela Veiga

Abstract


A diabetes mellitus representa um dos problemas de maior prevalência e mortalidade na população geral. Apesar de ter mecanismos de controle acessíveis a toda população, desde o diagnóstico até o acompanhamento, ainda é muito grande o percentual de pacientes sem o devido controle glicêmico. Esse trabalho teve como objetivo identificar quais os aspectos que estão relacionados com a dificuldade de controle em pessoas com diabetes mellitus tipo 2 que estão sob tratamento e acompanhamento por equipes de saúde da família em uma unidade de saúde do município de Itajaí/SC. A pesquisa utilizou abordagens qualitativas, com coleta de dados realizada através de entrevistas individuais e roteiro semiestruturado, com pessoas diagnosticadas com diabetes mellitus tipo 2, em tratamento e que não conseguem controlar o nível glicêmico. A análise de dados foi realizada, por meio da técnica de análise de conteúdo temático, na qual emergiram seis categorias: representação da doença; alimentação; atividade física; medicamentos; fatores emocionais; e relação médico-paciente. Os resultados apontam que a organização da atenção às pessoas com diabetes mellitus, seguindo os atributos da integralidade, longitudinalidade e coordenação do cuidado, podem interferir de forma positiva no autocuidado nos aspectos que dificultam o controle glicêmico das pessoas com diabetes mellitus tipo 2.


Keywords


Atenção Básica à Saúde, Integralidade em Saúde, Diabetes Mellitus.

References


Internacional Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas [Internet]. 7th ed. Brussels: International Diabetes Federation; 2015.

World Health Organization. Global report on diabetes. Geneva: World Health Organization; 2016.

American Diabetes Association. Standards of medical care in diabetes. Diabetes Care 2017; 40(Suppl 1)S1-131.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. São Paulo: Editora Clannad; 2017.

Malerbi DA, Franco LJ. Multicenter study of the prevalence of diabetes mellitus and impaired glucose tolerance in the urban Brazilian population aged 30-69 years. The Brazilian Cooperative Group on the Study of Diabetes Prevalence. Diabetes Care 1992;15(11)1509-16.

Schmidt MI, Hoffman JF, Diniz MFS, et al. High prevalence of diabets and intermediate hyperglycemia. The Brazilian Longitudinal Study of Adult Health (ELSA-Brasil). Diabetol Metab Syndr 2014; 6(123)1-9.

Mayer-Davis EJ, Lawrence JM, Dabelea D, et al. Incidence trends of type 1 and type 2 diabetes among youths, 2002-2012. N Engl J Med 2017; 376(15)1419-29.

Lavras C. Atenção Primária à Saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil. Saúde Soc 2011; 20(4)867-874.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus – Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Machado MFAS, Monteiro EMLM, Queiroz DT, et al. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Cienc. Saúde Colet 2007; 12(2)335-342.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia de saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. Organização Mundial da Saúde. Conselho Nacional de Secretários da Saúde; 2012.

Patton M. Qualitative research and evaluation methods. Londres: Thousand Oaks - Sage Publications; 2002.

Triviños ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas; 1987.

Goldim JR. Manual de iniciação à pesquisa em saúde. Porto Alegre: da Casa; 1997.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública 2008; 24(1)17-27.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec; 2008.

Cunha CW. Dificuldades no controle da hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus na Atenção Básica de saúde através do Hiperdia – Plano de reorganização da atenção. Arquivo UFRGS. Porto Alegre: UFRGS; 2009.

Péres DS, Santos MA, Zanetti ML, et al. Dificuldades dos pacientes diabéticos para o controle da doença: sentimentos e comportamentos. Revista Latino-americana de Enfermagem 2007; 15(6)1-8.

Wilkinson E, Randhawa G, Singh M. Quality improvements in diabetes care, how holistic have they been? A case-study from the United Kingdom. International Journal for Equity in Health 2014; 13(29).

Brasil. Ministério da Saúde. Diabetes Mellitus. Cadernos de Atenção Básica n. 16. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Péres DS, Franco LJ, Santos MA. Comportamento alimentar em mulheres portadoras de diabetes tipo 2. Rev. Saúde Públ. 2006; 40(2)310-317.

Franz MJ, Powers MA, Leontos C, et al. The evidence for medical nutrition therapy for type 1 and type 2 diabetes in adults. J Am Diet Assoc 2010; 110(12)1852-89.

Pereira LM, Vieira ALS, Horta PM, et al. Fracionamento da dieta e o perfil nutricional e de saúde de mulheres. Rev Nutr 2014; 27(1)15-23.

