Perfil Clínico-Epidemiológico da Hanseníase no Estado do Tocantins no período de 2015 a 2018/ Epidemiological Clinical profile of Leprosy in the State of Tocantins in the period from 2015 to 2018

Georgia Oliveira de Góis, Larissa Tainara Baú Camera, Silvestre Júlio Souza da Silveira

Abstract


A hanseníase é definida como uma doença infectocontagiosa, de evolução crônica, cujo agente etiológico é o bacilo Mycobacterium leprae, que acomete principalmente pele e nervos periféricos, mas pode afetar praticamente todos os órgãos e sistemas em que existam macrófagos. O Brasil está entre os países com maiores índices da doença, principalmente na região Norte. Em 1991 essa patologia foi considerada um problema de saúde pública e então, definida a meta de menos de 1 caso por 10 mil habitantes durante a 49ª Assembleia Mundial de Saúde (WHA), um compromisso assumido pelos 122 países mais endêmicos, e cumprido por 119 países. O objetivo desse estudo é avaliar o perfil epidemiológico dos pacientes acometidos pela hanseníase no Estado do Tocantins no período de 2015 a 2018 analisando dados de gênero, faixa etária, forma clínica e operacional da doença, taxa de incapacidade e a taxa de cura relacionada ao grau de incapacidade, além de avaliar os indicadores de monitorização para eliminação da doença como a meta preestabelecida na WHA. Esses dados serão obtidos a partir do Sistema Nacional de Notificações e Agravos (SINAN), através da base de dados do DATASUS. A partir desse estudo, observou-se uma maior prevalência no sexo masculino, em pacientes entre a faixa etária 35-49 anos, um alto índice da forma clínica dimorfa e da forma operacional multibacilar, e do grau de incapacidade zero. Diante desse estudo, é possível definir o perfil clínico-epidemiológico no estado do Tocantins, no período entre 2015 a 2018.


Keywords


Hanseníase-epidemiologia, Moléstia de Hansen.

References


ARAÚJO, A. E. R. A., et al. Complicações neurais e incapacidades em hanseníase em capital do nordeste brasileiro com alta endemicidade. Rev Bras Epidemiol, v. 17, n. 04, p. 899-910, 2014. Disponivel em Acesso: 05/03/2019

AVELINO, A. P. et al. Perfil epidemiológico da hanseníase no período de 2009 a 2013 no município de Montes Claros (MG). Rev Soc Bras Clín Méd, v. 13, n. 3, p. 180-4, 2015. Disponível em: < http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2015/v13n3/a5389.pdf> Acesso: 10/05/2019.

AVELLEIRA, J. C. et al. Micobacterioses. In: AZULAY, R. D. Azulay Dermatologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. Cap.42, p.426-444.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Guia para o controle da Hanseníase. Brasília. 2002. Disponível em: Acesso em: 05/03/2019

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Hanseníase. In: Guia de vigilância epidemiológica 6 ed. Brasília: Ministério da Saúde, p.364, 2005.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria no. 3.125, de 7 de outubro de 2010. Aprova as diretrizes para vigilância, atenção e controle da hanseníase. Diário Oficial da União 2010. Disponível em Acesso em: 22/03/2019

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. v. 44, n. 11, 2013. Disponível em < http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/junho/11/BE-2013-44--11----Hanseniase.pdf> Acesso: 06/03/2019

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia prático sobre Hanseníase. Brasília, DF, 2017. Disponível em < http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/22/Guia-Pratico-de-Hanseniase-WEB.pdf> Acesso: 06/03/2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. v. 49, n.4, 2018. Disponível em Acesso: 22/03/2019

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase. Tratamento. 2019. Disponível em: Acesso em: 22/04/2019

CAMPOS, M. R. M.; BATISTA, A. V. A. B.; GUERREIRO, J. V. Perfil Clínico-Epidemiológico dos Pacientes Diagnosticados com Hanseníase na Paraíba e no Brasil, 2008 – 2012. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. v. 22, n. 1, p. 79-86, 2018. Disponível em: Acesso: 23/05/2019.