Ferreira CLRA, Ferreira MG. Características epidemiológicas de pacientes diabéticos da rede pública de saúde: Análise a partir do sistema hiperdia (HiperDia). Arquivos brasileiros de endocrinologia e metabologia 2009; 53(1)80-86.

Royal Australian College of General Practitioners. General practice management of type 2 diabetes: 2016-18. East Melbourne, Vic: RACGP; 2016.

Sijtsema S, Linneann, A, Gaasbeek TV, et al. Variables influencing food perception reviewed for consumer-oriented product development. Critical Reviews in Food Science and Nutrition 2002; 42(6)565-581.

Souza ECMP. Alimentação como cerimônia indispensável para o convívio humano. Monografia (Pós-Graduação em Gestão de Projetos Culturais e Organização de Eventos) - Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. São Paulo; 2012.

Claro RM, Carmo HCE, Machado FMS, et al. Renda, preço dos alimentos e participação de frutas e hortaliças na dieta. Rev. Saúde Públ. 2007; 41(4)557-564.

Tobias RF, Dadalti MRM. Diabetes: dificuldades de adesão ao tratamento, uma experiência adquirida na prática – estudo de caso. Faculdade Atenas, 2007.

Cerqueira GS, Luciano EE, Sousa JR, et al. Fatores que permeiam a não adesão a atividade física em portadores de diabetes mellitus do nordeste brasileiro. EF Desportes Revista Digital 2011; 16(155)1-1.

Mercuri N, Arrechea V. Atividade física e diabetes. Jornal Multidisciplinar do Diabetes e das Patologias Associadas2001; 4(5)347-349.

Correa AP, Figueira FR, Umpierre D, et al. Inspiratory muscle loading: a new approach for lowering glucose levels and glucose variability in patients with Type 2 diabetes. Diabetic Medicine Journal 2015; 32(9)1255–1257.

Cutolo LRA. Estilo de Pensamento em Educação Médica – Um estudo do currículo do curso de graduação em Medicina da UFSC. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, UFSC. Florianópolis; 2001.

Associação Americana de Diabetes e Colégio Americano de Medicina do Esporte. Diabetes Mellitus e exercício. Rev. Bras. Med. Esporte 2000; 6(1)16-22.

Gonçalves MP, Alchieri CJ. Motivação à prática de atividades físicas: um estudo com praticantes não-atletas. Revista PsicoUSF 2010; 15(1)125-134.

São Paulo. Programa Agita São Paulo – Manual do Programa Agita São Paulo – Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul – CELAFISCS / Secretaria de Estado da Saúde. São Paulo; 1998.

Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. Porto Alegre: Artmed; 2013.

Batista MCR, Priori SE, Rosado LEFPL, et al. Avaliação dietética dos pacientes detectados com hiperglicemia na "Campanha de detecção de casos suspeitos de diabetes" no município de Viçosa, MG. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabologia 2006; 50(6)1041-1049.

Stacciarini TSG, Haas VJ, Pace AE. Fatores associados à auto-aplicação da insulina nos usuários com diabetes mellitus acompanhados pela Estratégia Saúde da Família. Cad. Saúde Públ. 2008; 24(6)1314-1322.

Lima SM Papel da psicologia no acompanhamento do paciente com diabetes, BJHBS 2015; 14(4).

Lourenço ASA, Ingestão de alimentos como mecanismo de regulação da ansiedade. Dissertação. Universidade Lusofono de Humanidade e Tecnologia. Escola de Psicologia e Ciências da Vida. Lisboa: Universidade Lusofono de Humanidade e Tecnologia; 2016.

Silva MFF, Silva EM, Oliveira SLSO, et al. Integralidade na atenção primária. REFACS 2018; (supl. 1).

Tavares NUL, Bertoldi AD, Mengue SS, et al. Fatores associados à baixa adesão ao tratamento farmacológico de doenças crônicas no Brasil. Rev. Saúde Públ. 2016; 50(supl 2)10s.

Pfrimer EOD, Afonso ET, Lima FHA, et al. O adolescente com doença crônica. Goiânia: Sociedade Goiana de Pediatria; 2018.

Paraizo CMS, Dázio EMR, Rezende EG.“Diabético é custoso, a gente gasta saliva com eles”: o cuidado na perspectiva de enfermeiros. Braz. J. of Develop. 2020; 6(1)3448-3461.

Silva DA, Abreu LCC, Silva CSC. Resolutividade do atendimento interprofissional no tratamento oportuno de complicações da diabetes – um relato de caso. Braz. J. of Develop. 2020; 6(1)4561-4565.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-391

Refbacks

  • There are currently no refbacks.