CAVALIERE, I. Hanseníase na história. Fiocruz. Disponível em< http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1182&sid=7> Acesso em: Acesso em:09/06/2019

COSTA, M. M. R., et al. Epidemiological profile of hanseníase in sertão Pernambucano, Brazil.Brazilian Journal of Health Review, 2019, 2.2: 1125-1135.

FARIA, C. R. S. et al. Grau de incapacidade física de portadores de hanseníase: estudo de coorte retrospectivo. Arq. Ciênc. Saúde, p. 58-62, 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Cliente/Downloads/122-1-1947-1-10-20151223%20(1).pdf>Acesso: 09/05/2019.

JUNQUEIRA, A. V.; CAIXETA, L. F. Hanseníase: revisão para o neurologista. 2008. Disponivel em Acesso em: 05/03/2019

LIMA-COSTA, M. F.; BARRETO, S. M.. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e serviços de saúde, v. 12, n. 4, p. 189-201, 2003. Disponível em: Acesso em: 06/03/2019.

LOPES, V. A. S.; RANGEL, E. M. Leprosy and social vulnerability: an analysis of the socioeconomic profile of users in irregular treatment. Saúde em Debate, v. 38, n. 103, p. 817-829, 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-11042014000400817&script=sci_abstract> Acesso: 15/05/2019.

MARGARIDO, L. C.; RIVITTI, E. A. Hanseníase. In: Veronesi: tratado de infectologia. São Paulo: Editora Atheneu, 2015. Cap. 52, p. 1191-1228.

MIRANZI, S. S. C.; PEREIRA, L. H. M.; NUNES, A. A.. Epidemiological profile of leprosy in a Brazilian municipality between 2000 and 2006. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, n. 1, p. 62-67, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822010000100014> Acesso: 20/05/2019.

MONTEIRO, L. D. et al. Tendências da hanseníase no Tocantins, um estado hiperendêmico do Norte do Brasil, 2001-2012. Caderno de saúde pública. Rio de Janeiro, v.31, n.11, p.971-980, 2015.

MONTEIRO, M. J. S. D. et al. Perfil epidemiológico de casos de hanseníase em um estado do nordeste brasileiro. Rev. Aten. Saúde, v. 15, n. 54, p. 21-28, 2017. Disponível em: Acesso: 09/05/2019.

OPROMOLLA, D. V. A.; URA, S. Atlas de hanseníase. Instituto Lauro de Souza Lima. Bauru, p.1-20, 2002.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Estratégia mundial de eliminação da lepra 2016-2020: Acelerar a ação para um mundo sem lepra. 2016. Disponível em Acesso: 09/05/2019

PINHEIRO, M. G. C. et al. Understanding" patient discharge in leprosy": a concept analysis. Revista gaucha de enfermagem, v. 38, n. 4, 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472017000400501&script=sci_arttext> Acesso: 22/05/2019.

SANTOS, S. R. Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa biomédica. Jornal de Pediatria, v. 75, n. 6, p. 401-406, 1999. Disponível em: < http://www.jped.com.br/conteudo/99-75-06-401/port.pdf> Acesso em: 06/03/2019.

SILVA, P. M. F. et al. Avaliação das limitações físicas, aspectos psicossociais e qualidade de vida de pessoas atingidas pela hanseníase. Revista online de pesquisa cuidado é fundamental, Rio de Janeiro, v.11, n.01, p.211-215, 2019. Disponível em Acesso em: 18/03/2019.

VELÔSO, D. S. et al. Perfil Clínico Epidemiológico da Hanseníase: Uma Revisão Integrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde. V.10, n.1, p.1429-1437, 2018. Disponível em Acesso em: 22/03/2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Neglected tropical diseases. Disponível em: Acesso em:09/06/2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-386

Refbacks

  • There are currently no refbacks.